Pular para o conteúdo principal

70 ANOS DE ELIS REGINA E A CRISE DA MPB

ELIS REGINA, NO COMEÇO DE CARREIRA, EM 1961.

Hoje Elis Regina teria feito 70 anos de idade. Morta por overdose de cocaína cerca de dois meses antes de completar 37 anos, a cantora gaúcha sobreviveu simbolicamente ao seu falecimento, sendo prestigiada e admirada até hoje, mesmo por pessoas que nunca a puderam vê-la viva e atuante na música.

No entanto, celebrar o aniversário de nascimento de Elis Regina no contexto da música brasileira atual, completamente estagnado por homenagens sucessivas e nenhum artista que unisse talento e visibilidade, é bastante melancólico, não só pelo fato dela ter tido morte prematura.

E nem é pela ausência dela em si que a MPB padece, até porque, bem ou mal, sua filha caçula, Maria Rita Mariano (do casamento de Elis com César Camargo Mariano), assume as influências da mãe e segue carreira aproveitando as lições dela e até gravando o repertório que vários compositores ofereceram à cantora gaúcha e sob sua voz se tornaram clássicos.

A MPB padece por causa de uma mentalidade mesquinha que, a partir dos anos 1990, a mídia e o mercado passou a ter da MPB autêntica, herança das deturpações trazidas na década anterior e que fizeram a antes vigorosa MPB dos anos 1960 ficar entediante, tola e inócua nos anos 1980.

Essa mentalidade fez as pessoas se acostumarem mal com o clima de pompa, de luxo e de couvert artístico que viciou a MPB, hoje um amontoado de referências confusas, insipidamente misturadas num modelo que mais parece um pop adulto qualquer cantado em português.

MPB virou trilha sonora de restaurantes e transas de motel, e pouco importa se são grandes talentos ou mesmo as canastrices neo-bregas (sobretudo Michael Sullivan, Alexandre Pires, Ivete Sangalo e Chitãozinho & Xororó) adotadas bastardamente por certas correntes emepebistas mais promíscuas e condescendentes. Se tiver romantismo e luxo, tudo bem.

Na sua derradeira entrevista, no programa Jogo da Verdade da TV Cultura, em 05 de janeiro de 1982 - duas semanas exatas antes de morrer - , Elis já se preocupava com as fórmulas que eram impostas pelas gravadoras para a MPB, mesmo quando tentam criar clones de talentos como a própria cantora. Aliás, clone não é original, não tem o mesmo talento.

Muitas questões que Elis trazia ao apresentador Salomão Esper e os conhecidos jornalistas Maurício Kubrusly e Zuza Homem de Mello, relacionadas às imposições da indústria fonográfica, são muito atuais. O tratamento da música como um negócio, a criação de fórmulas e mitos, de modismos e modelos, já era reclamado por Elis naquela época em que as gravadoras castraram a MPB.

Hoje o pessoal acha tudo maravilhoso, vai uma comunidade de MPB colocar um vídeo de uma música de Sullivan & Massadas no Facebook e o pessoal bovinamente aceita, sem queixumes. É o pessoal que deve ter parado de raciocinar, e que deveriam ir ao médico para fazer exames para ver se eles não adquiriram o mal de Alzheimer prematuramente.

Isso porque as pessoas não percebem a máquina de fazer dinheiro que, primeiro nas mãos de Lincoln Olivetti e Robson Jorge, pasteurizaram a MPB, e depois, nas mãos de Michael Sullivan e Paulo Massadas, transformou o brega em luxo e gala. É triste ver pessoas com menos de 35 anos, na maior memória curta, achando que Michael Sullivan é gênio, sem saber metade de seu passado traiçoeiro.

É horrível. O pessoal pensa que a "verdadeira MPB" é aquela que funde clima de gala e apelo popular, muita pompa de um lado e plateias lotadas de outro, com letrinha de amor e música qualquer nota. Claro, o pessoal que ouve esse engodo não está aí para ouvir MPB e nem para conversar, mas só veio aqui para beber, e muito, para adormecer o cérebro.

Elis Regina não havia cedido às regras de mercado, mas até ela era pressionada, como cantar uma versão a contragosto de "Garota de Ipanema". Muitas pessoas reclamavam que a MPB de 1980-1982 não era mais aquela, todo mundo "bebia" "Gente", "Palco", "Brincar de Viver", e o mini samba-enredo "O Que É o Que É?", de Gonzaguinha, tão surrada que ninguém aguenta mais ouvir.

A MPB por um lado se banalizou num pequeno repertório jogado como se fossem "verdades absolutas" musicais, desculpa para que o cancioneiro emepebista se congele nesses clássicos e nada mais. Francis Fukuyama entrou na MPB, via Pedro Alexandre Sanches, para dizer que a MPB vibrante dos anos 1960 acabou e quem quiser que faça brega ou que dependa das trilhas sonoras de novela para ter algum lugar sob o Sol.

Se Elis Regina tivesse começado hoje, ela penaria. Teria que colocar uma música numa trilha sonora de novela da 19 horas da Rede Globo. Caso contrário, teria que permanecer no circuito universitário, e olhe lá, porque as universidades hoje promovem as terríveis "choppadas" em que as mais pesadas drogas musicais são despejadas nos ouvidos da rapaziada embriagada.

Nem as viradas culturais, que agora se dedicam a ressuscitar múmias "injustiçadas" do brega de 20, 30 e 40 anos atrás, iriam aceitar Elis Regina. E, se ela fosse gaúcha e não baiana, teria que compactuar com o mercadão da axé-music, que pode estar decaindo mas ainda governa o mercado musical baiano com mãos de ferro.

Alguns sucessos de Elis Regina ficaram banalizados, principalmente a canção de Belchior, "Como Nossos Pais", que foi depredada por interpretações de cantoras de axé-music e duplas "sertanejas" que cantavam a letra da música sem saber o que ela dizia, e estragavam a aura da mesma com sua canastrice musical irritante.

Isso porque os ídolos brega-popularescos, principalmente os neo-bregas dos anos 1990, também embarcaram, como parasitas, na onda de homenagens intermináveis à MPB, até porque os neo-bregas viram nisso uma oportunidade deles pegarem carona nos clássicos da MPB e dar um tempo nos tenebrosos repertórios autorais que costumam fazer.

A MPB anda estéril ultimamente e sua crise atinge um grau máximo. Só que, diferente dos anos 1980, quando o Rock Brasil vinha como uma alternativa viável, não se vê luz no fim do túnel, porque essa "cultura rock" que aí está hoje, salvo raras exceções (que nem aparecem nas rádios de happy rock, a carioca Rádio Cidade e a paulista 89 FM), não passa do mesmo pastelão sonoro dos anos 1990.

Com isso, resta aqui dizer que o dia de hoje é um estímulo para reflexão. Não dá para a História da MPB encerrar em Elis Regina enquanto entregamos o futuro das vozes femininas na música brasileira para funqueiras pseudo-ativistas e cantoras de axé-music que acham que podem gravar de tudo. Depender dessas canastronas para o futuro feminino na MPB é constrangedor, para não dizer deplorável.

Elis Regina deveria ser o ponto de partida, e não a linha de chegada, de um contexto de debates e propostas para renovar e enriquecer a cultura musical brasileira, que nada tem a ver com o esgoto sonoro presente nas rádios "populares" que a intelectualidade se esqueceu de que são controladas por barões midiáticos.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

LUCIANO HUCK, QUE "NÃO DESEJA" CONQUISTAR A REPÚBLICA, PEDE AO IBOPE MANTER SONDAGEM SOBRE SI

Aparentemente, o apresentador Luciano Huck não pretende ser presidente da República.
O marido de Angélica Ksyvickis garante que já está muito satisfeito com o trabalho que exerce na televisão.
Ele também diz que está muito satisfeito com a colaboração indireta que dá aos projetos RenovaBR e Agora!, grupo de "centro" empenhado em "mudar o Brasil".
Segundo o Painel, da Folha de São Paulo, Luciano Huck se encontrou, em dezembro passado, com o presidente do IBOPE, Carlos Augusto Montenegro.
Na pauta, o apresentador do Caldeirão do Huck pediu para que Montenegro mantivesse o nome dele para as pesquisas de intenção de votos do instituto.
Montenegro aceitou manter o nome de Huck nas sondagens, mas adiantou que o prazo vai até abril, quando o apresentador terá que estar filiado a um partido para concorrer ao cobiçado cargo político.
Huck é um dos símbolos do Brasil de 2016, reacionário e conservador, que pretende eleger seu presidente da República em 2018.
Até agora o son…

VENDA DA EMBRAER É UM VOO INTERROMPIDO DA SOBERANIA NACIONAL

OS "SIMPÁTICOS BUSÓLOGOS" ORVILLE E WILBUR WRIGHT, QUE OS ESTADUNIDENSES ACREDITAM SEREM OS PAIS DA AVIAÇÃO.

Ontem foi anunciada a proposta de venda da Embraer para a empresa estadunidense Boeing.

É mais um artigo do feirão de patrimônios nacionais que Michel Temer anda vendendo para "combater a crise" e "enxugar o Estado brasileiro".

O petróleo está sendo vendido a varejo, a preço de banana, e perdemos algumas reservas de pré-sal para os gringos.

A norueguesa Statoil tornou-se a terceira maior petroleira em operação no Brasil, por causa das aquisições de áreas por cortesia do temeroso presidente.

Pausa para prantos e ranger de dentes: Statoil é estatal, naquele desenvolvido país europeu.

Aqui querem privatizar a Petrobras, mas, por enquanto, não abrem o jogo nem dizem se alguma atitude neste sentido está em plano.

Por enquanto, vão privatizar a Eletrobras, fazendo com que as regiões mais interioranas do país permaneçam no tempo do lampião a gás e no fogã…

A SUSPENSÃO DE POSSE DE CRISTIANE BRASIL E A PEC CONTRA A REGRA DE OURO

Dois fatos políticos nos últimos dias, relacionados ao tenebroso governo temeroso.

Um é o plano de Michel Temer criar uma PEC para aliviar as restrições da regra de ouro, para evitar que ele e seu sucessor sejam acusados de crime de responsabilidade.

A regra de ouro é uma norma na qual o governo é proibido de emitir dívidas com volume maior de investimentos.

Em outras palavras, o governo não pode contrair dívidas para pagar despesas correntes e deixar o ônus para governos posteriores.

A PEC é de autoria de Pedro Paulo Carvalho, do MDB carioca, o mesmo que tentou ser candidato à Prefeitura do Rio de Janeiro, na chapa apoiada por Eduardo Paes, de quem foi secretário.

Com a PEC, o governante que contrair dívida terá suspensa sua condenação por crime de responsabilidade, até que arrume um jeitinho para endireitar as coisas.

É uma espécie de jeitinho brasileiro para evitar condenação. O governante tem tempo de desfazer a burrada e, pronto, fica com o nome limpinho na praça.

A proposta rep…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

COM MARCELO FREIXO, PSOL PARECE DESEMBARCAR DO ESQUERDISMO

Causou polêmica a declaração do deputado estadual Marcelo Freixo, do PSOL, na mais recente entrevista dada à Folha de São Paulo.

Ele disse que não sabe se hoje é "momento de união das esquerdas" em torno de Lula.

Freixo acredita que as esquerdas "pararam em 2013" e busca algo que, na aparência, soa novo.

Como um partido de classe média, o PSOL não parece profundamente inclinado às causas das classes trabalhadoras, com exceção dos sem-teto.

Aqui há que se convir da figura, até agora admirável, do líder do MTST, Guilherme Boulos, provável candidato pelo PSOL à Presidência da República.

Descontando este aspecto, o PSOL adotou posturas bastante estranhas.

Chico Alencar apareceu num evento em homenagem a Aécio Neves, teria se solidarizado com ele, e depois tentou desmentir a sua atitude.

O próprio Marcelo Freixo estava apoiando os trabalhos do xará Marcelo Bretas, o "Sérgio Moro" carioca.

E, se o PSOL não acredita nas alianças das esquerdas, visando o fortale…

PT PROCESSA REDE GLOBO E LUCIANO HUCK POR ABUSO DO PODER ECONÔMICO

O DIVÃ, QUADRO DO DOMINGÃO DO FAUSTÃO, APARENTEMENTE FOCALIZOU O AMOR DE ANGÉLICA E LUCIANO HUCK, MAS INDICOU PROPAGANDA POLÍTICA SUBLIMINAR E ILEGAL.

O deputado federal gaúcho Paulo Pimenta e o senador fluminense Lindbergh Farias, ambos do PT, entraram com uma representação contra a Rede Globo e os apresentadores Fausto Silva e Luciano Huck.

A representação acusa o programa Domingão do Faustão e a referida emissora de abuso do poder econômico, se aproveitando de tal vantagem para propaganda política subliminar.

O incidente em questão foi o quadro Divã do Faustão, que entrevistou o casal de apresentadores Luciano Huck e Angélica Ksyvickis, contratados da Globo.

Aparentemente, o programa focalizava a relação amorosa do casal, até que algumas perguntas dadas a Luciano Huck sinalizaram possível propaganda eleitoral antecipada.

À primeira vista, Huck negou que queira ser candidato à Presidência da República, afirmando que está satisfeito com a atual condição de apresentador de TV.

"N…

RISCO BRASIL, MICHEL TEMER E O PREÇO DOS RETROCESSOS DE 2016-2017

OS REIS DA QUEBRADEIRA.

A Standard & Poor, agência estadunidense que mede a classificação de risco de cada país na Economia, rebaixou a nota do Brasil de BB para BB-.

A avaliação, com base na relação entre a conduta do governo de cada país com as condições oferecidas para os investidores, pode dar mais ênfase aos interesses do mercado.

Mesmo assim, a queda de conceito do Brasil mostra que nem o mercado está gostando do governo Michel Temer e seu braço-direito econômico, o ministro da Fazenda Henrique Meirelles.

É claro que tais agências não são as melhores para avaliar as condições de nosso país. Sua preocupação social é mínima, na melhor das hipóteses.

Além disso, as agências são simpáticas às reformas impopulares de Temer, mas admitem que o desgoverno foi longe demais.

Temer, com suas "gorjetas" para obter apoios aqui e ali diante de denúncias de corrupção, simplesmente quebrou o país.

Ele se gabava de defender restrições nos gastos governamentais, mas para defender se…

PENHORA DO TRIPLEX DO GUARUJÁ FAZ DO JULGAMENTO DE LULA UMA FARSA

A duas semanas do julgamento do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva , um fato simplesmente deixa as motivações desse evento em situação ridícula.

A juíza Luciana Corrêa Tôrres de Oliveira, da 2ª Vara de Execução e Títulos no Distrito Federal, decidiu penhorar o triplex do Guarujá, o edifício Solaris, alvo da Operação Lava Jato.

Sabe-se que Lula foi condenado, sem provas, de ter recebido da empreiteira OAS o triplex do Guarujá, que ainda responde, segundo a juíza, como proprietária do imóvel.

A condenação se deu em primeira instância por iniciativa de Sérgio Moro.

O julgamento poderá corroborar a condenação, e se isso ocorrer, será em segunda instância.

Mas a juíza do Distrito Federal complicou a situação dos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, de Porto Alegre, que conduzirão o julgamento.

A OAS foi determinada a penhorar quatro propriedades para pagamento de dívidas. Uma delas é o triplex atribuído a Lula.

A penhora confirmou que Lula não é dono do triplex,…

A FALTA DE DISTINÇÃO ENTRE O COMERCIAL E NÃO-COMERCIAL NA MÚSICA BRASILEIRA

Atualmente, as gerações atuais ouvem a chamada "música de sucesso" sem ter ideia do comercialismo que isso significa.

Infelizmente, a MPB agoniza, perdida em eternas auto-homenagens, enquanto novos artistas até existem, mas eles se tornam reféns das trilhas de novelas de TV ou de reality shows musicais.

Há uma série de nomes novos que pede que selecionemos o joio do trigo.

Emepebistas esforçados que se escondem no turbilhão de sub-artistas de reality shows e ídolos da música brega-popularesca que surgem aos montes por aí.

Uma grata surpresa será Isabela Silvino, que seguirá à sua maneira a linhagem do pai, o já saudoso Paulo Silvino, e o avô, Silvino Neto, nas boas contribuições musicais.

Mas, fora essa novidade, há tantos nomes que não se sabe sumirão pelo vento do tempo.

Mas, descontado tudo isso, se observa o mainstream do brega-popularesco que agora consagrou a hegemonia quase totalitária do pop comercial à brasileira.

Os nomes do momento: Anitta, Ludmilla, Marília Mend…