Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2016

"FUNK" COME O CROISSANT QUE O "DEUS" MERCADO AMASSOU

Foi divulgado no Facebook um "baile funk" de riquinhos no Rio de Janeiro, a Festa Errejota, no Pier Mauá, na Zona Portuária.

Ingressos a R$ 90 para homens e R$ 70 para mulheres.

Orgia de gente bonita e bem vestida ao som de "pancadão".

Reações negativas vieram então nas mídias sociais dizendo que o evento "glamouriza a pobreza".

Internautas reclamando que o evento transforma favela em "fantasia".

Olhem só quem fala.

O "funk carioca" tem eventos como este por uma consequência natural de suas ambições.

O próprio "funk" de dentro das favelas trabalhava uma visão glamourizada e ufanista.

Falava-se do "orgulho de ser pobre" e da "felicidade" em viver numa favela.

Quando havia protesto no "funk", eram coisas inócuas, nem de longe lembrando a contundência das verdadeiras canções de protesto.

O "funk" sempre foi uma armação publicitária criada por empresários muito, muito ricos, tipo Rômulo Co…

JÁ PENSO OS 50, 60 ANOS

A "turma" de empresários, executivos e profissionais liberais que é de seis a um ou dois anos mais velha do que eu já chegou aos 45 e uns aos 50 antes de mim.

No entanto, esses homens, trancados nos seus escritórios, vivendo entre seus ambientes de trabalho e os eventos formais, apenas tropeçaram nas idades e agora recuam diante da pressa da maturidade.

Vejo eles vestindo e tentando parecer dez anos mais jovens, enquanto são impotentes de mostrar uma experiência de vida à altura de suas idades.

Viveram entre os escritórios ou consultórios e as festas de gala, como corredores de Fórmula 1 que ficaram tempo demais no pit stop ou partiram antes de se dar o sinal de largada.

Nasci em 1971. Mas não é segredo algum para mim o mundo dos anos 1950 e 1960. Já sentia falta dos anos 1960 quando eu tinha apenas dois anos de idade, em 1973.

Não acho impossível observar as coisas longe do berço. Só que isso não é tarefa de qualquer um.

Vide o saudoso Umberto Eco, especialista da Idade Mé…

REVISTA QUE CONSIDEROU WESLEY SAFADÃO PROMISSOR ESTÁ DECADENTE

WESLEY SAFADÃO COMEMORANDO UM SUCESSO NO EXTERIOR QUE NÃO PASSA DE "MIMIMI" DA MÍDIA POPULARESCA.

Meses atrás, a revista Forbes fez uma lista com os 30 jovens mais promissores do Brasil com menos de 30 anos de idade.

A julgar pela ordem decrescente da lista, o cantor de forró-brega Wesley Safadão, de 27 anos, apareceu por último, como se fosse o mais cotado da lista.

Fala-se que a Forbes é uma das revistas mais conceituadas do mundo.

Não é mais.

E, como se não bastasse, a revista falava de ricos, não é um referencial que tenha crédito fora dos círculos elitistas da sociedade.

Além disso, o "sucesso mundial" de Wesley Safadão não passou de um mimimi da mídia popularesca do Brasil.

Sempre provinciana, a mídia brasileira sempre inventa uma lorota como se o mundo pudesse dar crédito a qualquer ninharia que ocorre no país.

A Fortune também colocou o tendencioso juiz Sérgio Moro, que coloca suas convicções pessoais acima das leis, como o 13° líder internacional do planet…

PIRAQUÊ DEVERIA LANÇAR BISCOITO DE COCO RECHEADO ORIGINAL

Este biscoito recheado da Piraquê, anunciado como de coco, é até gostoso.

Só que é um biscoito de chocolate com coco, não um biscoito de coco propriamente dito.

A Piraquê tinha um biscoito de coco original, um biscoito comum com recheio de coco.

Era um grande sucesso, até que, depois, sumiu do mercado.

E, quando voltou, não voltou como antes, mas como um biscoito de chocolate com coco.

A Piraquê pelo menos poderia ter duas versões.

Uma, um biscoito de coco, ou seja, um biscoito comum com recheio de coco, assim como se faz com sabores de recheios como limão, morango e abacaxi.

Outra, um biscoito de chocolate com recheio de coco, que deveria ser anunciado como tal.

A Piraquê já tem um biscoito não-recheado de coco, que não precisou se misturar com chocolate.

Poderia, portanto, relançar o antigo biscoito de coco, tal como era nos anos 1980.
A freguesia agradece.

ESTOU TERMINANDO MEU LIVRO

O blogue não está inativo, mas hoje a postagem é só para avisar que agora me preparo para concluir meu novo livro, que está na reta final. O Linhaça Atômica não saiu de férias, mas neste momento não tenho tempo para escrever um longo texto. Peço compreensão a todos e lhes convido a lerem os textos já publicados.

BREGA FEZ PRECONCEITO SE TRANSFERIR PARA A MPB

SE NÃO FOSSEM AS TRILHAS DA REDE GLOBO, ELIS REGINA SERIA DISCRIMINADA PELAS GERAÇÕES ATUAIS.

A breguice cultural que ocupou, de forma quase totalitária, várias reservas de mercado, usando o discurso da "cultura das periferias" e o "combate ao preconceito", criou novos e mais cruéis preconceitos.

A música de qualidade bastante duvidosa, mesmo a pretensamente sofisticada - como os arremedos de MPB feitos por ídolos veteranos da "geração 90" de "sertanejos" e "pagodeiros românticos" - , usou o discurso politicamente correto do "combate ao preconceito" para forçar o apoio da opinião pública e abocanhar novas fatias do mercado, atingindo públicos de maior poder aquisitivo.

Daí que, durante mais de uma década, entre 2003 e 2014, prevaleceu, na grande mídia, o discurso de que os chamados "sucessos do povão" representavam a "cultura popular autêntica" foi propagado de maneira tão insistente, forjando uma pretensa…

"FUNK" SEMPRE TEVE BOA COTAÇÃO ENTRE OS BARÕES DA MÍDIA

É notória a gafe de uma reportagem sobre "funk" publicada em Caros Amigos, em 2009, quando a jornalista escreveu que o funqueiro Mr. Catra "seguia invisível às corporações da grande mídia". Naquela época, Mr. Catra, em rede nacional, se apresentava para ninguém menos que o "rei da visibilidade" Luciano Huck, apresentador do badalado e bem visto Caldeirão do Huck.
Huck, amigo de Aécio Neves e filiado ao PSDB, é um dos maiores divulgadores do "funk" no Brasil, o que faz com que setores das esquerdas ainda não tenham digerido a ideia de que o ritmo carioca - agora com "sucursal" paulista, o "funk ostentação" - sempre foi um aliado das corporações midiáticas, e não o contrário.
Antes que as esquerdas estarem oficialmente associadas ao "discurso socializante" do "funk", essa retórica foi toda armada pelas Organizações Globo e pelo Grupo Folha, os artífices desse discurso todo de "cultura das periferias&qu…

CLÁUDIO BOTELHO COMETEU UMA INCOERÊNCIA

O autor, diretor e produtor teatral Cláudio Botelho cometeu uma grande ofensa, e, também, uma grande gafe. Durante a encenação da peça Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos, o ator fez vários discursos de improviso durante a peça, que mistura trechos da obra do compositor carioca feitas para o cinema e teatro.

Foi ontem à noite, no Palácio das Artes do SESC, em Belo Horizonte. Cláudio despejou um comentário reacionário, com alusões racistas, e mostrando todo o ódio contra Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

"Será que todo mundo vendo a novela da 20 horas ou esperando a notícia de um presidente que foi preso? Ou será que a presidente está esperando seu impeachment?", foi uma das frases inseridas numa cena em que um grupo de pessoas chega a uma cidadezinha.

Ele havia feito uma série de ataques ao Partido dos Trabalhadores, ao ex-presidente Lula e à presidenta Dilma. Nos discursos inseridos, Cláudio sugeria a prisão de Lula e o impedimento de Dilma, que aind…

O BRASIL EM CLIMA DE INSEGURANÇA

EX-PRESIDENTE LULA DISCURSANDO NA MANIFESTAÇÃO PRÓ-GOVERNO NA AV. PAULISTA, SÃO PAULO, ONTEM.

Ontem ocorreram manifestações em várias cidades do país em favor do governo da presidenta Dilma Rousseff e em solidariedade ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, impedido por liminar de exercer o cargo de ministro-chefe da Casa Civil, cargo do qual chegou a ser empossado.

Elas se tornaram bem mais espontâneas que as dos "revoltados" da direita, até porque descobriu-se que as passeatas do "Fora Dilma" foram na verdade "micaretas" que demonstravam a atuação de uma parcela despolitizada e rancorosa da sociedade privilegiada.

A direita anda rancorosa e tão atrapalhada que o juiz Sérgio Moro, herói dos "revoltados" e tido como "imparcial" e "honesto", mas que é marido de uma funcionária do PSDB, admitiu que cometeu deslizes legais para realizar o grampo entre Lula e Dilma, tarefa que causou muita polêmica entre juristas, embora a at…

"FUNK" É MESMO O CABO ANSELMO DA VEZ

Diante da recente turbulência social marcada por passeatas de reacionários e protestos com panelas e vuvuzelas, sobretudo hoje, quando o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva tomou posse como ministro-chefe da Casa Civil - o que inverteria as posições com a presidenta Dilma Rousseff em relação a sete anos atrás, não fosse a suspensão do ato por uma liminar - , observa-se uma coisa: a mobilização social virou monopólio das elites.

Não que as classes populares estivessem em todo desmobilizadas, mas o que se observa é que as grandes manifestações, os grandes protestos de rua, são praticamente um privilégio das elites mais abastadas e de uma classe média desorientada que é manipulada pelo poder da Rede Globo.

Já escrevi que a intelectualidade "bacana" - aquele conjunto de acadêmicos, cineastas, jornalistas culturais e famosos que defendem a bregalização da cultura popular - tirou o povo dos debates culturais, isolando os debates progressistas apenas a seus líderes e ativistas…

DIPLO NÃO É JOHN PEEL; LOGO, "FUNK" NÃO É VANGUARDA

O RADIALISTA BRITÂNICO WESLEY PENTZ, O DIPLO.

O mercado e a grande mídia querem empurrar o brega-popularesco, sobretudo o "funk", para as vanguardas culturais. Arruma-se qualquer desculpa para isso. Se recebeu vaias, é "vanguarda". Se causou polêmica, é "vanguarda". Se foi massacrada pela crítica, é "vanguarda". Tem idiota para tudo e qualquer coisa serve como desculpa para forçar a barra do falso vanguardismo.

Qualidade artística, que é bom, nada. E a porralouquice de alguns gringos acaba contribuindo para essa hegemonia do brega-popularesco, da Música de Cabresto Brasileira, do jabaculê musical que fabrica ídolos milionários a todo momento e tenta se valer pela tal "provocatividade", que é a atribuição de pretensa genialidade a ídolos cujo sucesso "incomoda".

Tivemos o caso do admirável músico Arto Lindsay, que, no entanto, teve um ato falho ao definir o grupo baiano Psirico como "sofisticado". E isso antes da int…

INTELECTUALIDADE "BACANA" TENTOU TIRAR O POVO DOS DEBATES CULTURAIS DE ESQUERDA

ÍDOLOS "POPULARES DEMAIS", COMO GUSTTAVO LIMA, JÁ SÃO MAIS RICOS E BURGUESES QUE MUITO "ARISTOCRATA" DA "ELITISTA" MPB.

A intelectualidade que defende a bregalização do país, que aposta que o jabaculê musical de hoje seja o folclore de amanhã, fez para as esquerdas o que a direita reacionária não conseguiu.

Empastelou o debate público sobre a cultura popular dentro das esquerdas.

Lançou o papo furado do "combate ao preconceito" para forçar a aceitação de uma "cultura" que trata o povo pobre de forma caricata e, portanto, preconceituosa.

E isso a intelectualidade, considerada "bacana" por causa da alta visibilidade, prestígio e porralouquice, fez dentro da mídia esquerdista.

Até hoje vários desses intelectuais bajulam ativistas de esquerda. Espera a intelectualidade "mais legal do país" pelas verbas federais da Lei Rouanet.

Eles defendiam a ideia "sem preconceitos", mas muito preconceituosa, de que o povo p…

O JOGO PSICOLÓGICO DOS ALOPRADOS ANTI-PT

A JORNALISTA RENATA LO PRETE PARECE ESTAR ANSIOSA DE VER DILMA FORA DO GOVERNO.

Notaram que a direita está perdendo a cabeça com esse negócio de oposição ao PT. Escondendo sua frustração de não ter conseguido fazer o seu candidato, Aécio Neves, vencer a eleição presidencial de 2014 - tinham dois turnos e vários meses para provar que seu candidato era o "melhor" - , eles passaram a adotar posturas golpistas e extremamente reacionárias.

Na semana passada, dois episódios marcaram a histeria dos chamados "aloprados". Um é o Ministério Público de São Paulo, cujos três membros, ignorando critérios e determinações jurídicas, pediram prisão preventiva do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva.

O pretexto é sobre o triplex de Guarujá, cuja aquisição teria sido um pano de fundo para aquilo que os precipitados promotores definiram como "crime doloso", daí o pedido de prisão. Só que até a oposição achou isso um exagero e pediu a eles cautela com a decisão.

Pela prec…

FAROFAFÁ RURALISTA? BLOGUE FAZ COBERTURA DE EVENTO PATROCINADO POR GERALDO ALCKMIN

O blogue Farofafá, o portal preferido da intelectualidade "bacana" e editado pelo "esquerdista convicto" Pedro Alexandre Sanches, veio com mais uma "pérola". O portal que já esculhambou o esquerdista Vladimir Safatle e fez um favor ao tucano Armínio Fraga divulgando a banda de seu filho, fez cobertura de um evento patrocinado por Geraldo Alckmin.

Foi a Festa do Milho de Tanquinho, que embora seja um evento tradicional, é hoje encampado pelos donos do agronegócio. E, como é de praxe, conta com atrações cujos nomes mais recentes estão relacionados ao "sertanejo" e ao "forró eletrônico", que até o reino mineral sabe que são sustentados pelo latifúndio.

O que chama a atenção é que a reportagem, de autoria de Eduardo Nunomura, faz questão de mostrar o logotipo Governo do Estado de São Paulo, representado pela pessoa de ninguém menos que Geraldo Alckmin, suspeito de envolvimento no escândalo da merenda. Tudo indica que a reportagem do Faro…

TRÊS GRANDES PERDAS PARA A MÚSICA

Três grandes perdas da música. Três músicos geniais se foram, nos últimos dias.

No dia 08 passado, perdemos o músico, maestro e produtor inglês George Martin, que estabeleceu um dos maiores diálogos artísticos da música, interagindo com os Beatles durante a segunda fase da banda britânica, nos anos 1960.

No último dia 09, perdemos Naná Vasconcelos, percussionista pernambucano, músico e um dos organizadores do festival Percpan, de música relacionada à percussão e ao ritmo.

Hoje foi a vez do supertecladista inglês Keith Emerson, da banda Emerson Lake & Palmer, um dos grandes nomes do rock progressivo.

Cada um deles deu uma contribuição impar para a música, dois deles para o rock clássico (embora Naná Vasconcelos fosse também um dos nomes tocados na fase áurea da Fluminense FM).

O que George Martin fez, na condição de produtor e verdadeiro cúmplice das audácias musicais dos quatro rapazes de Liverpool, sem medo dele, mais experiente, aprender muito com a banda cujas gravações ele pr…

ROQUEIROS FOGEM DA RÁDIO CIDADE E BUSCAM OUTRAS OPÇÕES AUDITIVAS

QUIOSQUE NA PRAIA DE GRAGOATÁ, EM NITERÓI, PREFERE A SINTONIA DE UM CANAL DE ROCK NA TV POR ASSINATURA.

Embora os roqueiros autênticos do Grande RJ decepcionem em parte por não tomar uma posição explicitamente contrária à Rádio Cidade - pelo menos nos níveis que se fez contra a Estácio FM, três décadas atrás - , nem eles aguentam a sua programação, que há dois anos foi retomada, com todo o pior desempenho que "queimou" a emissora FM em 2006.

A Rádio Cidade não só não disse a que veio como sua programação se revelou bastante desastrosa. Não adiantou o marketing enganoso que tentava vender a imagem da Cidade FM como "rádio rock séria" e nem a "política da boa vizinhança" de alguns roqueiros autênticos em não questionar a emissora. O fracasso se deu pela própria qualidade da programação e outros aspectos.

A "politica da boa vizinhança" tentava tolerar a Rádio Cidade sob a desculpa de esperar o mercado de rock se revitalizar no Grande RJ e garantir …

MACHISMO, NOITADAS E VIOLÊNCIA

Uma notícia trágica expõe questões relacionadas à forma com que a mídia estimula o assédio em noitadas e os impulsos sexuais machistas.

Duas belas moças, as jovens Maria José Coni e Marina Menegazzo, respectivamente de 22 e 21 anos, desaparecidas desde o último 22 de fevereiro, foram encontradas mortas num balneário em Montañita, no Equador.

As duas estavam fazendo uma excursão, haviam ido para Machu Picchu, no Peru, e estavam hospedadas em um hotel na cidade equatoriana, famosa por sua praia. Planejavam voltar ao Peru, depois da estadia.

De repente, foram a um bar e foram assediadas por dois homens, identificados como Alberto Segundo Mina Ponce, de 33 anos, e Aurélio Eduardo Rodriguez, de 39 anos, que se embriagaram e convidaram as duas meninas a passar a noite na casa deles.

No entanto, as duas teriam sofrido tentativa de estupro e elas se recusaram. Furiosos, os dois reagiram, um golpeando Maria José na cabeça e outro esfaqueando Marina. Os dois foram levar os corpos num saco de l…

GOSTAR E ENTENDER DO QUE FAZ É A NORMA DO BOM TRABALHO

Em 2004, uma tese absurda foi defendida pelos fãs da Rádio Cidade e 89 FM, supostas rádios de rock do Rio de Janeiro e de São Paulo, respectivamente. Eu havia questionado o fato de que as duas rádios eram feitas por radialistas sem especialização de rock e citava até um locutor, Rhoodes Dantas, que afirmava que nunca gostou de rock.

Aí, os fanáticos defensores das duas emissoras, provavelmente combinando uma resposta em conjunto para forjar "unanimidade", vieram com a besteira de dizer que é por não gostar nem entender de rock que o radialista se torna um melhor profissional.

O pretexto era de que gostar e entender de rock era visto como "masturbação" e que, por isso, o cara "de fora" teria "maior imparcialidade" para trabalhar o gênero, como se não entender nem gostar de rock pudesse "abrir mais a mente" para uma programação "mais consistente".

Na teoria, tudo parece lindo. Só que na prática, é uma das visões mais preconcei…