Pular para o conteúdo principal

A IGNORÂNCIA DA IGNORÂNCIA NAS MÍDIAS SOCIAIS


Ninguém é obrigado a saber sobre todas as coisas, e o pior ignorante é aquele que tem a mania de querer saber tudo, sem ter vocação alguma para isso. Na polêmica sobre a Rádio Cidade, muitos internautas nas mídias sociais gracejam e, num conhecido fórum sobre rádio, pessoas especializadas em uma coisa tentam dar a impressão de que podem se especializar em outra.

Não é bem assim. Há pessoas que são profundas entendedoras de antenas, equipamentos, finanças e tudo o mais. Sabem em quantos quilowatts uma rádio pode ser considerada como perfeitamente sintonizável em toda uma região de cidades. Sabem em quantos reais se deve investir para ter uma emissora de rádio rentável, com equipamentos adequados e mão-de-obra competente.

No entanto, saber de tudo isso não significa que a pessoa tenha que saber o que é, por exemplo, a cultura rock, como devem falar os locutores do gênero ou o que é uma marca de guitarra. Infelizmente, pessoas que se especializam em uma coisa se tornam estúpidas quando acham que podem saber tudo, tentando entender uma outra área da qual só possuem vaga noção.

Isso vem de minhas "revoltadas" argumentações? Não. Isso vem de Sócrates, filósofo da Antiguidade Clássica, que criticava o fato de técnicos e artesãos se pretenderem a analisar as coisas da humanidade, quando apenas só são capazes de entender seus ofícios e trabalhos. Vem de Jesus de Nazaré, que criticava o pedantismo dos sacerdotes de seu tempo.

Eu não entendo de Engenharia nem de Medicina e sou incapaz de me especializar em tais áreas. E mesmo assim não fico posando de querer entendê-las, algo que escapa não só de minhas especialidades mas também da vocação de procurar aprendê-las.

O pedantismo, que é a mania de querer saber o que não entende, só para impressionar as pessoas, é uma epidemia no Brasil. Os medíocres são os que mais querem posar de geniais, bem mais do que os próprios gênios. Os canastrões são aqueles que tentam habilidades das quais não possuem a capacidade natural de exercerem, as fazem apenas para se "jogarem para a plateia".

Eu já critiquei uma geração de médicos, economistas e empresários, no começo de seus 60 anos, casados com atrizes ou ex-modelos, que acham que só por serem grisalhos podiam ter, já nos seus 55 anos, uma bagagem intelectual de idosos de 80 anos, só para impressionar antigos patrões ou professores. Uns, nascidos em 1953 e 1954, tentaram nos fazer crer que eram jovens nos anos 1940.

No caso da cultura rock, há pessoas que entendem muito de rádio, mas não entendem de rock. Os seguidores da Rádio Cidade, que gracejam de qualquer crítica dada à emissora, não entendem de rock e elogiam a programação "roqueira" da emissora por causa de...um programa de besteirol e futebol!!!

Para eles, tanto faz se o rock que toca na Rádio Cidade é postiço ou não. Eles querem apenas uma sequência que mistura guitarras distorcidas, virtuoses exageradas, alternância de berros histéricos e vocais sonolentos, sem se importar que intérprete seja e se é a mesma música tocada pela sexta vez no mesmo dia.

Mas se tem jovem advogado atropelando as leis e caluniando uma presidenta da República, confundindo liberdade de oposição ao PT ao abuso das difamações e ameaças violentas, então a ignorância da ignorância se torna a pior das ignorâncias.

E olha que não dá para escrever isso nas mídias sociais, porque nelas os ignorantes gracejam quando são avisados de que eles ignoram sua ignorância. "KKKKKKK" é a resposta mais comum e simplória, mas existem "pérolas" como "se o que eu acredito é ser ignorante, então f****".

Paciência. O Brasil vive uma crise educacional e sócio-cultural. Pessoas se acham "sábias" camuflando sua ignorância. Vejo até movimentos espiritualistas travestindo suas ignorâncias aberrantes com falsa sabedoria, elegendo plagiador de livros como "maior filósofo do país".

Vejo ignorância por toda parte, travestida de sabedoria e inteligência, desde os "roqueiros" que no fundo veem o rock como piada até os "revoltados" que pedem pena de morte ou prisão perpétua aos petistas sob o pretexto de "respeitar a Constituição". A burrice ainda é mais estúpida quanto tenta se passar por inteligente. Isso é péssimo e perigoso.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…