Pular para o conteúdo principal

ORGANIZADORES DE CONCURSOS PÚBLICOS PARECEM FICAR "VIAJANDO"


Os concursos públicos, às vezes, parecem padecer de uma certa situação kafkiana. Além de haver uma multidão de "atletas de concurso" - gente que até tem outros empregos, e dos bons, mas faz concurso para se jogar para a plateia e acabam na lista de aprovados - , os organizadores e suas máquinas de avaliação, verdadeiros robôs, parecem viver de certas "viagens".

Muitas pessoas fazem provas de concurso e marcam as respostas das questões que garantem estarem certas. E, depois, vendo os gabaritos, se surpreendem que cada resposta é errada e que existe até argumento para dizer por que a resposta certa está "errada" e uma outra resposta, menos verídica, tem seu valor de validade.

Um exemplo fictício. Digamos que haja a seguinte questão: "Qual foi o presidente do Brasil que foi deposto pelo golpe militar de 1964" e quatro opções, das letras "a" a "e", distribuídas, respectivamente, nas seguintes opções: "Washington Luiz", "Dom Pedro I", "Rainieri Mazzili", "João Goulart" e "Fernando Collor".

Evidentemente, a resposta certa é João Goulart, porque ele governava o país quando as tropas do general Olímpio Mourão Filho, sob ordens do governador de Minas Gerais, Magalhães Pinto, estavam se dirigindo ao Rio de Janeiro para lá organizar a intervenção que resultou na ditadura militar.

Todavia, o gabarito do organizador do concurso público afirma que foi Rainieri Mazzili, que na verdade sucedeu Jango no comando do Brasil, portanto, tendo sido presidente em exercício até que se escolhesse um general para governar a República. Apesar de ilógica, a resposta recebeu a seguinte argumentação do organizador do concurso:

"Rainieri foi tirado do poder quando os militares assumiram o poder. Quando o general Castello Branco foi escolhido pelos seus pares presidente da República, Jango havia deixado o poder e, portanto, quem foi destituído do poder foi o presidente em exercício".

Justificativa inconvincente, mas verossímil, descrita num discurso "objetivo" feito para convencer as pessoas de que tais desculpas esfarrapadas obedecem a critérios técnicos e conceitos de objetividade na organização e avaliação de provas de concursos.

Outro exemplo fictício. "Diga qual artista NÃO está relacionado com o movimento da Tropicália, que marcou a cultura brasileira na década de 1960. Cinco opções, na seguinte ordem: "Tom Zé", "Maria Bethânia", "Nara Leão", "Odair José" e "Torquato Neto".

Evidentemente, a resposta é Odair José, que, em que pese o dueto que fez com Caetano Veloso, um dos mentores do Tropicalismo, no festival Phono 73, nunca teve qualquer relação com a causa tropicalista. Até para a Jovem Guarda Odair estava bastante deslocado, porque ele só foi aderir de vez ao movimento depois que ele acabou, em 1968, chegando tarde na "festa de arromba".

No entanto, o organizador do concurso estabelece como resposta a cantora Nara Leão. Justificativa: "Ela foi musa da Bossa Nova e descobriu a música nordestina no começo dos anos 60, logo ela estava vinculada a esses movimentos que, nos festivais de música, vaiaram os artistas do Tropicalismo". Sobre Odair, os organizadores disseram que o brega era "um dos elementos" da Tropicália.

É um argumento sem lógica, uma vez que Nara Leão estava presente no disco Tropicália ou Panis et Circensis, disco que simboliza o movimento e que hoje é ensinado aos jovens nas aulas de música brasileira, quando elas são possíveis de ocorrer.

ROBÔ - Outro aspecto surreal é sobre o que a máquina entende como questão corretamente assinalada. Há, na folha de respostas, uma série de quadradinhos que são lidos por um dispositivo eletrônico, que vê se as questões saíram corretas ou não.

Aí você assinala a questão correta mas ela não sai. A máquina lê errado e entende como questão não marcada ou então duplamente marcada. Você assinalou a resposta correta mas ela é marcada errada ou anulada pelo leitor digital.

Por que será? Dizem nos bastidores que não se pode assinalar todo o retângulo, quadrado ou círculo da questão, mas mesmo assim não dá para decidir se a gente vai assinalar uma meia-lua, ou de que lado do quadrado a máquina consegue ler. Isso gera um grande impasse.

Da mesma maneira, a gente nem sabe se marcar forte dificulta a leitura ou é preciso marcar levemente. A máquina consegue ler uma questão marcada forte ou fraca? A máquina é sensível ou ela só consegue ler algo marcado forte? Isso fica muito complicado.

Enquanto questões como essa ocorrem, os "atletas de concurso", capazes de acertar até quando marcam errado, ficam pentelhando as disputas e levam a melhor nas listas de aprovados. Eles já têm os melhores empregos e fazem concursos só para "testar". Levam a melhor e roubam a vaga dos que precisam trabalhar. E os organizadores de concursos na maior "viagem"...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…