FOI SÓ ELOGIAR...


Pouco tempo atrás, havia citado que quatro famosas haviam se tornado garotas legais.

Adriane Galisteu, Daniella Cicarelli, Danielle Winitz e Luana Piovani.

Não tinha a ver com questões ideológicas.

Na época, todas pareciam mostrar qualidades que inspirassem simpatia e admiração.

Tempos depois, Danielle Winitz surtou, com uma polêmica violenta com um colunista de jornal, o famoso Léo Dias, de O Dia.

A polêmica, que teve ainda a participação do atual marido da atriz, o também ator André Gonçalves, chegou a parar na Justiça.

Agora, Luana Piovani é que despejou um comentário bastante desumano.

Foi em relação à despedida de dona Marisa Letícia, falecida ex-primeira-dama e esposa do ex-presidente Lula.

"E o Lula no jornal, hoje, dizendo que Marisa foi triste? Gente, morrer é um drama, é uma fatalidade, uma tragédia na vida das pessoas que amam quem se vai. Mas por favor.", disse Luana.

Ela ainda acrescentou: "Muito indigno, ele, numa hora triste como essa, fazer draminha, se vitimizar por conta dessa coisa triste que aconteceu com a dona Marisa. Ah, mas é muita falta de dignidade, gente".

Paciência, Luana.

Numa das fotos, o ex-presidente Lula aparece com expressão de choro.

Nada muito natural. Marisa era o grande amor da vida de Lula e era o maior apoio que o ex-presidente tinha diante das humilhações em quantidade industrial que se despejam contra ele.

Lula é uma pessoa sensível, e, independente de questões ideológicas, deveria-se fazer consideração com uma pessoa numa situação destas.

A título de comparação, Regina Duarte completa hoje 70 anos.

Consultando a Internet, olhei as imagens dela com muita simpatia e consideração.

Em pensamento, vibrei para Regina ter muitos anos de vida e que mantenha firme sua carreira de sucesso e talento.

Regina participou de eventos patéticos "contra a corrupção", como na recente passeata de 04 de dezembro do ano passado.

Nela, os sociopatas vestidos de verde-amarelo pediam "Fora Renan" porque ele quis que o Legislativo mexesse no "pacote anti-corrupção" da "força-tarefa" da Operação Lava Jato.

Mas, passada a passeata, voltaram atrás ao ver que Renan era útil para votar a PEC dos Gastos Públicos (a PEC do Fim do Mundo, hoje aprovada e tornada emenda constitucional) e, ainda por cima, seu suplente é do PT.

Nem por isso Regina Duarte deixa de ser admirável como atriz.

Luana Piovani parecia se tornar politizada e conscientizada, mas rumou para o coxismo conservador.

Foi com outros astros, seus colegas atores e o compositor Raimundo Fagner, saudar Sérgio Moro em Curitiba, certa vez.

Luana passou a ser um "Lobão" de saias e, hoje, fez um comentário muito infeliz.

Ela recentemente apareceu brincando com seus filhos, e meses atrás havia retomado a rotina com o marido Pedro Scooby, cujo casamento chegou a ser brevemente desfeito.

Tudo bem. É maravilhoso ver Luana com a criançada, ela e Pedro Scooby vivendo com os três filhos, e neste caso o reatamento foi um grande acerto.

Mas Luana pelo menos deveria ver o outro lado.

Lula, triste, sem sua companheira, e os filhos também tristes sem a mãe. A dor e a saudade intensas, uma família desfeita pela campanha caluniosa contra ela.

Afinal, não era só Lula o perseguido. Marisa também era "indiciada" pela Lava Jato e tida como "co-proprietária" do triplex de Guarujá.

Os filhos, só por atuarem como empresários, acusados de serem "magnatas insaciáveis".

Isso abateu Marisa, que passou a fumar mais, ficou mais estressada, deprimida, e teve um AVC.

Ela ficou desesperada diante da "condução coercitiva" que levou seu marido para depor para a Lava Jato.

Nós não percebemos o horror que foi policiais invadirem e ameaçarem revirar a casa, pegar em celulares da família e tudo o mais.

Foi constrangedor e nem era necessário a polícia intervir. Lula, assim como Marisa e amiga do casal, a hoje ex-presidenta Dilma Rousseff, se ofereceram para depor à Lava Jato e compareceriam a toda convocação.

Luana Piovani, atriz destacada, embora polêmica, não percebeu isso. Ela pode ter extasiado os sociopatas com tal comentário, mas no geral repercutiu mal com tais palavras.

Ela decepcionou pelo nível desumano de sua mensagem.

Se fosse um comentário apenas ideológico, tudo bem.

Adriane Galisteu apoiou passeata anti-PT, é ex-apresentadora e convidada ilustre da Jovem Pan, amiga de Luciano Huck, sucessora de João Dória Jr. num programa de TV.

No entanto, ela está se esforçando para ser uma garota legal, além de atraente.

Procura ser mais positiva, dentro de seus limites ideológicos.

De que adiantou Luana Piovani tornar-se simpática e procurar papéis consistentes, depois de um comentário infeliz desses.

Assim, quem fez "draminha" foi ela.

Comentários