Pular para o conteúdo principal

MUDANÇA NOS ÔNIBUS DA ZONA SUL DO RJ SERIA UMA VINGANÇA DAS ELITES CONTRA VIOLÊNCIA NA REGIÃO

TRÂNSITO CONGESTIONADO NA LAGOA, ZONA SUL DO RIO DE JANEIRO - CULPA É DOS AUTOMÓVEIS, NÃO DOS ÔNIBUS.

A desculpa de que a alteração das linhas de ônibus da Zona Sul carioca, que eliminariam a ligação direta da Zona Norte, iria melhorar o trânsito carioca, caem por terra quando se observam os fatos que acontecem no cotidiano carioca e que, comparados com a medida para o transporte, revelam intenções bastante sombrias.

Quando o subsecretário de Planejamento da Prefeitura do Rio de Janeiro, Alexandre Sansão - que se comporta como se o povo carioca não existisse - , anunciou a medida a ser implantada em outubro próximo, policiais apreenderam vários adolescentes pobres que vinham de ônibus da linha 474 (Jacaré / Jardim de Alah), uma das que serão ceifadas no próximo mês.

Os adolescentes foram apreendidos porque não tinham documentos, mas estavam ali apenas para irem à praia. Eram apenas estudantes ou trabalhadores, porque, na verdade, bandido pobre é minoria e a maioria da população pobre é de gente que trabalha ou estuda, gente de bem querendo e lutando para ser alguém na vida.

No entanto, os jovens foram detidos e levados para um camburão da polícia, sob os aplausos das elites da Zona Sul que cada vez mais querem ver praias como a de Copacabana "livres" da presença de gente pobre e, enquanto não há uma "limpeza" nas favelas da Rocinha e do Pavão-Pavãozinho, a "boa sociedade" se consola com as ações da Prefeitura do Rio de Janeiro para o transporte.

Há alguns meses, o médico Jaime Gold, de 57 anos, foi assassinado por um ladrão enquanto a vítima pedalava pelo calçadão da Lagoa. O ladrão o rendeu e atacou a vítima com uma faca. Gold chegou a ser socorrido com vida, mas não resistiu às infecções causadas pelo ferimento. O caso repercutiu por todo o país, e fez a mídia reacionária inventar que todo pobre, no Rio, é "bandido".

Isso criou uma histeria nas elites da Zona Sul, que agora pedem para que as linhas da Zona Norte deixem de circular no local. A Prefeitura fará com que as linhas tenham seu ponto final na tumultuada Candelária, no Centro do Rio, e os terminais desta área e da Central ficarão sobrecarregados.

Mas isso pouco importa para as elites que vão e vem com seus carros de vidro fumê. O que elas querem é que o acesso da população da Zona Norte para a Zona Sul seja dificultado, através da "mutilação" de itinerários, entre "alimentadoras" da ZN para o Centro e "troncais" do Centro para a ZS, que o secretário Sansão diz serem "fundamentais" para a mobilidade urbana.

Só que a medida, além de ser anti-mobilidade - imagine ter que pegar mais de um ônibus para ir a um local. Isso é mobilidade? - , inutiliza o Bilhete Único, válido por duas horas e meia, praticamente o percurso entre os dois trajetos sobretudo numa cidade congestionada como o RJ.

Os BRTs superlotados e o esgotamento fácil do Bilhete Único, que não é acessível para todos - os pobres terão que pagar uma taxa para obtê-los - , desestimularão o povo pobre a fazer jus ao fato de serem cariocas para ir para os bairros da Zona Sul da cidade.

Mesmo o "consolo" do Parque Madureira e sua praia artificial serão insuficientes para satisfazer a população. O "bom isolamento" do povo da Zona Norte é precário, porque ter um piscinão em Madureira não é a mesma coisa do que ir a Copacabana. O separatismo continua e a histeria das elites já demonstrou seu recado preconceituoso e intolerante.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…