NOVELA BOOGIE OOGIE POUCO APRESENTOU DA MODA FEMININA DOS ANOS 70


Que não esperemos que novelas de TV reproduzam com a máxima fidelidade possível o espírito de uma década, isso é compreensível, mas vendo o caso da novela Boogie Oogie, da Rede Globo de Televisão, observa-se que a produção quase nada aproveitou da moda feminina dos anos 70.

Enquanto atores como Fabrício Boliveira, Rodrigo Simas e Marco Ricca aparecem com o figurino bem de acordo com a moda dos anos 70, isso quase não se vê nas atrizes, mesmo quando se tenta aproximar da moda da época.

Salvo raros momentos, é como se a produção aproveitasse tão somente elementos dos anos 70 presentes na moda de hoje para inseri-las na novela, mas não raro o vestuário feminino fica muito mais próximo dos dias de hoje do que do tempo em que se passa a novela, por volta da segunda metade dos anos 70.

Embora às vezes se observa alguns trajes usados por Bianca Bin, Deborah Secco e Alessandra Negrini de acordo com a época, em outras, principalmente da parte de Ísis Valverde, dá a impressão de que a própria Ísis pegou a máquina do tempo e entrou na novela com o figurino dos dias de hoje.

BIANCA BIN (E) VESTINDO DE ACORDO COM A ÉPOCA, MAS ÍSIS VALVERDE PARECENDO MUITO ATUAL PARA OS PADRÕES DOS ANOS 70.

E olha que, no elenco da novela, participa a atriz Betty Faria, um dos ícones dos anos 70, estrela com bastante evidência na época e ela mesma sinônimo do charme e da elegância na época. Os produtores poderiam ter aproveitado para conversar com ela a respeito da moda da época, pois com toda a certeza a veterana atriz teria dado dicas valiosas.


Talvez a bronca não se dê exatamente para o autor, o português Rui Vilhena, porque ele, adolescente nos anos 70, tem alguma vivência da década e, talvez, seja muito comum os adolescentes conhecerem bem a moda feminina, uma vez que é típico dessa fase que rapazes sintam um forte desejo por mulheres.

NÃO SE VIRAM ROUPAS ASSIM SENDO EXIBIDAS NA NOVELA.

Quase não se viu, por exemplo, mulheres usando camisas abotoadas, de manga curta ou comprida - às vezes com manga arregaçada na altura do cotovelo - enfiada para dentro da calça. Apenas apostar na calça com cintura alta - que cobre o umbigo - é insuficiente, se não observa que blusas assim eram muito utilizadas, até mesmo por jovens.

A SAUDOSA FARRAH FAWCETT, UM DOS ÍCONES DOS ANOS 70.

Nem mesmo foram levados em conta os figurinos de seriados como As Panteras (Charlie's Angels), que fez muito sucesso no Brasil e que representavam o suprassumo da moda feminina dos anos 70, principalmente por conta da saudosa Farrah Fawcett, uma das mais populares que protagonizaram o seriado.

E olha que também havia o uso de suéter de manga curta - uma moda que veio lá dos anos 1950 e que atravessou três décadas em moda (era comum até o meio dos anos 80 e continua sendo fabricado até hoje, apesar de seu uso ser mais raro) - , que não foi considerado pela produção de Boogie Oogie. Nada disso foi considerado e a moda feminina adotada na novela.

Para quem não tem ideia exata do que é o suéter de manga curta, é só ver a blusa que Kelly McGillis vestia durante as cenas de Top Gun entre marinheiros cantando "You've Lost That Lovin' Feelin'" e o personagem de Tom Cruise entrando no banheiro feminino para falar com a personagem dela, Charlotte. A blusa, de cor branca, é um suéter de manga curta.

O que se observou apenas é uma assimilação parcial da moda da época, em seus aspectos conhecidos até por quem nasceu a partir dos anos 80 e que passou a ver a disco music como "coisa de outro mundo" (sabemos que a disco era, no fundo, um delicioso fast food musical, sem a importância artístico-cultural do jazz, por exemplo, apesar de haver coisas muitíssimo interessantes).

Com a novela na reta final, resta pelo menos alguma cautela tardia da produção para ver, se, no final da festa folhetinesca, eles acertem o relógio da moda da época, em vez de apenas aproveitar os "restos dos anos 70" usados na moda feminina de hoje.

Comentários