Pular para o conteúdo principal

ROCK IN RIO FEZ MUITO MAIS CONTRA O ROCK DO QUE A FAVOR

MÖTLEY CRÜE: ROCK "FAROFA" PARA UMA CIDADE QUE QUER AFASTAR OS FAROFEIROS DA ZONA NORTE PARA AS PRAIAS DA BARRA E ZONA SUL.

Falou-se que o rock está em baixa e muitos achavam que era "mimimi" de jovem revoltado. Mas o Rock In Rio 2015 conseguiu provar, no sentido contrário de sua intenção publicitária, que o rock está mais em baixa do que nunca, para não dizer culturalmente morto neste país cafona que é o Brasil.

Até quando o rock autêntico era evocado, a coisa ia para o âmbito da caricatura ou das homenagens que, de tão tendenciosas, beiram à paródia, como o "tributo à Cássia Eller" em que teve direito a uma cantora cover bem no clima Ploc 80 (apesar de Cássia ter sido estrela da década seguinte) e as cantoras exibindo seios como a finada cantora havia feito numa apresentação.

Havia também remanescentes do Rock Brasil e emepebistas do primeiro Rock In Rio, ao lado de oportunistas como Rogério Flausino, do Jota Quest, cantando o "hino do Rock In Rio", como uma patética celebração aos 30 anos do festival.

Mas o tom da paródia foi mais explícito quando Adam Lambert, cria do American Idol, se apresentou com dois músicos originais que hoje tocam o projeto Tributo ao Queen, usando o nome do grupo para homenagens filantrópicas.

A canastrice de Adam Lambert foi evidente nesse karaokê a céu aberto, ao lado dos discretos Brian May e Roger Taylor que apenas cumpriam seu trabalho de reproduzir o que fizeram com John Deacon (hoje aposentado, desfazendo rumores de que se juntaria novamente aos outros dois) e o saudoso Freddie Mercury, este sim detentor de um brilhante domínio de palco.

Exagerado nas caras e bocas, mas contido e forçado em suas interpretações musicais, Adam, com um vocal "mais ou menos", deixou a desejar diante da potência que era o super vocalista Freddie, que mesmo em momentos menos inspirados na carreira, dava conta de seu talento.

Mesmo assim, Adam empolgou a plateia com seu simulacro de "Freddie Mercury", forçado em um traje forçadamente roqueiro, com calça e jaqueta de couro e barba por fazer. Mas, quando vestia uma roupa de "monarca", tentando reproduzir o Freddie Mercury vestido de "rei", Adam parecia tão artificial e forçado como nos tempos do American Idol.

A canastrice de Adam deixou a plateia empolgada porque o público que se diz fã do Queen, no Brasil, já deixa a desejar por si só. Se, dias atrás, o pessoal colocava bigodes postiços qualquer nota para "homenagear" pateticamente o saudoso cantor do Queen, dá para perceber o descaso que eles têm diante de um passado que não volta mais e que fingem continuar existindo no presente.

Isso porque, para eles, tanto faz Queen com Freddie Mercury, com Adam Lambert, com Zezé di Camargo ou com Tom Cavalcante nos vocais. Isso porque é um público sem muita identificação com o rock, que aceita rádios pop fantasiadas de roqueiras - como uma no dial FM carioca - , e que considera "clássicos absolutos do rock" bobagens como Guns N'Roses e Mötley Crüe.

O Mötley Crüe, como outras bandas de metal farofa, só é considerado "metal de verdade" e "rock clássico" porque um mercado foi construído nos últimos anos para convencer até os roqueiros velhos, carentes de visibilidade, de que os posers fariam o rock autêntico se tornar mais rentável com a adesão de "gente bonita" a consumir vorazmente os produtos, artigos e eventos do gênero.

Tem até a patética "lama de 1985", suposto vestígio do lodo original do primeiro Rock In Rio, vendido pelo estarrecedor preço de R$ 185. Pegam qualquer areia molhada em algum canteiro de obras do projeto Rio Cidade Olímpica ou alguma lama tirada de um dia de chuva no Rio de Janeiro e vendem como se fosse a "lama do primeiro festival". Quanta bobagem.

E, voltando ao Mötley Crüe, o grupo veio com seu metal farofa, na sua turnê de despedida, para um Rio de Janeiro que irá barrar em breve o acesso de outros farofeiros, o pessoal dos subúrbios, para as praias da Barra da Tijuca e da Zona Sul, através dessa farsa de linhas de ônibus "alimentadoras" e "troncais" que a Prefeitura carioca anda armando para dificultar a viagem das periferias.

Aliás, a viagem de BRT para o Rock In Rio, em ônibus superlotados - quando não estão assim, eles têm todos os assentos ocupados - , dá o tom dessa lambança que é o sistema de ônibus implantado em 2010, que, como todas as besteiras e desastres que ocorrem num Rio de Janeiro mais voltado ao atraso, são "eternos". Quanto sofrimento cariocas e fluminenses ainda vão enfrentar...

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…