Pular para o conteúdo principal

O QUE A REDE GLOBO FAZ, EM DIA DE GREVE GERAL...


Sandra Annenberg causou estranheza, com seu rosto abatido e olheiras ao dar, na manhã de ontem, uma chamada sobre a cobertura do Jornal Hoje da greve geral que atingiu o Brasil.

Isso gerou uma série de piadas nas mídias sociais, várias delas associadas às reformas trabalhista e previdenciária do governo Michel Temer.

A postura de Sandra decepcionou, e olha que não é porque ela envelheceu.

Não se sabe por que ela apareceu assim, porque ela parecia manter a aparência jovial dos anos 1980.

Ela mantém até a deliciosa formosura que impressionou a rapaziada três décadas atrás.

Ela foi uma das musas de minha adolescência, e olha que ela tem apenas três anos a mais do que eu.

Via ela, deliciosa, se apresentando nos programas infantis da TV Bandeirantes.

Sandra é competente, talentosa, mas sofre intensamente as pressões ideológicas da Globo, por apresentar um dos telejornais da emissora.

O marido dela, Ernesto Paglia, repórter de São Paulo, parece ter mais jogo de cintura e tem mais experiência em sofrer as pressões da Globo.

Ele cobriu a manifestação da campanha Diretas Já, em 1984, quando ele teve que, no final da reportagem sobre o aniversário de São Paulo, falar, discretamente, do protesto.

Paglia não faz "jornalismo de guerra", é um excelente repórter e segue aquela linha do bom profissional de imprensa, procurando a maior fidelidade possível aos fatos.

Sandra é obrigada a fazer "jornalismo de guerra" porque os telejornais da Rede Globo têm que ter uma mesma linha, a comandada por Ali Kamel.

É sempre o mesmo conteúdo, no Bom Dia Brasil, Jornal Hoje, Jornal Nacional e Jornal da Globo.

E isso principalmente numa época em que a Globo News se emparelhou de jornalistas querendo "comprar briga" com os movimentos sociais.

Não posso comentar o que fez Sandra ficar com o olhar abatido e a aparente má vontade em noticiar a Greve Geral.

Prefiro crer que ela é pressionada para fazer o papel que ela não gostaria de fazer, até porque ela sempre conversa os fatos diários com Ernesto, em casa.

O Jornal Nacional é a "âncora" dessa linha truculenta, e a cobertura encerrou o dia enfatizando mais o vandalismo do que a greve, apesar da ladainha de que ela foi "pacífica" etc.

Na verdade, o discurso é um tanto hipócrita: "As manifestações foram pacíficas, mas terminaram em vandalismo, incêndios, depredações...".

A Greve Geral, segundo a Globo, foi um "fracasso", "atrapalhando" a vida do povo, tendo "baixa adesão" e "só tendo baderna e destruição".

Esperamos que Sandra Annenberg dê a volta por cima e que, se for para alterar algum comportamento, que seja quando se comove diante de tragédias, sobretudo envolvendo colegas de profissão.

Felizmente, não a vejo como cúmplice desse "jornalismo de guerra", a exemplo de outros antes bons jornalistas que acabaram "emparelhados", como Miriam Leitão e William Waack.

Pelo menos Sandra tem o apoio do companheiro Ernesto e deve se sair dessa dignamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…