Pular para o conteúdo principal

INTELECTUAIS FORÇAM ESQUERDAS A "ACEITAR" CORONELISMO MUSICAL

PEDRO ALEXANDRE SANCHES, O ALUNO-MODELO DE OTÁVIO FRIAS FILHO, E GUSTAVO ALONSO, QUE SENTE SAUDADES DO "MILAGRE BRASILEIRO".

Evidentemente, muita gente anda desprevenida no país. Vulnerável às mesmas armadilhas que, em outros tempos, seriam facilmente identificáveis, vide por exemplo o projeto Jornalismo das Américas do Centro Knight que não passa de uma reedição do mesmo projeto "interamericano" comandado pela CIA e pelo Departamento de Estado dos EUA.

Essa armadilha não só foi ignorada que houve um conhecido blogueiro de esquerda que achou que a cidade de Austin, no Texas, na verdade um Estado bastante conservador dos EUA, reduto do Partido Republicano, era um "pólo de esquerdismo" só por causa do famigerado projeto de "imprensa democrática" movido pelo ex-Veja Rosenthal Calmon Alves.

Atualmente, temos uma intelectualidade cultural que tenta sabotar os debates sobre cultura popular e defender a visão dos "coronéis" e chefões do mercado midiático. Tentam renegar seu vínculo com os barões da mídia, até fazem falsos ataques a direitistas da moda, mas no fundo são colaboradores free lancer - vulgo "frilas" - do mais ferrenho poderio midiático.

E aí vejo Pedro Alexandre Sanches em seus textos. Nos últimos anos, o bom aluno de Otávio Frias Filho estava defendendo a bregalização cultural dentro da gororobização da música brasileira, misturando tropicalistas e pós-tropicalistas menos conhecidos com o que havia liderado as paradas de sucesso no passado e no presente.

Por pesquisas próprias e análise de argumentos, e não por "não ir com a cara do cara", como se poderia dizer, eu percebi que as ideias de Sanches se casavam com as do historiador estadunidense Francis Fukuyama, aquele do "fim da História". Para Sanches, a ideia é decretar o fim da MPB e transformar a música brasileira num grande McDonalds instalado na entrada de uma favela.

Num país marcado pelo provincianismo e pela desinformação, pelo "jeitinho brasileiro" e pela "memória curta", Sanches e seus amiguinhos - como Eduardo Nunomura e um Gustavo Alonso saudoso da Era Médici, embora tenha nascido bem depois - se impõem como "intelectuais de esquerda" num país sem tradição de esquerdismo, pois o que se tem aí é só rascunho.

Lá fora, intelectuais não medem palavras para contestar a imbecilização das classes populares, a supremacia de subcelebridades e o quase monopólio da mediocrização cultural, sem medir escrúpulos de derrubar listas de paradas de sucesso.

Mas aqui, intelectuais se dizem "de esquerda" defendendo valores próprios do mais histérico neoliberalismo e, recentemente, Pedro Sanches, Gustavo Alonso, Eduardo Nunomura e outros estavam discutindo por que há tanta rejeição à "música sertaneja".

Eles estão tristinhos por que a música coronelista que trata o público que nem gado não é levada a sério. Ficam tentando convencer os esquerdistas de que o latifúndio musical do "sertanejo", patrocinado por grandes proprietários de terras e políticos associados, tem o seu valor no "libertário folclore" transbrasileiro.

Eles vivem no seu planeta pseudo-esquerdista se esquecendo que até Zezé di Camargo & Luciano - que a intelligentzia acreditava terem sido "neozapatistas" culturais - viraram tucanos, num contexto em que a Joelma Calypso teve surtos homofóbicos e MC Guimê aparecia feliz da vida na capa da ultrarreacionária Veja.

Ou talvez esses caras se autoproclamem "esquerdistas" por uma simples libido juvenil. Mas foi dessa maneira que nasceram os Olavo de Carvalho de amanhã. Esse é o medo. Enquanto têm a esperança de ver as classes populares transformadas em domesticados consumistas, Pedro Alexandre Sanches posa de "esquerdista" tranquilamente. Quando a ilusão acabar, nascerá o direitista de amanhã.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…