Pular para o conteúdo principal

MÚSICA BREGA-POPULARESCA É FINANCIADA POR INDÚSTRIAS DE CERVEJA

BARES SÃO REDUTOS DE MÚSICA BREGA-POPULARESCA, TOCADA SOBRETUDO EM DVDS.

A música brega-popularesca é comercial. Foi a implantação de nosso hit-parade e sua sonoridade começou claramente americanizada, quando os primórdios da música brega mostravam arremedos confusos de boleros e country music.

O ambiente ideológico de botequins, de pessoas se consolando na bebedeira, tudo isso revela que as indústrias de cerveja, juntamente com latifundiários, políticos regionais e oligarquias que controlam emissoras de rádio locais ou financiam serviços de auto-falantes, foram a base do patrocínio da música brega em seus primórdios.

A relação entre fundo musical e consumo de bebida alcoólica foi o motor dos ritmos "populares" regionais, e não raro músicas falavam em bebedeira, seja como desabafo contra a tristeza, seja para celebrar a farra com os amigos. Por trás disso, um mershandising sem marca definida, mas com produtos certos: bebidas alcoólicas.

As indústrias de cerveja são as maiores patrocinadoras, mas há também as indústrias de aguardentes, nesse mercado popularesco. E foi a indústria de bebidas alcoólicas que, ao lado do coronelismo político e midiático regionais, alavancou as carreiras de ídolos como os "sertanejos" e os do "forró eletrônico".

Em muitos casos, canções são feitas por encomenda para exaltar a bebedeira. Leandro & Leonardo vieram com uma música chamada "Cerveja". Mais recentemente, o "sertanejo universitário" tem na bebedeira um dos temas constantes de seus sucessos. O "forró eletrônico" cansou os nordestinos por lançar músicas sobre bebedeira o tempo todo. A axé-music seguia o mesmo caminho.

Em muitos casos, havia até o rodízio de cerveja em eventos de casas de espetáculos. O rodízio aparentemente gratuito era apenas um gancho, pois a cervejaria patrocinadora já participava dos lucros dos ingressos, e o rodízio era uma forma de chamar mais público e garantir maior faturamento com lotação cheia ou, quem sabe, esgotada.

Todo esse patrocínio desfaz a fama de "artístico-cultural" dessas músicas, pois o que está em jogo é a música como mercadoria e como um dos elementos das relações de comércio entre empresas de entretenimento, que sustentam os músicos e cantores envolvidos, e as indústrias patrocinadoras, juntamente com os barões da mídia regionais.

Daí que muitos desses sucessos "populares demais" são apenas mercadorias musicais. É tudo negócio, nada é cultura, do contrário que a intelectualidade bacana insistiu durante anos. Portanto, comércio puro e escancarado.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…