Pular para o conteúdo principal

NOVELA BOOGIE OOGIE POUCO APRESENTOU DA MODA FEMININA DOS ANOS 70


Que não esperemos que novelas de TV reproduzam com a máxima fidelidade possível o espírito de uma década, isso é compreensível, mas vendo o caso da novela Boogie Oogie, da Rede Globo de Televisão, observa-se que a produção quase nada aproveitou da moda feminina dos anos 70.

Enquanto atores como Fabrício Boliveira, Rodrigo Simas e Marco Ricca aparecem com o figurino bem de acordo com a moda dos anos 70, isso quase não se vê nas atrizes, mesmo quando se tenta aproximar da moda da época.

Salvo raros momentos, é como se a produção aproveitasse tão somente elementos dos anos 70 presentes na moda de hoje para inseri-las na novela, mas não raro o vestuário feminino fica muito mais próximo dos dias de hoje do que do tempo em que se passa a novela, por volta da segunda metade dos anos 70.

Embora às vezes se observa alguns trajes usados por Bianca Bin, Deborah Secco e Alessandra Negrini de acordo com a época, em outras, principalmente da parte de Ísis Valverde, dá a impressão de que a própria Ísis pegou a máquina do tempo e entrou na novela com o figurino dos dias de hoje.

BIANCA BIN (E) VESTINDO DE ACORDO COM A ÉPOCA, MAS ÍSIS VALVERDE PARECENDO MUITO ATUAL PARA OS PADRÕES DOS ANOS 70.

E olha que, no elenco da novela, participa a atriz Betty Faria, um dos ícones dos anos 70, estrela com bastante evidência na época e ela mesma sinônimo do charme e da elegância na época. Os produtores poderiam ter aproveitado para conversar com ela a respeito da moda da época, pois com toda a certeza a veterana atriz teria dado dicas valiosas.


Talvez a bronca não se dê exatamente para o autor, o português Rui Vilhena, porque ele, adolescente nos anos 70, tem alguma vivência da década e, talvez, seja muito comum os adolescentes conhecerem bem a moda feminina, uma vez que é típico dessa fase que rapazes sintam um forte desejo por mulheres.

NÃO SE VIRAM ROUPAS ASSIM SENDO EXIBIDAS NA NOVELA.

Quase não se viu, por exemplo, mulheres usando camisas abotoadas, de manga curta ou comprida - às vezes com manga arregaçada na altura do cotovelo - enfiada para dentro da calça. Apenas apostar na calça com cintura alta - que cobre o umbigo - é insuficiente, se não observa que blusas assim eram muito utilizadas, até mesmo por jovens.

A SAUDOSA FARRAH FAWCETT, UM DOS ÍCONES DOS ANOS 70.

Nem mesmo foram levados em conta os figurinos de seriados como As Panteras (Charlie's Angels), que fez muito sucesso no Brasil e que representavam o suprassumo da moda feminina dos anos 70, principalmente por conta da saudosa Farrah Fawcett, uma das mais populares que protagonizaram o seriado.

E olha que também havia o uso de suéter de manga curta - uma moda que veio lá dos anos 1950 e que atravessou três décadas em moda (era comum até o meio dos anos 80 e continua sendo fabricado até hoje, apesar de seu uso ser mais raro) - , que não foi considerado pela produção de Boogie Oogie. Nada disso foi considerado e a moda feminina adotada na novela.

Para quem não tem ideia exata do que é o suéter de manga curta, é só ver a blusa que Kelly McGillis vestia durante as cenas de Top Gun entre marinheiros cantando "You've Lost That Lovin' Feelin'" e o personagem de Tom Cruise entrando no banheiro feminino para falar com a personagem dela, Charlotte. A blusa, de cor branca, é um suéter de manga curta.

O que se observou apenas é uma assimilação parcial da moda da época, em seus aspectos conhecidos até por quem nasceu a partir dos anos 80 e que passou a ver a disco music como "coisa de outro mundo" (sabemos que a disco era, no fundo, um delicioso fast food musical, sem a importância artístico-cultural do jazz, por exemplo, apesar de haver coisas muitíssimo interessantes).

Com a novela na reta final, resta pelo menos alguma cautela tardia da produção para ver, se, no final da festa folhetinesca, eles acertem o relógio da moda da época, em vez de apenas aproveitar os "restos dos anos 70" usados na moda feminina de hoje.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…