Pular para o conteúdo principal

GRANDE MÍDIA ADMITE DESCARTAR AÉCIO NEVES


A grande mídia, de repente, passou a admitir a corrupção de membros do PSDB.

E Aécio Neves, antes blindado até os glóbulos, passou a ter denúncias divulgadas.

Desta vez, é um esquema de propinas, revelado por delação da Odebrecht, que iam para a conta da irmã de Aécio, Andrea Neves.

Veja, que chegou a defender o senador e presidente nacional do PSDB, agora põe, na edição de 05 de abril de 2017, uma denúncia sobre ele na capa.

Outros veículos seguem o mesmo caminho.

A grande mídia mudou? Virou imparcial? Não.

O que a mídia talvez esteja fazendo é tornando a plutocracia política ainda mais austera.

Tucanos e gente como Jair Bolsonaro têm seus escândalos difundidos pela grande mídia.

Os barões da grande mídia ainda não tiveram consenso em que alternativa defenderem para o Palácio do Planalto.

O que se sabe é que a mídia tenta agora criar um falso heroísmo, um arremedo de ativismo que se viu nos tempos das Diretas Já e do Fora Collor.

Talvez a mídia venal tente dar uma falsa impressão de que está reagindo à velha política.

É isso que se vê quando ela admite veicular denúncias sobre Aécio, Geraldo Alckmin, José Serra etc.

O fato risível é que Aécio e Andrea divulgaram vídeos reclamando de "tanto ódio" contra os dois.

Vejam só quem fala. Durante a crise do governo Dilma Rousseff, Aécio foi um dos que levantaram o coro dos rancorosos das mídias sociais para pedir a saída da presidenta.

Aécio ia lá convocando as manifestações dos "coxinhas", com camisas da CBF e endeusando um pato inflável de borracha.

Aécio mordia os beiços por não ter vencido as eleições presidenciais de 2014.

Articulou toda uma sabotagem política, aliado a setores da Justiça e da mídia, e se mobilizou para o desgoverno político de hoje.

Pagou o preço de tanta valentia. Hoje Aécio não consegue ser favorito para as eleições de 2018.

É descartado no próprio partido que preside pela ascensão do prefeito de São Paulo, o também empresário João Dória Jr..

Com ciúme, Aécio recomendou "cautela e caldo de galinha" para Dória diminuir sua euforia.

Enquanto isso, a terceirização e o congelamento de gastos públicos comprometem as atividades dos brasileiros comuns.

A plutocracia política parece que veio para ficar e, embora surjam eventuais esperanças de volta do PT ao poder, parece que tudo isso será um sonho distante.

Embora políticos do PSDB, PMDB, DEM, PP e PPS, entre outros direitistas, possam ser denunciados por escândalos, as elites sempre lutarão para ter um conservador no poder.

Nem que ele seja um astro de televisão ou um empresário em boa conta na alta sociedade.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…