Pular para o conteúdo principal

ESCRITOR FAZ CRÍTICAS A MONOGRAFIAS SOBRE "FUNK"


O escritor Marcelo Mirisola é um daqueles talentos que seguem seu caminho de qualidade e de avaliação crítica da sociedade que não passam sequer perto do carnaval midiático e do atual modismo de livros sobre diários de moças alucinadas, ficções sobre vampiros ou mistérios medievais e as auto-ajudas de sempre.

Mirisola é associado a uma tendência literária chamada "autoficção", que cresceu a partir de 1977 com a produção de obras em que autor, personagem e narrador se misturam, e na qual particularidades da vida do autor se misturam a narrativas fictícias, mesmo de maneira implícita. Ele publica livros desde 1998.

Não li as obras de Marcelo Mirisola, mas chamou-me a atenção de um comentário que ele fez em relação ao oba-oba literário, que ele compara ao do antigo sofá do programa da Hebe Camargo, com aquele desfile de elogios rasgados a qualquer um, mania de bajulações que vemos tanto no âmbito da MPB autorreverente de hoje e na intelectualidade "bacana" que quer bregalizar o país.

Na MPB, esse "sofá da Hebe" se nota nas intermináveis homenagens aos grandes nomes e grandes clássicos da MPB autêntica, que soa como um canto de cisne da música de qualidade, e cria um clima de puxa-saquismo que contagia os bregas que brincam de "ser MPB", como os neo-bregas da geração 1990, como "sertanejos" e "pagodeiros", já se perdendo nessa tsunami de "tributos".

Na literatura, Mirisola comenta que também existe essa mania de troca de elogios, bajulações, puxa-saquismos, alcovitagens. E que podemos inferir que se carateriza também no clientelismo, nos compadrios, nos apadrinhamentos e em todo um círculo de conveniências que faz o meio artístico mais parecer uma expressão de favores do que de valores.

Na intelectualidade e no meio acadêmico, passando por jornalistas culturais, antropólogos, sociólogos etc, nota-se que um jornalista cultural tal bajula o livro do historiador tal, que bajula o documentário da cineasta tal, que bajula o ativismo de uma acadêmica acolá, que se engaja para bajular o antropólogo da vez etc etc etc.

E aí entra o comentário de Mirisola, sobre a mediocrização do meio acadêmico, com as teses que defendem a bregalização do país em monografias delirantes, que fazem etnografia do nada, criando, "sem preconceitos", uma abordagem preconceituosa que atribui a fenômenos popularescos uma rede de referências culturais e ativistas que só existe na imaginação dos próprios monografistas.

"Com relação às teorizações, a autoficção é apenas uma gota num oceano de picaretagens. Ontem mesmo recebi um livro aqui em casa cujo título é, pasme, "A estética funk carioca – Criação e conectividade em mister Catra".  Aí eu lhe pergunto e lhe respondo: como é que pode? Pode porque você e eu pagamos impostos, e esse dinheiro é jogado no lixo das CNPq, CAPES, Faperj e similares, verba pros doutores(as) se masturbarem em teses esdrúxulas sobre Popozuda, "pegging" – sabe o que é isso? Tem tese na  PUC-RJ, dá uma googada – Mister Catra, autoficção etc etc etc".

Pode ser que Mirisola não tenha a metade da visibilidade que os "bacaninhas" que acham o "funk" e outras porcarias similares o máximo. Mas, pelo menos, é uma voz com notável projeção, pelo menos é um nome bastante conhecido no meio e com um considerável número de obras publicadas.

Os tempos estão mudando e os pensadores que não compactuam com a mediocridade e desejam uma cultura melhor para o país voltaram a terem destaque.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…