Pular para o conteúdo principal

ESTADOS SEM HORÁRIO DE VERÃO DEVERIAM VALORIZAR LAZER DE INÍCIO DA NOITE

SALVADOR DEVERIA TER RUAS MOVIMENTADAS DE GENTE ENTRE 18 E 20 HORAS.

Nos Estados que não adotam o Horário de Verão, a ideia é a sociedade aproveitar o horário das 18 às 20 horas para ir à rua e realizar o seu lazer fora de casa. Caminhadas, mergulhos na praia, passeios nas praças, corridas etc.

As pessoas deveriam evitar ficar em casa nesses horários, e aproveitar e admirar a paisagem do começo de noite. O ideal não é o refúgio em bares e boates, mas aproveitar o céu noturno aberto, para conversar e conhecer melhor as pessoas.

Numa sociedade desumana em que vivemos, sair de casa à noite para sentar num banco no calçadão da praia ou numa praça seria uma forma das pessoas procurarem se relaxar, avaliarem seus desejos, anseios, mas evitando a necessidade de bebedeira, porque a vez é de relaxar e não se entorpecer com mais uma rodada alcoólica que só estraga o organismo.

Sabemos que as pessoas andam inseguras, e por isso seria legal que muito mais pessoas decidam sair às ruas, ficar fora de casa entre 18 e 20 horas. Dar movimento, cor e alegria nesse começo de noite que mereceria ter o astral de fim de tarde.

Não é desculpa essa insegurança, já que em horários mais tardios as pessoas juntam mais coragem para enfrentar noitadas, e sobretudo porque as pessoas vão e vem de automóvel e se refugiam nos bares e boates para mais uma embriaguez sem sentido.

Quanto mais pessoas saírem para a rua para conversarem, conhecerem amigos e descansar a mente, sem depender de álcool, de aparelhagem eletrônica e tudo o mais de artificial, apenas com o contato com a natureza e com outras pessoas, a insegurança das ruas diminuirá.

As autoridades deveriam estimular o lazer do começo de noite, iluminando praças e parques públicos. Além disso, o policiamento deveria ser reforçado, para garantir a tranquilidade da população. O fato das pessoas saírem de casa no começo da noite pode trazer uma série de vantagens.

Em primeiro lugar, a quebra de rotina faz o lar ficar mais valorizado. Em vez de um retorno estressante ao lar para ver aquele programa de TV que já não traz proveito algum na vida, o fato das pessoas entrarem em contato com a Natureza e observar a paisagem no começo da noite é um grande entretenimento, assim como fazer atividades como caminhadas, praticar esportes etc.

Em segundo lugar, a economia de dinheiro será enorme. Imagine deixar televisões e lâmpadas desligadas, adiar por duas horas o uso da geladeira, levar um lanche pronto para comer na rua, e deixar boa parte de eletrodomésticos desligados por duas horas.

Os estabelecimentos comerciais se tornam uma alternativa em caso de dias chuvosos. Neste caso, frequentar livrarias, lojas diversas e aproveitar os ambientes desses lugares, não só para gastar dinheiro mas para apreciar até mesmo a estética de cada lugar, podem ser uma boa alternativa para deixar a rotina dos "vídeos coagidos".

A conta de luz sairá muito mais barata, o que traz uma grande vantagem para as pessoas. Daí que as pessoas que vivem nos Estados do Norte e Nordeste têm uma boa oportunidade de transformarem o começo da noite num prolongamento da tarde,

Quanto mais pessoas deixarem suas casas nesse intervalo de tempo, melhor para trazer mais movimento e alegria para as ruas, tirando aquele clima de madrugada antecipada que costuma assombrar as ruas nesse começo de noite. A hora é perder a pressa na volta para casa ou, no caso de voltar para casa, se arrumar e curtir uma saída para viver a vida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…