Pular para o conteúdo principal

EXCLUSIVO: FAROFAFEIROS ATACAM INTELECTUAL DE ESQUERDA


Tive que parar brevemente o descanso de meu blogue por causa de uma polêmica bastante surreal, puxada pelos blogueiros do Farofafá, aquele fã-clube enrustido de Francis Fukuyama que arranca dinheiro de Mino Carta. O alvo é um texto do intelectual Vladimir Safatle, intelectual de esquerda dos mais conceituados do Brasil.

É uma coisa bastante surreal. Vladimir Safatle é um intelectual de esquerda autêntica, mas publicou seu texto num periódico de direita, a Folha de São Paulo, que o contratou para dar a impressão de que o periódico acolhe a diversidade ideológica. Além disso, Safatle é um dos poucos intelectuais de esquerda de nível internacional, que não se prendem apenas à agenda política.

Já o Farofafá, comandado pelo discípulo envergonhado de Fernando Henrique Cardoso, Pedro Alexandre Sanches - curiosamente o aluno-modelo de Otávio Frias Filho que empurra preconceitos da Folha de São Paulo para a mídia esquerdista - , é uma ilha de centro-direitismo no portal da Carta Capital, que pensa a cultura popular sob a perspectiva do livre mercado.

Certamente o texto "Resposta a Vlad, o Moderno" não foi escrito por Sanches mas por um colaborador, Acauam Oliveira, e ele apela pelos mesmos enjoados clichês da apologia à bregalização cultural e à "ditabranda do mau gosto" que ninguém aguenta mais.

Acauam certamente abraça a causa do editor Sanches - que por sua vez escreve como se fosse uma mistureba pós-tropicalista de Reinaldo Azevedo e Caetano Veloso com a fome de mercado de Rodrigo Constantino, apesar da pose pseudo-esquerdista do "filho da Folha" - e apela para o disco riscado de dizer que o "funk" e o "sertanejo" é que "incomodam mais" do que a "boa música".

Vamos explicar. Vladimir Safatle, que lembra Mauro Dias de 16 anos atrás quando falava do "massacre cultural" do brega-popularesco, define como o "fim da música" a onda de ritmos "populares" que refletem o conformismo das classes populares com a supremacia das elites.

"A música brasileira foi paulatinamente perdendo sua relevância, para se transformar apenas na trilha de fundo da literalização de nossos horizontes" escreve Safatle, Ele define a mediocridade musical pelo nome de "estereotipia formal" e, se ele atribui o "sertanejo universitário" e o "funk" ao lulismo é porque ele faz parte de uma esquerda que critica o PT e sabe que o brega-popularesco usou a Era Lula para o parasitismo das verbas da Lei Rouanet.

Sem querer querendo, Acauam tenta "reconhecer" a diferença de contextos entre o samba urbano de 1930 e o "funk", mas ele tenta puxar a brasa funqueira para a sua sardinha bregófila, como se quisesse dizer que os funqueiros de hoje são tão ou mais "injustiçados" que os sambistas de ontem:

"Mas eu não concordo integralmente com o paralelismo funk perseguido/samba perseguido por diversas razões, dentre elas o fato de que as comunidades possíveis de se imaginar a partir do funk são muito diferentes daquelas imagináveis pelo samba, e as relações descontínuas entre o samba incorporado pela tradição que o Safatle gosta e o pancadão não podem ser tratadas apenas a partir de suas continuidades. Uma imanenciazinha às vezes cai bem…".

Evidentemente Acauam tenta estar acima do bem e do mal na análise cultural. Claro, ele sonha ver funqueiros e "sertanejos" reconhecidos como "vanguarda cultural" como o cara que sonha ver o Big Mac valorizado na dieta vegetariana (apesar do hambúrguer) só por causa de um alface e tomate inseridos no sanduíche.

Acauam faz uma longa divagação ideológica, tentando puxar critérios ao mesmo tempo sociológicos e um metodologia anti-metodológica, criticando tanto os "anti-intelectuais", os "neo-indies", a crítica de uns e a crítica de outros, numa "viagem prolixa" que cita um intelectual, José Calixto, que atribuiu "consistência" na batida do "funk".

É evidente que a sombra de Rodrigo Constantino percorre as páginas do Farofafá, só afetando com menos intensidade o Jotabê Medeiros, que pela lucidez é o "Roberto Pompeu de Toledo" daquela Veja pós-tropicalista que é o Farofafá, que parece não ver diferença essencial entre o comercialismo do brega-popularesco e a criatividade da MPB de vanguarda.

O grande problema é que os espaços de divulgação estão sendo mais escassos. Quando entra na grande mídia, a MPB autêntica vira refém de trilhas de novela da Globo e se vicia em tributos saudosistas. Existe nova e vibrante MPB por aí, mas ela se resigna aos poucos espaços que lhe resta, e ninguém parece mais querer desafiar o establishment.

Por outro lado, a música dita "popular demais" só é tida como "vanguardista" pela imaginação dos farofafeiros em sua altíssima visibilidade e seu apetite rodrigoconstantiniano pelo "deus mercado". Afinal, para eles não há a diferença de um Chico Science que vira a música nordestina de cabeça para baixo e o "forró eletrônico" patrocinado por latifundiários que mandam matar agricultores.

O que os intelectuais "bacaninhas" fazem é deixar como está o quadro em que o povo pobre está sujeito a se "expressar" por um tipo de estereotipação cultural e musical trazida pelo poder midiático, ignorando que muito do sucesso "explosivo" do "funk carioca" se deve à mesma Rede Globo de Ali Kamel e companhia, que os farofafeiros fingem sentir "ódio mortal".

E mais: um dos que mais patrocinaram e difundiram o "funk" foi Luciano Huck, abertamente afiliado do PSDB, e tão amigo de Aécio Neves que este passou a falar igualzinho ao apresentador, o que sugere que o marido de Angélica tenha servido de fonoaudiólogo pessoal do neto de Tancredo Neves.

Por outro lado, a Veja se rendendo a MC Guimê e a TV O Liberal (afiliada paraense da Globo) ter abraçado a causa do tecnobrega não são mera coincidência. Não se faz ocupação quando os algozes a serem "dominados" reagem felizes da vida. Quando a Banda Calypso, hoje em colapso devido ao divórcio de Joelma e Chimbinha, apareceu no Domingão do Faustão, aquilo não foi um ato de ocupação subversiva, mas uma aliança entre o grupo e o poderio midiático que o apoia.

O Brasil está mergulhado no mais escancarado comercialismo musical. A bregalização já previa esse comercialismo desde os tempos de Orlando Dias, contemporâneo de Waldick Soriano, trabalhado como um ídolo abertamente comercial no começo dos anos 1960. É lamentável que uma parcela de intelectuais influentes ache que o futuro do folclore está nas mãos dos empresários do entretenimento que financiam o brega-popularesco.

Só que hoje tudo virou um beco-sem-saída, e, numa época em que Fernando Brant já está morto, perdemos emepebistas que morrem sem deixar herdeiros e o grupo instrumenal Uakti decide encerrar suas atividades, a arte musical brasileira morre aos poucos com o avanço totalitário do brega-popularesco e seu jeito McDonalds-Disneylândia de abordar as classes populares.

Enquanto isso, mais uma vez a indústria de entretenimento posa de "vanguardista" repetindo fórmulas de 15, 20 anos atrás. Acham que Anitta descobriu o Big Bang com seu Bang!, mas ela só faz o que Britney Spears já fez muito, muito antes...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …

BREGALIZAÇÃO, GOLPE CULTURAL E ECONOMICISMO DAS ESQUERDAS

APARENTEMENTE DESPOLITIZADOS, DOM E RAVEL CANTARAM O BRASIL UFANISTA DE 1970, SIMBOLIZADO PELA VITÓRIA DA COPA DO MUNDO, CUJO TROFÉU DO TRI APARECE NAS MÃOS DO GENERAL MÉDICI.

A bregalização cultural foi um golpe cultural que antecipou o golpe político de 2016.

Adestrados pelas elites intelectuais ligadas a Fernando Henrique Cardoso, os chamados intelectuais "bacanas" - assim chamados porque queriam parecer legais num cenário de anti-intelectualismo - iniciaram a retórica da defesa do brega-popularesco ou "popular demais".

Essa campanha, embora tenha como um dos precedentes um artigo acadêmico de Milton Moura em 1996, "Esses pagodes impertinentes...", foi oficialmente iniciada pelo livro Eu Não Sou Cachorro Não, de Paulo César de Araújo.

Araújo era muito badalado pela mídia hegemônica, cumprindo a agenda da bregalização que era a "menina dos olhos" das famílias Frias, Civita e Marinho.

São intelectuais que estavam treinando abordagens neoliberai…