Pular para o conteúdo principal

CÂMARA DOS DEPUTADOS APROVA TEXTO DA REFORMA TRABALHISTA


A Câmara dos Deputados ontem começou mais um caminho de desmonte das conquistas trabalhistas.

A casa legislativa, na comissão que analisa a reforma trabalhista, aprovou, por 27 votos a 10, o texto que será enviado para o plenário ainda esta semana.

Depois do congelamento de verbas públicas e da terceirização generalizada, a reforma trabalhista é mais uma proposta do governo do presidente Michel Temer que tende a ser aprovada.

Estão previstas para hoje e amanhã as sessões de votação da reforma, que Temer quer ver aprovada imediatamente, por pelo menos dois motivos.

Um é porque na próxima sexta-feira, 28, está prevista uma greve geral contra as propostas do temeroso governo.

Temer quer evitar o adiamento, para que a greve não influencie os parlamentares. Mesmo assim, só a aprovação da reforma irá aumentar a revolta dos trabalhadores.

Outro motivo é que Temer vê seu governo sofrer uma grave crise, temporariamente abafada pela ênfase nas "denúncias" do empreiteiro Léo Pinheiro contra Lula, que fez as sujeiras dos tucanos, peemedebistas e similares serem jogadas debaixo do tapete.

A reforma trabalhista tende a enfraquecer o emprego.

Juntamente com a terceirização generalizada, os itens da reforma trabalhista reduzirão o emprego a um "bico".

O emprego, em tese, pode aumentar, mas a qualidade do trabalho e suas remunerações cairão.

Se bem que o desemprego virá com o fim da estabilidade.

Além disso, com a mudança nos acordos coletivos, prevalecendo o negociado sobre o legislado, os trabalhadores perderão a proteção da lei e os patrões, em contrapartida, terão maior peso nas decisões sobre as negociações trabalhistas.

O texto aprovado foi o básico, pois 25 itens deixaram de ser votados, porque a votação não pode votar, segundo o regimento interno da Câmara dos Deputados, assim que for iniciada a sessão plenária da casa.

A pauta da reforma trabalhista, uma das "bandeiras" do presidente da casa, Rodrigo Maia (DEM-RJ), um dos fortes aliados de Michel Temer, segue diante da polêmica da reforma da Previdência.

A discussão da idade mínima fez com que a tendência fosse estabelecer a idade de 62 anos para mulheres e 65 para homens.

Temer quer ganhar tempo para aprovar as reformas amargas para que ele conclua seus retrocessos políticos antes que a crise política o atinja de maneira irreversível.

Temer anda sendo muito arrogante. Disse que "nunca errou, mas acertou com coragem" e se gaba em ser "impopular".

Hoje parece natural que um governante como este esteja no poder.

Mas a posteridade talvez traga uma outra avaliação, que é a de definir Michel Temer como o pior presidente da História do Brasil.

O tempo não costuma concordar com as impressões imediatistas do presente.

É esperar para ver.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…