Pular para o conteúdo principal

"DO YOU WANNA DANCE" NÃO FOI UM CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS

BOBBY FREEMAN AUTOR E INTÉRPRETE ORIGINAL DE "DO YOU WANNA DANCE?" LANÇOU O COMPACTO EM 1958.

O Brasil provinciano ainda enche a bola de nomes pouco representativos, só porque eles tiveram mercado mais forte aqui do que nos EUA. E, entre tantas coisas que acontecem no chamado "pop adulto", tão risíveis quanto o de qualquer popinho adolescente, há uma que se relaciona à famosa canção "Do You Wanna Dance?".

A música é conhecida pelos brasileiros pela gravação do cantor Johnny Rivers, um ídolo superestimado no país, mas que na verdade corresponde a uma segunda e ainda menos expressiva geração de ídolos comportadinhos dos EUA, cuja primeira geração foi representada por Pat Boone e Bobby Darin.

Só que a gravação de Johnny Rivers, que está no imaginário saudosista de muitos brasileiros, nem sequer é de autoria do (aqui) famoso cantor, e nem sua gravação é a mais significativa. Portanto, nada desse papo de "À meia-luz, ao som de Johnny Rivers", da canção do nada confiável Michael Sullivan.

BEACH BOYS POPULARIZARAM "DO YOU WANNA DANCE?" UM ANO ANTES DELA VIRAR "CLÁSSICO DE JOHNNY RIVERS".

"Do You Wanna Dance?", na verdade, é uma canção composta pelo cantor de soul music Bobby Freeman, o primeiro a gravá-la em 1958. A música foi coverizada primeiro pelo grupo inglês Cliff Richard & The Shadows (na verdade a união do cantor com o grupo instrumental mais populares do Reino Unido na pré-Beatlemania), em 1962. Nos EUA, Del Shannon também gravou a canção.

Mas o maior sucesso se deu com os Beach Boys, que gravaram a canção em 1965, um ano antes da versão de Johnny Rivers que só marcou mesmo os provincianos brasileiros. A dos Beach Boys é a mais famosa lá fora, e muitos até imaginam que sua versão é a "definitiva", embora, evidentemente, a de Bobby Freeman (que está vivo e ativo até hoje) mereça muito crédito.

Nos anos 70, os Ramones gravaram a música no álbum Rocket to Russia, de 1977, o mesmo disco de "I Don't Care" (cujos acordes influenciaram "Que País é Esse?" da Legião Urbana). Entre outras regravações, inclui de Raimundos a Neil Young, e até mesmo John Lennon a gravou em sua carreira solo.

Portanto, o provincianismo daqueles que acham que hit-parade é coisa de outro mundo impede que se conheça melhor os históricos de certas canções, principalmente em versão de nomes que só ganham importância no Brasil, como o crooner comportadinho Johnny Rivers, pouco representativo em seu país de origem.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…