Pular para o conteúdo principal

ECLETISMO MUSICAL LIMITA A PERCEPÇÃO DAS PESSOAS

AMBIENTE LOUNGE, REDUTO DE UM TIPO DE MÚSICA QUE POUCOS SABEM DISCERNIR SE É BOSSA NOVA, JAZZ OU POP SUAVE.

O ecletismo musical foi uma das utopias lançadas nos anos 90, e que pareciam ser o sonho da diversidade musical e da ampla variedade de estilos, No entanto, a ideia tornou-se um problema, na medida em que a variedade de estilos acabou causando nas pessoas uma percepção limitada e pouco discernitiva.

E não estamos falando de brega-popularesco, em que "sertanejos", "pagodeiros", funqueiros e axézeiros soam essencialmente parecidos entre si, mas de música de qualidade, mesmo, que também sucumbe ao caminho perigoso da mesmice e do superficialismo, vide as versões lounge para canções de hit-parade convencional, que tocam em supermercados e lojas de departamentos.

As gerações mais recentes se acostumaram tão mal com isso, que não conseguem ter um discernimento aprofundado dos estilos musicais, tal qual as gerações anteriores. Num contexto em que a Bossa Nova brasileira foi exportada para a França e Japão e o antigo público de BN se apropriou do samba dos morros (agora pouco acessível às classes pobres), isso é um problema sério.

O ecletismo, na medida em que mostra um pouco de tudo, dá ao público uma noção vaga, genérica e superficial de cada estilo. Se vários estilos são jogados num balaio de gatos, não dá para ter uma noção mais especializada de cada coisa. É o velho problema das relações entre o geral e o particular, entre a síntese e a análise. O ecletismo é a síntese.

Como exemplo, citamos o jazz. O jazz tinha variações, como o jazz primitivo dos anos 1920, e também o jazz comportado branco do Dixieland que, fundindo-se com a canção orquestrada das peças da Broadway, resultou na música da fase áurea de Hollywood, sobretudo dos anos 1940 e 1950, equivocadamente chamada de jazz, que no fundo foi apenas um ingrediente menor.

Houve também a fase instrumental mais sofisticada, o free jazz, que fez o gênero cair em popularidade mas aumentar em elaboração musical, e que se tornou a música dos intelectuais sobretudo entre 1952 e 1961.

No entanto, as pessoas mais jovens não conseguem ver tais diferenças. E, o que é mais grave, são capazes de definir como "jazz" a música instrumental cubana, o easy listening (pop orquestrado instrumental), a Bossa Nova e até o pop suave convencional (tipo James Taylor ou Dobbie Brothers). Ou seja, uma noção que vai além do que é vago, começa a ser equivocada, mesmo.

Até pouco tempo atrás, até o rock tinha essa vaga percepção. Nos anos 90, as pessoas achavam que rock era composto de música eletrônica, reggae, hip hop e, quando muito, punk e metal. A falta de noção só amenizou com o tempo, mas o superficialismo ainda continua.

Conhecer um estilo específico e se dedicar quase que exclusivamente a ele pode parecer tedioso e restritivo, mas garante à pessoa uma maior percepção. É como alguém que escolhe uma especialidade e, dedicando-se a ela, pode conhecer toda sua abrangência, do contrário do ecletismo, que é apenas um "apanhado geral" de várias coisas.

A ideia não é as pessoas se prenderem numa única opção, mas pelo menos se dedicar com mais profundidade e especialização a determinados estilos musicais para compreender assim a sua amplitude, que a mentalidade do ecletismo não possibilita.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…