Pular para o conteúdo principal

"GALERA TUDO DE BOM" FAZ OFENSAS RACIAIS CONTRA TAÍS ARAÚJO


Os internautas que se autoproclamam "tudo de bom", "nota déiz (sic)" e "show de bola", que prefere escrever em internetês até em redação de prova escolar, que defende o "estabelecido" na mídia, no entretenimento e na política (defendem até a pintura padronizada nos ônibus do RJ e gírias sem pé nem cabeça como "balada"), voltaram a atacar com seus atos de intolerância social.

Desta vez, a "galera irada" realizou ataques racistas contra a belíssima atriz Taís Araújo, na sua habitual trincheira, as mídias sociais (apesar de alguns covardes se atrevirem a criar blogues caluniosos).

Além de ser muito talentosa, a atriz é casada com o admirável e versátil ator baiano Lázaro Ramos, também um dos brilhantes talentos da geração. O casal tem dois filhos e atua no seriado cômico Mr. Brau, no ar na Rede Globo de Televisão.

Entre as grosserias que Taís recebeu, estão frases como "Já voltou da senzala?" "Te pago com banana" e "Me empresta seu cabelo para eu lavar louça". Taís já fez seu desabafo, que reproduziremos a seguir.

É até incrível que esses trogloditas digitais - rapazes e moças aparentemente "legais", daí que geralmente puxam adeptos para participar de ofensas produzidas em massa, em horários combinados - se autodefinam "inteligentes" e se sintam ofendidos e irritados quando são chamados de estúpidos ou coisa parecida.

Isso porque eles ignoram que o racismo é crime inafiançável, e que podem ver o luar de suas "baladas" crescer quadrado, nas celas de prisão. Eles, que adoram dizer que "não precisam de raciocinar porque já são inteligentes", não imaginam que podem sair de casa e voltar com seus computadores sendo apreendidos pela polícia, que vasculhará o que haverá de mais íntimo em seus conteúdos.

Taís Araújo ficou chocada com os comentários e irá prestar depoimento à polícia sobre o incidente. Ela é uma das famosas vítimas desses ataques raciais. Há alguns meses, a jornalista Maria Júlia Coutinho foi vítima de ataques semelhantes.

Felizmente, nas mesmas mídias sociais surgem reações a favor das vítimas, como mostrou o caso de Maju. Taís também recebeu manifestações de solidariedade e nós também damos as nossas, sobretudo em se tratando de Taís Araújo e Lázaro Ramos. Segue o comentário de Taís, que temos o prazer de reproduzir:

"É muito chato, em 2015, ainda ter que falar sobre isso, mas não podemos nos calar. Na última noite, recebo uma série de ataques racistas na minha página. Absolutamente tudo está registrado e será enviado à Polícia Federal. Eu não vou apagar nenhum desses comentários. Faço questão que todos sintam o mesmo que eu senti: a vergonha de ainda ter gente covarde e pequena neste país, além do sentimento de pena dessa gente tão pobre de espírito. Não vou me intimidar, tampouco abaixar a cabeça.

Sigo o que sei fazer de melhor: trabalhar. Se a minha imagem ou a imagem da minha família te incomoda, o problema é exclusivamente seu! Por ironia do destino ou não, isso ocorreu no momento em que eu estava no palco do teatro Faap com o “Topo da Montanha”, um texto sobre ninguém menos que Martin Luther King e que fala justamente sobre afeto, tolerância e igualdade. Aproveito pra convidar você, pequeno covarde, a ver e ouvir o que temos a dizer. Acho que você está precisando ouvir algumas coisinhas sobre amor.

Agradeço aos milhares que vieram dar apoio, denunciaram comigo esses perfis e mostraram ao mundo que qualquer forma de preconceito é cafona e criminosa. E quero que esse episódio sirva de exemplo: sempre que você encontrar qualquer forma de discriminação, denuncie. Não se cale, mostre que você não tem vergonha de ser o que é e continue incomodando os covardes. Só assim vamos construir um Brasil mais civilizado.A minha única resposta pra isso é o amor!"

Falou e disse, Taís!!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…