Pular para o conteúdo principal

BEBIDAS LÁCTEAS SOMEM E SÓ RESTAM MARCAS CARAS NO RJ


Sumiu a maioria das bebidas lácteas nos supermercados do Grande Rio, restando apenas as garrafas caras que, em boa parte, não chegam a ter um litro de capacidade - só dão para três copos e meio - e chegam a custar pouco menos de R$ 15.

Já os sachês de 850 ou 900 gramas ou, às vezes, um litro, que costumam ser mais baratos, simplesmente desapareceram. Até pouco tempo atrás, uma diversidade de marcas e sabores havia no mercado, só que quase todas desapareceram e as que restam são de difícil procura e faltam nos estoques, já que o mercado do Estado do Rio de Janeiro perdeu a noção de agilidade logística.

Marcas como Bom Paladar, Milk Mix, Godam e Energia Natural simplesmente desapareceram. Havia também a versão sachê das bebidas lácteas da Nestlé, que também se tornaram praticamente impossíveis de encontrar. Enquanto isso, marcas como o Goody Frut, da Itambé, são caras e vendidas como se fossem bebidas lácteas em garrafa, em torno de quase R$ 4.

Por outro lado, bebidas de qualidade inferior, como Macuco - que pelo gosto parecem xarope ruim de fruta com soro de leite aguado - , possuem relativa facilidade de serem encontradas. Mesmo assim, elas também desaparecem devido à onda provinciana vivida por cariocas e fluminenses, que atinge até mesmo a mentalidade de reabastecimento dos mercados.

As bebidas que restam são da marca Sabor da Serra, Luce e Primeiro. Para compensar o preço caro dos saches da Itambé, a bebida láctea em garrafa da Bialini costuma ser mais barata, embora alguns mercados cheguem a vendê-la com o preço de, no mínimo, R$ 4.

Infelizmente, as únicas bebidas que se pode encontrar com facilidade são os iogurtes das marcas Nestlé e Danone, muito caras e que, descontando alguns produtos, não chegam a ter capacidade de um litro e não são vendidos com menos de R$ 8. Muito dinheiro para quem quer tomar um café da manhã reforçado e com muito sabor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…