Pular para o conteúdo principal

CNN CARREGA NO SOTAQUE NORTE-AMERICANO

IMAGINE SE ISSO ACONTECESSE NO BRASIL.

Os noticiários norte-americanos podem não chegar ao caipirismo tipicamente ianque, ou ao populacho da "cultura de rua", mas nota-se que a ortoépia - processo de pronunciar as palavras - da CNN, por exemplo (é o que eu tenho acesso na TV paga em pacote básico), é muito informal, forçando muito o sotaque norte-americano.

É um tal de "guérin'" para getting, "riéliri" para reality que a gente imagina que, se isso ocorresse no Brasil, só faltava o âncora de um telejornal dizer "o preço de um chopis e dois pastel teve uma alta de 5% por causa da inflação".

Que é preciso ser menos rebuscado e menos erudito na linguagem e aproximar a narração jornalística da coloquialidade, tudo bem. Mas ouvir um jornalista norte-americano da CNN International falar como se estivesse falando para seus amiguinhos coisas do tipo "Sambare is guering noralon arol de ciris" (Somebody is getting not alone at all the cities) é algo que arranha os ouvidos.

Mesmo no cinema já se começa a pronunciar "t" e "d" como tais nos EUA, evidentemente não com a firmeza com que os britânicos pronunciam. Sabemos que pronunciar "evribodei" e "litlou" para everybody e little, para os norte-americanos, é complicado, mas há como manter as pronúncias de "t" e de "d" como tais letras são, não como "r" mudo.

Além do mais, um canal como a rede CNN não é feito somente para estadunidenses da gema. Além do mais, a coloquialidade, no contexto do profissionalismo jornalístico, não quer dizer pronúncia desleixada de palavras. Os jornalistas precisam falar menos rápido e pronunciar as palavras de maneira mais culta, dando um meio termo entre linguagem elaborada e compreensível.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…