Pular para o conteúdo principal

REVISTA QUE CONSIDEROU WESLEY SAFADÃO PROMISSOR ESTÁ DECADENTE

WESLEY SAFADÃO COMEMORANDO UM SUCESSO NO EXTERIOR QUE NÃO PASSA DE "MIMIMI" DA MÍDIA POPULARESCA.

Meses atrás, a revista Forbes fez uma lista com os 30 jovens mais promissores do Brasil com menos de 30 anos de idade.

A julgar pela ordem decrescente da lista, o cantor de forró-brega Wesley Safadão, de 27 anos, apareceu por último, como se fosse o mais cotado da lista.

Fala-se que a Forbes é uma das revistas mais conceituadas do mundo.

Não é mais.

E, como se não bastasse, a revista falava de ricos, não é um referencial que tenha crédito fora dos círculos elitistas da sociedade.

Além disso, o "sucesso mundial" de Wesley Safadão não passou de um mimimi da mídia popularesca do Brasil.

Sempre provinciana, a mídia brasileira sempre inventa uma lorota como se o mundo pudesse dar crédito a qualquer ninharia que ocorre no país.

A Fortune também colocou o tendencioso juiz Sérgio Moro, que coloca suas convicções pessoais acima das leis, como o 13° líder internacional do planeta.

O Diário do Centro do Mundo descreveu que o antigo Big Three, que reunia as três revistas mais influentes no mundo dos negócios, a Forbes, Fortune e Business Week, está agonizante.

As três revistas sofrem uma decadência vertiginosa que fazem com que elas não tenham hoje um terço sequer de sua reputação.

A Forbes que declarou que Wesley Safadão é um "jovem promissor" foi vendida, com baixo preço, a um grupo empresarial chinês.

A Fortune que declarou que Sérgio Moro é um "líder internacional" está à venda, também a preço mais barato, mas ninguém quer assumir um "pepino" desses.

Portanto, qual o crédito que esses dois veículos têm quando exaltam duas pessoas em evidência, mas são de valor social bastante duvidoso?

Wesley Safadão é do tipo do canastrão musical, como tantos no brega-popularesco, que só com muita persuasão dos barões da mídia para fazer entrar no gosto popular.

Se o talento de Wesley Safadão já é considerado constrangedor por aqui, nos EUA ninguém iria levá-lo a sério, até porque ele é visto pelos gringos como uma imitação do que eles já ouvem de pior na música comercial daquele país.

Então, não há como apelar para a lorota de que Wesley Safadão conquistou o mundo.

Aquelas "longas filas" foram gente que foi paga para fingir que estava formando filas gigantescas para "pegar bem na fita" do fotógrafo.

Aqueles "ingressos esgotados" eram porque aquilo era tudo que foi distribuído para quem pagasse para ver Wesley Safadão, e, mesmo assim, quase todos brasileiros, turistas ou imigrantes. E, fora eles, apenas uma minoria pálida de masoquistas culturais gringos.

E se uma revista como Forbes o define como "jovem promissor", duas coisas devem se levar em conta.

Uma é que a Forbes nunca teve representatividade fora das elites engravatadas que nunca deram bola para a sociedade em geral.

Outra é que a Forbes de hoje é uma revista decadente, sem influência para formar opinião sequer de uma comunidade de lesmas.

Portanto, o Safadão que tenta fazer sucesso fora do Ceará - que não aguenta mais o seu estilo musical - só tem um único sucesso: o da sua fortuna pessoal.

Safadão é apenas um dos homens mais ricos do mundo. Mais ricos do que a MPBzona que a intelectualidade "bacana" que gira na órbita dos farofafeiros tanto achincalha.

Chupa que é de uva, intelectualidade "bacana": a ala burguesa da música brasileira é brega.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…