Pular para o conteúdo principal

MARI MOON SE INCOMODA COM QUALIDADE DE YOUTUBERS


Em entrevista recente ao portal UOL, a vlogueira pioneira e ex-vj da MTV, Mariana de Souza Alves Lima, a Mari Moon, fez duras críticas aos youtubers.

"As pessoas criam esses conteúdos horrorosos de alguma maneira porque faltou ter um bom pai, uma boa mãe. Essa geração foi criada pela Internet, pela empregada, pela televisão e o pior é que essas 'crianças' estão sendo os pais de outras crianças", disse a apresentadora.

Ela ainda complementa: "É uma geração em looping. Ao mesmo tempo, a gente tem que pensar como sociedade, tem que pensar o que estamos fazendo pelas nossas crianças. Na nossa época tinha 'Castelo Rá-Tim-Bum'".

Realmente, o fenômeno youtuber já começa a entrar nas gerações mais degradantes.

Depois de um breve período com pessoas do nível de Kéfera Buchmann, a promessa de que os vlogues (vídeos de diários falados) tivessem alguma inteligência, mesmo nos limites do mainstream, caiu por terra.

Hoje as pessoas "filosofam" sobre caretas nas fotos. É aquela coisa do tipo analisar em cinco minutos sobre como alguém se sentiria se tivesse um focinho de cachorro.

Vídeos que primam mais pelos efeitos de edição, com o youtuber usando algum adereço ridículo para ilustrar um comentário, se multiplicam mais e mais.

E olha que a geração de Mari Moon não foi tão feliz assim.

A título de comparação, eu, que tenho 46 anos, vi Vila Sésamo na Rede Globo. A franquia do programa estadunidense, que teve uma adaptação bem brasileira entre 1972 e 1975, passava tanto na TV Cultura quanto na TV Globo.

O Castelo Rá-Tim-Bum só passava na TV Cultura, meio "escondido".

Mari Moon é exceção à regra, porque a maioria das pessoas de sua geração via mesmo era o Xou da Xuxa, o Domingo Legal, o Sabadão do Gugu Liberato.

Isso para não dizer Aqui Agora, Cidade Alerta e similares.

A geração de Mari Moon também foi criada pela empregada e a maioria dos pais, em vez de lhes dar atenção, só lhes dava presentes e festinhas todo fim de semana.

Resultado: é uma geração que dificilmente ouviu um "Não" e que, viciada em festinhas, passou a ter um apetite descomunal por noitadas.

A geração de Mari Moon também não teve Fluminense FM. Teve "rádios rock" que não passavam apenas de genéricos da Jovem Pan 2 que de rock só tinha o toca-CD.

Também teve a MPB perdendo espaços nos rádios e a literatura desestimulada a ponto dos novos escritores se preocuparem mais com um dicionário de gírias do que uma boa narrativa.

Quem nasceu entre 1978 e 1983 já penava o naufrágio cultural imposto pela grande mídia.

Sem a educação dos pais, sem a bússola dos bons valores culturais, só havia apenas bosques culturais na erosão que devastou florestas culturais inteiras: Castelo Rá-Tim-Bum, Musical FM, mangue beat, Marisa Monte, Midsummer Madness, International Magazine, e parte da programação da MTV.

Ou então os desenhos Doug, Simpsons, Daria, O Rei do Pedaço, ou bandas como Gin Blossoms, Jamiroquai e Belle and Sebastian.

Mas isso era apenas exceção, diante da avalanche de Gugus, Faustões, Tchans, Chitões, Chicletões, Zezés, Datenas etc.

Certamente Mari Moon é uma das poucas com algum esclarecimento, pois a própria geração que nasceu com ela é que criou condições para as baixarias dos youtubers hoje.

Mas até a minha geração contribuiu para isso.

Que contribuições podem dar uma geração em que se destacam Luciano Huck, Ivete Sangalo, Pedro Alexandre Sanches, Alexandre de Moraes e Sérgio Moro?

Uma geração em que, para cada um Selton Mello, existem cem Luciano Huck?

Ou para cada gente como eu, há centenas como Sérgio Moro?

Eles também influíram os youtubers, os coxinhas, os viciados em noitadas, os fanáticos por brega-popularesco.

Os youtubers da quarta geração, cada vez pior, são o reflexo do deslizamento de lixo cultural que soterrou o Brasil a partir dos anos 90.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…