Pular para o conteúdo principal

TRÊS GRANDES PERDAS PARA A MÚSICA


Três grandes perdas da música. Três músicos geniais se foram, nos últimos dias.

No dia 08 passado, perdemos o músico, maestro e produtor inglês George Martin, que estabeleceu um dos maiores diálogos artísticos da música, interagindo com os Beatles durante a segunda fase da banda britânica, nos anos 1960.

No último dia 09, perdemos Naná Vasconcelos, percussionista pernambucano, músico e um dos organizadores do festival Percpan, de música relacionada à percussão e ao ritmo.

Hoje foi a vez do supertecladista inglês Keith Emerson, da banda Emerson Lake & Palmer, um dos grandes nomes do rock progressivo.

Cada um deles deu uma contribuição impar para a música, dois deles para o rock clássico (embora Naná Vasconcelos fosse também um dos nomes tocados na fase áurea da Fluminense FM).

O que George Martin fez, na condição de produtor e verdadeiro cúmplice das audácias musicais dos quatro rapazes de Liverpool, sem medo dele, mais experiente, aprender muito com a banda cujas gravações ele produzia, é de um enorme valor para a história da música.

Em todo caso, eles deram um grandioso valor com seus respectivos talentos.

Todos eles somaram suas inteligências para a cultura do século XX.

Naná, somando seus esforços para a música brasileira, transformando tradições culturais num experimentalismo renovado.

George, um músico e maestro de formação erudita e adepto da música concreta, se envolvendo com a experiência dinâmica de produzir discos de uma banda de rock.

Keith, com seu enorme sintetizador, procurando voos artísticos inusitados através de sua sofisticada contribuição ao rock progressivo.

São nomes que irão durar muito, porque não fizeram coisas para dois ou seis meses, mas para sempre. Seu legado permanece como patrimônio valioso de nossa cultura.

Infelizmente, nesse país de intensa imbecilização cultural - blindada até por uma influente parcela de intelectuais - , eles não são devidamente levados a sério pelo público médio perdido em futilidades.

Tomados do narcisismo juvenil e de uma má orientada rebeldia, eles se rebelam contra o que é genial, criativo e que vai além de suas catarses mesquinhas de popozudas, safadões, anittas, luans, mamonas e axls.

Acham que a música ruim que eles consomem é a melhor do mundo, só porque ela é "presente", "atual" e simplória.

Eles não querem saber de mestres. Emburrecem confundindo cultura com entretenimento, apreciação com consumismo.

Eles não sentirão a falta desses mestres. Não se acham representados pelos três músicos que morreram.

Mas por enquanto esses jovens movidos pela imbecilização cultural são jovens e gozam da pouca idade que lhes dá uma certa vaidade, arrogância e mania de serem "donos da verdade".

Quando seus filhos redescobrirem os mortos de hoje, aí é que o valor deles voltará a ser reconhecido, com uma vantagem: os mestres mortos voltarão rejuvenescidos pela novidade que representarem para os jovens de amanhã.

É isso que faz a verdadeira música perdurar. A imbecilização só perdura sob a pressão do marketing. A música de verdade perdura pelo talento natural dos verdadeiros artistas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…