Pular para o conteúdo principal

CLÁUDIO BOTELHO COMETEU UMA INCOERÊNCIA


O autor, diretor e produtor teatral Cláudio Botelho cometeu uma grande ofensa, e, também, uma grande gafe. Durante a encenação da peça Todos os Musicais de Chico Buarque em 90 Minutos, o ator fez vários discursos de improviso durante a peça, que mistura trechos da obra do compositor carioca feitas para o cinema e teatro.

Foi ontem à noite, no Palácio das Artes do SESC, em Belo Horizonte. Cláudio despejou um comentário reacionário, com alusões racistas, e mostrando todo o ódio contra Luís Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff.

"Será que todo mundo vendo a novela da 20 horas ou esperando a notícia de um presidente que foi preso? Ou será que a presidente está esperando seu impeachment?", foi uma das frases inseridas numa cena em que um grupo de pessoas chega a uma cidadezinha.

Ele havia feito uma série de ataques ao Partido dos Trabalhadores, ao ex-presidente Lula e à presidenta Dilma. Nos discursos inseridos, Cláudio sugeria a prisão de Lula e o impedimento de Dilma, que ainda foi chamada de "ladra".

Isso causou revolta na plateia, que gritou o prenome de Chico Buarque e frases como "Não Vai Ter Golpe" e, com muitas vaias e gritos, expulsaram Cláudio Botelho de cena, que foi obrigado, com seu elenco, a encerrarem a peça de forma abrupta.

O espetáculo foi cancelado. Algumas pessoas pediram a devolução do dinheiro dos ingressos. Botelho ainda teve uma discussão com a atriz e cantora Soraya Ravenle, integrante do elenco, que foi gravado em um vídeo publicado hoje. Botelho estava profundamente irritado por ter encerrado a peça sem completar a encenação. Ela expressou sua discordância com a atitude do ator e diretor.

"Eles não são neofascistas, neonazistas, são escrotos, são petistas, são o que há de pior no Brasil. São o que há pior no Brasil!", gritou Botelho, indignado com os protestos da plateia. Botelho ainda gritava dizendo que os membros da plateia "são bandidos, gente armada" e se achava injustiçado por ter sido forçado a encerrar uma peça no meio.

"Essa gente chega e peita um ator que está em cena. Um ator que está em cena é um rei, não pode ser peitado. Não pode ser peitado por um 'nego', por um filho da puta que está na plateia. Eu estava fazendo uma ficção", disse o ator e diretor, sugerindo um comentário racista usando a palavra "nego". Botelho tentou desmentir depois, dizendo que a palavra foi usada no sentido de "uma pessoa qualquer".

Exaltado, Botelho tentou comparar a ditadura ao PT ("em 1967 os militares barraram Roda Viva, hoje o PT barrou Roda Viva") mas se esqueceu da sua postura golpista. Além disso, Botelho se esqueceu da própria postura de Chico Buarque de Hollanda. Botelho ainda se considerou "censurado" pelos petistas. Além de ofensa e gafe, Botelho cometeu uma grande incoerência.

CLÁUDIO BOTELHO IGNORA QUE CHICO BUARQUE É AMIGO DE LULA E DILMA ROUSSEFF.

Uma declaração do professor de geografia Silvânio Fortini lembrou bem a postura do compositor: "O que me indignou foi ele (Cláudio Botelho) se apropriar da obra de Chico Buarque, um cara que hoje vive sendo achincalhado por suas posições políticas, para defender o contrário do que ele propõe. Acho que ele não sabe com que obra está lidando. Isso me indignou, além de ele ter agredido a plateia."

O próprio compositor ficou indignado com a atitude de Cláudio Botelho, reagindo com espanto e muito desagrado. Sabe-se que Chico Buarque é filiado ao PT, é muito amigo de Lula (colega de Chico nos jogos de futebol) e Dilma Rousseff. Chico é o que mais deseja a permanência de Dilma no governo e a garantia de posse de Lula como ministro da Casa Civil.

Diante do que Botelho fez na peça, Chico Buarque decidiu, através de comunicado divulgado por sua assessoria, não mais autorizar o diretor teatral a usar qualquer obra do compositor. Só o filme Os Saltimbancos Trabalhões - Rumo a Hollywood, com direção musical de Botelho, foi mantido em pé, por consideração a outros membros da equipe técnica e do elenco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…