Pular para o conteúdo principal

FIM DA REVISTA DA TV MOSTRA DECADÊNCIA DAS ORGANIZAÇÕES GLOBO


No último domingo, meu pai foi ver o saco com os jornais O Globo e O Fluminense que comprou na banca e, ao ver a pilha de cadernos do jornal carioca, verificou que faltava o famoso caderno chamado Revista da Tevê, suplemento que havia até celebrado aniversário meses atrás.

Em princípio, papai imaginava que havia um erro na encadernação dos jornais e estava pensando em reclamar com o jornaleiro, até que eu e ele, observando a primeira página de O Globo, verificamos que a Revista da Tevê foi extinta e as notícias da tevê agora migraram para o Segundo Caderno.

Isso é um reflexo da crise que a imprensa escrita anda sofrendo. As Organizações Globo, que têm dos veículos O Globo (jornal), Rede Globo (TV aberta) e Globo News (TV paga) seus principais canais, anunciou a demissão de 400 profissionais.

Esta crise, embora em parte se deva à influência da Internet, não pode ser atribuída ao desgaste do papel, como querem certos "profetas" das mídias digitais que acham que suas folhas são culpadas pelo reacionarismo dos jornalistas que trabalham nas grandes corporações.

Muita cautela deve ser tomada em relação a isso. A mídia reacionária pode estar decadente, mas ela não morrerá com o fim do papel, da TV ou do rádio, pelo menos da forma que conhecemos. O carnaval que certos entusiastas das novas mídias se esquece que a mídia ultraconservadora também busca as novas tecnologias, mais do que a supostamente revolucionária blogosfera.

A revista Veja têm canal na Internet e até o mais reaça de seus colunistas, Reinaldo Azevedo (também da Jovem Pan), tem blogue no portal da revista. A Rádio Cidade, FM carioca que enfoca a cultura rock de forma estereotipada, caricata, superficial e um tanto conservadora, tem seu canal na Internet, seja como webradio, seja através do aplicativo Spotify.

A Revista da Tevê pode até ter sido um baque no jornal O Globo, sobretudo porque meses atrás o suplemento havia comemorado seus anos de existência. A Rede Globo também está levando cada vez mais surra na audiência, vide a novela Babilônia, que teve um desempenho humilhante para a reputação da maior produtora de telenovelas do Brasil.

A grande mídia vive sua crise, mas ainda é o começo. Seus empresários continuam sendo poderosos e ricos e seus veículos, como toda empresa comandada por magnatas, sobrevivem através da demissão de muita gente.

Portanto, dizer que a blogosfera derrubou a grande mídia e que hoje a revolução social está nas mídias sociais é muito ingênuo. Evidentemente, a Internet quebrou o monopólio do pensamento único que a grande mídia detinha durante anos.

Mas, infelizmente, as pessoas ainda se pautam com a mesma perspectiva conservadora do poder midiático, vide a acomodação vista nas mídias sociais, reduto de muita gente conservadora e inclinada mais a brincar com tolices transmitidas pelo WhatsApp.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…