JOÃO DÓRIA JR. ACUSA DE "IDEOLOGIA" AS CRÍTICAS À RAÇÃO HUMANA


Nem foi oficialmente distribuída nas escolas públicas e comunidades populares, a ração humana proposta pelo prefeito de São Paulo, João Dória Jr., provocou uma grande indigestão.

A repercussão negativa escapou dos limites da mídia esquerdista, penetrou nas mídias sociais e ganhou reflexos na mídia hegemônica, apesar da cobertura positiva dela ao intragável produto.

Além disso, o Ministério Público de São Paulo, atendendo pedido do promotor de Direitos Humanos, José Carlos Bonilha, vai analisar o valor nutricional do granulado.

Bonilha quer a documentação técnica do produto e a verificação da qualidade do produto.

A ação foi feita em defesa da segurança alimentar da população.

Até a imprensa estrangeira fez críticas ao projeto, como o The Guardian, que noticia a ação do Ministério Público.

Indignado, João Dória Jr., mesmo recuando na proposta de distribuir o produto nas escolas públicas, tentou argumentar que a oposição à "farinata", como ele define o composto alimentar, é motivada por "ideologia".

"Vamos tirar um pouco desse aspecto ideológico que este tema acabou tendo na cidade de São Paulo, com manifestações do PSOL, do PT, dos partidos de esquerda", disse o prefeito da capital paulista.

O arcebispo de São Paulo, dom Odilo Scherer, também acusou os opositores de transformarem a fome num "problema político".

Só que as reações contra esse produto ultrapassam o âmbito ideológico, sendo de natureza sociológica e nutricional.

Especialistas estão preocupados porque a iniciativa subestima a capacidade do povo pobre de ter acesso a uma alimentação melhor.

Ela segue uma visão elitista: supor que o povo pobre não tem acesso a verduras, legumes, cereais, frutas e outros alimentos de origem natural.

Isso é uma grande hipocrisia, porque o povo pobre é o que mais tem acesso a tais alimentos.

As elites é que pensam que esses alimentos naturais brotam em supermercados e quitandas.

Elas é que têm atitudes preconceituosas e ideológicas, no âmbito conservador.

Acham que o povo pobre não tem hábito alimentar e querem impor um composto duvidoso achando que é um complexo nutricional completo.

Ainda mais sendo um pote com bolinhas que mais parecem um lanche industrial comum.

Comentários