Pular para o conteúdo principal

BREGA FEZ PRECONCEITO SE TRANSFERIR PARA A MPB

SE NÃO FOSSEM AS TRILHAS DA REDE GLOBO, ELIS REGINA SERIA DISCRIMINADA PELAS GERAÇÕES ATUAIS.

A breguice cultural que ocupou, de forma quase totalitária, várias reservas de mercado, usando o discurso da "cultura das periferias" e o "combate ao preconceito", criou novos e mais cruéis preconceitos.

A música de qualidade bastante duvidosa, mesmo a pretensamente sofisticada - como os arremedos de MPB feitos por ídolos veteranos da "geração 90" de "sertanejos" e "pagodeiros românticos" - , usou o discurso politicamente correto do "combate ao preconceito" para forçar o apoio da opinião pública e abocanhar novas fatias do mercado, atingindo públicos de maior poder aquisitivo.

Daí que, durante mais de uma década, entre 2003 e 2014, prevaleceu, na grande mídia, o discurso de que os chamados "sucessos do povão" representavam a "cultura popular autêntica" foi propagado de maneira tão insistente, forjando uma pretensa unanimidade, que praticamente acostumou mal o gosto dos jovens que passaram a ouvir música de péssima qualidade.

O preconceito passou para o lado da MPB. Ela só é aceita quando tem o filtro da grande mídia. Se está na trilha de novela da Globo, é o tema de um núcleo romântico ou está relacionada a uma minissérie, aparece no Domingão do Faustão etc, a MPB é "aceitável", entra no cardápio auditivo do grande público.

Se a MPB aparece nas FMs comerciais, ela tem vez. Caso contrário, não há como insistir aos jovens que aquele bossanovista teve um grande valor artístico no seu tempo, que aquele músico mineiro criou coisas geniais, que o emepebista menos badalado tem um som de primeira que o jovem só reagirá com desprezo e até com esnobismo.

GERAÇÃO NASCIDA ENTRE 1978-1983 ERA AINDA MAIS PRECONCEITUOSA

Nomes como Turíbio Santos, Toninho Horta, Sylvia Telles, Zimbo Trio, Guinga e outros de grande valor é que passaram a ser vítimas de preconceitos. Eles é que são rejeitados pela "juventude transada", até mesmo pelos universitários que, pasmem, preferem ídolos do nível de Wesley Safadão e companhia.

A ruindade musical passou a ser associada a supostos conceitos de "rebeldia", "intuição artística" ou então é vista sob o prisma do coitadismo. Tudo virou desculpa para creditar o folclore do futuro ao jabaculê musical dominante nas rádios e TVs.

A geração de jovens nascidos entre 1978 e 1983 era ainda mais preconceituosa, fechada no tempo (nada mais antigo do que o que ouviram na infância), só ouviam breguices e o pop-rock de seu tempo e custaram a reconhecer que o mundo girava antes deles nascerem, sendo preciso conviver com pessoas mais velhas assim que entraram no mercado de trabalho, aos 25 anos de idade.

Quem nasceu depois de 1983 é que parece mais flexível, mas mesmo assim não abre mão de curtir a breguice, apenas aceitando algumas brechas de qualidade só para não parecer tão "radicais" e "intransigentes" do que a geração imediatamente anterior. Mesmo assim, a preferência às músicas de gosto duvidoso continua de pé.

Portanto, não é o preconceito cultural que acabou. Ele, na verdade, está ocorrendo agora, quando os valores culturais autênticos é que passam a ser rejeitados, criando injustiças nos grandes emepebistas, sobretudo os que não transitam na órbita da Globo.

Acusados de "elitistas", "meritocratas" ou, pelo menos, "chatos", os grandes emepebistas não conseguem sair de seus redutos cada vez mais fechados, que já nem podem chamar de espaços alternativos, porque o underground é tão restrito e fechado que mais parece uma maçonaria. Pudera, vivemos a cultura medieval da Idade Mídia.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…