Pular para o conteúdo principal

FAROFAFÁ RURALISTA? BLOGUE FAZ COBERTURA DE EVENTO PATROCINADO POR GERALDO ALCKMIN



O blogue Farofafá, o portal preferido da intelectualidade "bacana" e editado pelo "esquerdista convicto" Pedro Alexandre Sanches, veio com mais uma "pérola". O portal que já esculhambou o esquerdista Vladimir Safatle e fez um favor ao tucano Armínio Fraga divulgando a banda de seu filho, fez cobertura de um evento patrocinado por Geraldo Alckmin.

Foi a Festa do Milho de Tanquinho, que embora seja um evento tradicional, é hoje encampado pelos donos do agronegócio. E, como é de praxe, conta com atrações cujos nomes mais recentes estão relacionados ao "sertanejo" e ao "forró eletrônico", que até o reino mineral sabe que são sustentados pelo latifúndio.

O que chama a atenção é que a reportagem, de autoria de Eduardo Nunomura, faz questão de mostrar o logotipo Governo do Estado de São Paulo, representado pela pessoa de ninguém menos que Geraldo Alckmin, suspeito de envolvimento no escândalo da merenda. Tudo indica que a reportagem do Farofafá foi feita por encomenda do próprio evento.

Geraldo Alckmin já patrocinou um evento do Coletivo Fora do Eixo, grupo que tem Pedro Alexandre Sanches e Eduardo Nunomura como integrantes. É até estranho que Pedro Sanches venha a fazer falsos ataques ao governador paulistano, naqueles textos longos, prolixos e panfletários que ele se encanou em fazer para posar de "bom esquerdista" e arrancar verbas públicas do PT (fora a grana que ele e o CdE recebem de George Soros, por fora).

Não é segredo algum que Sanches, Nunomura e Gustavo Alonso, este um genérico de Leandro Narloch que posa de "esquerdista", defendem o "sertanejo", o pastiche de música caipira, a ponto de misturar alhos com bugalhos, botando no mesmo balaio a boa música caipira, hoje sob risco de extinção, e os pastiches fast food trazidos a partir de Chitãozinho& Xororó.

Que "esquerdistas convictos" são esses que investem na choradeira de reclamar da "sertanejofobia"? Eles têm o desespero de defender ídolos patrocinados pelo latifúndio, pela Rede Globo, pela Folha de São Paulo, e ficam escrevendo sobre o gênero como se ele pudesse fazer a tal "reforma agrária da MPB" dita pelo "tranzbrazyleyro" Sanches, o Fukuyama pós-tropicalista.

É por isso que a intelectualidade cultural de esquerda é muito fraca. Ela sofre a influência dos "bacanas" que, como alienígenas, vieram das profundezas do tucanato acadêmico para impedir os debates verdadeiros sobre a cultura brasileira, vindo com essa desculpa de aceitar o brega-popularesco sob o pretexto do "combate ao preconceito", impondo, na verdade, novos preconceitos.

É por isso que a MPB autêntica, que não vive de lotação automática de plateias nem de factoides ou canastrices, é que é discriminada pela população. O proselitismo da intelligentzia "mais legal do país" empurrou a ditabranda do mau gosto para o público jovem e universitário, em vez de melhorar os gostos da população pobre e devolver a ela o patrimônio cultural sequestrado pelos burocratas.

Dessa forma, os farofafeiros jogaram rodízios de jabaculê musical na nossa cultura, e mal conseguem esconder seu reacionarismo enrustido, afinal, o que eles defendem são deturpações mercadológicas da cultura popular, que transformam o povo pobre em caricatura diante de um discurso marqueteiro disfarçado de "etnografia". Essa intelectualidade "sem preconceitos" é muito preconceituosa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…