Pular para o conteúdo principal

JOVEM AUSTRALIANA DECIDE "NÃO FICAR LOKA"


A jovem australiana Essena O'Neill, de 18 anos, conhecida estrela local do Instagram, radicalizou de vez, e foi na contramão dos internautas convencionais, abandonando as mídias sociais, um ato que, se fosse no Brasil, é tratado como sinônimo de reclusão e isolamento.

Ela tinha um perfil com 500 mil seguidores, e simbolizava um suposto estilo de vida aparentemente perfeito, uma ilusão que, no Brasil, se compara aos youtubers que fazem vlogues (blogues em vídeos) de bobagens inócuas ou a subcelebridades que cultuam a si mesmas no Instagram.

Isso durou até que ela resolveu mudar e cair na real. Desativou vários perfis nas mídias sociais e manteve sua conta no Instagram para fazer o oposto de antes, criticando o superficialismo nesses espaços digitais e relançando as fotos não apagadas em um contexto diferente, de contestação à alegria artificial nesses ambientes.


Numa das fotos em que ela aparecia em postura zen, ela escreveu: "Nada há de zen em tentar parecer zen, tirar uma foto com você tentando ser zen e provando que é zen no Instagram". Ela também denuncia o processo de autopromoção que as pessoas fazem nas mídias sociais.

Ela se queixava por se sentir vazia e viciada em curtidas. Numa outra foto, do antigo acervo, Essena relançou uma foto em que ela fazia uma selfie - autorretratos feitos pelo celular - e, em tom de paródia, pediu para "receber muitas curtidas", encerrando com o demolidor comentário, em caixa alta: "NADA EXISTE DE REAL NISSO".


"Eu fui consumida pelo mundo da mídia social, que não é real, e sim baseado na aprovação social e nos julgamentos superficiais", denuncia a moça, afirmando que as pessoas que usam as mídias sociais vivem em estado inconsciente, além de sofrerem um processo de manipulações, trivialidades e inseguranças.

A menina ganhou apoio de seus seguidores. Eles elogiaram a coragem dela em denunciar esses vícios nas mídias sociais, o que também serve de lição para os brasileiros que agora se viciam com a "felicidade" forçada no Facebook e seu apego a bobagens como vídeocassetadas e vlogues em que pessoas passam até vinte minutos "filosofando" sobre coisas do nível de uma unha encravada.

Mais uma vez, o exterior dá um banho de realismo. Aqui no Brasil o deslumbramento ainda é generalizado. E houve até brasileiro que ironizou dizendo que Essena O'Neill arrumou outro meio de autopromoção.

Eu, pessoalmente, não chegaria a esse ponto, mas apoio Essena porque ela decidiu sair dessa "caverna de Platão" que se tornaram as mídias sociais e resolveu denunciar todo um contexto de fantasias e ilusões de quem quer fugir dos problemas da sociedade pós-moderna cada vez mais mergulhada na mediocridade que faz dos internautas seus reféns.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…