Pular para o conteúdo principal

A ONDA DA MPBEBUM: MÚSICA PARA PINGUÇOS E BÊBADOS


Notaram que muitas pessoas deixaram de ter qualquer noção ou discernimento sobre o que é MPB ou não? E que hoje mesmo gente de nível universitário fica aceitando bovinamente qualquer porcaria romântica como se fosse "MPB de qualidade".

Os neo-bregas já saberam da esperteza e resolveram ter um banho de loja, de luxo, de pompa, de iluminação de palco e todo um aparato "sofisticado", porque sabem dessa nova ideia torta e inconsistente de que a "boa MPB é uma equação que combina luxo e pompa com plateias lotadas". Música, que é bom, é apenas um "detalhe".

Tudo virou uma "MPB de couvert artístico", uma MPB feita apenas como trilha sonora para pessoas comerem e beberem em bares e restaurantes. Virou coisa qualquer nota: alguma canção acústica, na maioria romântica, em outras meramente dançantes, tocada sem critério, para um público que só está ali para beber a cerveja cujo sabor nem mais percebem como é.

Eu odeio cerveja, mas tenho que admitir, nas minhas pesquisas de Internet, a validade de muitos especialistas em cerveja sérios de que esse tipo de bebida produzido no Brasil perdeu drasticamente a qualidade, sendo hoje um engodo que, dizem, mistura restos de farinha de trigo com farinha de rosca (já feita de pão velho), restos de linhaça, aveia, farinha de mandioca ruim etc etc.

E, se as pessoas já não conseguem mais discernir o sabor de uma cerveja, então elas nem sabem mais discernir o que é música de brasileira de verdade ou não. Elas são capazes de aceitar Michael Sullivan - o homem que quase destruiu a MPB - e Tom Jobim com a mesma passividade bovina, sem separar o joio do trigo.

Daí os neo-bregas do "pagode romântico" e do "sertanejo" de 25 anos atrás, que hoje tentam se vincular à MPB na marra, através de um bom paletó e muitos sorrisos para as câmeras. A canastrice é explícita e aberrante, e com toda a simpatia que os cantores tentam expressar, a música que eles interpretam é simplesmente horrível, mesmo quando são covers de MPB de qualidade.

Mas até a MPB autêntica anda sucumbindo a isso. Vide a zaralhada de tributos, covers, regravações, execuções rotineiras, que fazem com que, mesmo respeitáveis, nomes como Maria Bethânia, Tim Maia e Gonzaguinha se tornem insuportáveis de ouvir, de tão tocados em situações banais.

Tudo porque a música brasileira, boa ou ruim, MPB autêntica ou brega, tornou-se trilha sonora dessa bebedeira toda. E isso com seus alegres ouvintes (aliás, eles realmente ouvem música?) exaltando nas mídias sociais um monte de breguice nas comunidades sobre MPB, com entusiasmo bovino.

Assim não há ouvidos nem corações que aguentem, assim como a consciência que não aguenta mais esse conceito pândego de Música Popular Brasileira.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…