Pular para o conteúdo principal

O PROBLEMA AGORA SÃO OS HOMENS NÃO-LEGAIS


Sabemos que, no lado das mulheres, aquelas que são dotadas de personalidade mais vulgar e um comportamento superficial estão levando a pior na vida social, perdendo vantagens e sendo duramente criticadas na Internet.

Nem mesmo as "atraentes" garotas-do-ringue (ring girls) ou as "sofisticadas donas-de-casa" de "riélite chous" - as "esposas-do-lar" que facilmente se divorciam de seus maridos - , que quando querem se vestem impecavelmente, conseguem ter alguma sorte de boa reputação.

No Brasil, a realidade virou de cabeça-para-baixo, e, se há até três anos atrás tínhamos uma média de 100 musas "sensuais" mostrando seus "corpões" aqui e ali, sob diversos pretextos - uma é paniquete, outra "mulher-fruta", outra ring girl, outra "musa do Brasileirão", outra "peladona" de qualquer lugar e mais outra uma coitada fotografada ao lado de um "pegador" famoso - , a coisa ficou diferente.

Ninguém quer mais saber de mulheres assim e os protestos na Internet, sejam nos espaços de comentários, sejam nas mídias sociais, mostram a péssima repercussão que praticamente derrubou a maioria das "gostosas de ocasião", deixando umas poucas que ainda encaram esses protestos "sensualizando mais e mais".

Isso se deve às muitas gafes que as chamadas "boazudas" fazem, seguida de outras gafes cometidas pelas "comportadas" ring girls e real housewives. Entre outros aspectos, há a obsessão pelo supérfluo e pelo materialista, enquanto possuem um temperamento muito difícil para conviver, sendo facilmente irritáveis.

Aí elas entram em baixa e precisam se casar com jogadores de futebol, lutadores de UFC, astros de reality e músicos de rock farofa para evitarem a solidão, se bem que muitas delas, impulsivas, acabam ficando sozinhas de qualquer maneira.

JOGO DE CINTURA

Se as mulheres não-legais ficam chupando dedo no meio do caminho, por que os homens não-legais levam melhor sorte, pegando mulheres de personalidade interessante, mesmo quando não há um contexto propício para tal?

As siliconadas e botochudas são prejudicadas, mas os homens obsessivos por músculos ou ternos ainda se dão melhor com o sexo oposto, e basta homens não-legais e mulheres legais frequentarem os mesmos restaurantes pelo menos todo fim de semana para as relações deslancharem, mesmo diante de falsas afinidades que não vão além de pequenas coincidências no lazer.

São empresários, esportistas, economistas, médicos, dirigentes esportivos, publicitários e outros "líderes" que não se destacam muito além de seus dotes profissionais, e não raro são pessoas despreparadas para a vida fora de seus ambientes de trabalho.

Dentro de seus ambientes profissionais, eles são até pessoas competentes, autônomas, dotadas de decisão própria e que conseguem afirmação pelo sucesso nos seus meios. Mas, no lazer, precisam viver da sombra de suas belas mulheres, porque são irritantemente superficiais.

Eles até tentam algum pedantismo, tentando expressar um gosto por música, artes, literatura e cinema que, na verdade, eles não apreciam tanto assim quanto se supõe. E se apegam por um estilo tão chique que parece cafona, cultuando vinhos, abusando da elegância com excesso de formalidades e superestimando seu sucesso profissional mesmo quando tentam ser discretos.

Se eles têm 45 anos ou um pouco mais, pode ter certeza que eles farão cara de sono quando vão fazer compras com suas mulheres, ou então fazem expressão de mau humor quando caminham nos calçadões das praias ou parques. Só ficam felizes quando desfilam de smoking ou terno em eventos formais diversos, como lançamentos de filmes ou festas de galas.

Se eles já estão perto dos 60 ou são sessentões de primeira viagem, então qualquer ida ao cinema ou mesmo festinha de aniversário de crianças se equipara a "evento formal", se esquecendo de que o lazer não pode ser visto como um "serão" a mais no seu cotidiano profissional.

Mesmo nesses eventos informais eles vão de terno só dispensando a gravata, mas praticamente mantendo o mesmo traje de negócios, só "quebrando" a sisudez com calça jeans ou camisa pólo. Mas os sapatos pontudos continuam machucando seus pés em nome do conforto da vaidade social.

Mas não seriam esses homens portadores de uma obsessão pelo luxo e pelo requinte que os nivela às "donas-de-casa" de reality shows? Não seriam eles dotados de uma personalidade superficial como as ring girls, com mania de elegância e formalidades comparável à mania de sensualidade das "boazudas"?

As mulheres aceitam esses homens porque eles têm jogo de cintura, tendo capacidade de se parecerem melhores do que realmente são. Eles travestem sua mediocridade com uma esperteza de fingir sofisticação e descontração, mas até a rotina mostrar sua superficialidade são tantos jogos de conquista, joias, bombons, viagens à Europa.

A única diferença que os homens não-legais diferem das mulheres não-legais é esse jogo de cintura que eles conseguem usar para conquistar mulheres de perfis mais substanciais. Se bem que um pouco de músculos (sem exageros) ou de dinheiro no bolso também ajudam, e muito.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…