Pular para o conteúdo principal

OS "COXINHAS" E SUAS PARANOIAS


As manifestações direitistas do último dia 15 de novembro, feitas sob o pretexto de celebrar a República e pregando a intervenção militar contra Dilma Rousseff, tiveram um fracasso menor do que aquele ocorrido duas semanas antes, quando expressaram sua revolta contra a eleição da presidenta.

É certo que os movimentos direitistas crescem e existem pessoas assim até no Facebook, gente que inventa qualquer bobagem para justificar a vontade de tirar Dilma do poder. Não compreendem que, mesmo quando se pode discordar do PT, deve-se reconhecer sua vitória eleitoral e não partir para o golpismo neurótico.

Dessa forma, os direitistas que agem assim se comportam como verdadeiros débeis-mentais. E acabam criando uma grande confusão de tal forma que até o Lobão, convertido para uma direita convicta, hesitou em participar de um protesto pedindo a intervenção militar, temendo repercutir mal diante de seus seguidores.

Lobão, apesar do ultraconservadorismo furioso e de agora ser muito amigo do neo-medieval Olavo de Carvalho - algo impensável para quem, três décadas antes, tinha intensas relações de amizade com Júlio Barroso e Cazuza - , afirmou que não defendia o golpe militar, e, apesar disso parecer contraditório, tem sua razão de ser.

Afinal, Lobão tem um passado de rebeldia e uso de drogas que fez ele ficar preso mais de uma vez, o que pode significar que, se houver uma nova ditadura, ele cedo ou tarde seria preso por alguma coisa. A história registra que Carlos Lacerda, o maior defensor do golpe de 1964, foi vítima da ditadura que apoiou, tendo até uma morte suspeita, embora aparentemente "natural", em 1977.

A própria ditadura era paranoica e seus militares nem sempre se entendiam. Olímpio Mourão Filho comandou as tropas que, em seus tanques, rumaram de Minas Gerais para o Rio de Janeiro efetivar o que chamavam de "revolução", foi deixado de lado por outros generais que tomaram o poder, e nos bastidores o generalato era marcado pela fogueira das vaidades e disputas de poder.

O Brasil já está sofrendo os efeitos danosos de uma ditadura militar que provocou uma séria crise de valores. E, quando estamos tentando resolver as feridas do país, eis que há uma delirante direita que investe em qualquer desculpa para querer que o PT saia do poder. Agindo assim, eles acabam fortalecendo o PT que eles querem tanto combater. Raiva demais atrapalha.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…