Pular para o conteúdo principal

O EQUÍVOCO DO PROTESTO ANTI-GLOBO, NO ÚLTIMO 31 DE MARÇO


Viver numa sociedade hipermidiatizada tem dessas coisas.

O indivíduo adota os valores da grande mídia e não percebe que está sendo manipulado.

Ele protesta contra a grande mídia, mas assimilou seus valores, suas gírias, seus hábitos, seus modos de ver o mundo.

E aí situações como o protesto contra a Rede Globo de Televisão, ocorrido em 31 de março passado, no Jardim Botânico, Rio de Janeiro, se revelam um equívoco.

Em primeiro lugar, foi na data que coincidiu com a grande manifestação no centro carioca.

Que manifestação isolada e fragmentada foi marcada para aquele dia não se sabe que motivo.

E isso quando, diante da cegueira dos políticos e juristas, entre outros "líderes" plutocráticos, é necessário que todo o país fizesse uma só manifestação, em Brasília.


A ocupação da Rede Globo nem parece ter incomodado os funcionários e o porteiro da sede da emissora.

Creio que o protesto foi pueril, inócuo.

Pode não ser aquele "protesto anti-Globo" feito por falsos opositores da Globo que adotam essa postura só para impressionar os outros com uma bandeira jovem.

Mas tem seu grave erro: o de usar o "funk" como trilha sonora do protesto.

Usaram até um dos sucessos mais comerciais, "Ela é Top", do MC Bola, a tal da "capa de revista", numa sátira forçada e sem muita graça.

Além disso, há uma grande insensatez nos manifestantes usarem o "funk" no protesto anti-Globo.

O "funk" é cria das Organizações Globo.

Quem acompanhar qualquer veículo das Organizações Globo, entre 2003 e 2005, quando o "funk" tentava vender uma pretensa imagem socializante, o ritmo estava onipresente na corporação dos irmãos Marinho.

A Rede Globo inseria o "funk" em tudo quanto era programa. Os mais dedicados eram o Globo Esporte e o Caldeirão do Huck.

Mas o "funk" era empurrado até em festas de trintão classe média (seriado Sob Nova Direção) e em tudo quanto era novela, não só no núcleo pobre, mas no núcleo jovem, mesmo o rico.

Até personagens de Casseta & Planeta foram criados para servir de "escada" para os funqueiros darem uma de "geniais": MC Ferrow e MC Deu Mal.

As relações do "funk" com a mídia venal são de plena cumplicidade.

Quem propôs o Dia Estadual do Funk no Rio de Janeiro não foi um político do PT ou PSOL, mas o ex-secretário do então prefeito carioca Eduardo Paes, André Lazaroni, que integrou a chapa "Aezão", que em 2014 apoiou Luiz Fernando Pezão para governador e Aécio Neves presidente.

Luciano Huck é o "embaixador do funk", escolhido pela Furacão 2000 que fingiu apoiar Dilma Rousseff naquele tenso 17 de Abril do ano passado.

A gíria "é o caldeirão" é um agradecimento dos funqueiros ao apoio incondicional de Huck.

Mesmo MC Leonardo nada seria se não fosse o empurrãozinho de José Padilha, cineasta ligado ao Instituto Millenium e admirador do trabalho de Sérgio Moro na Operação Lava Jato.

A propósito, a manifestação anti-Globo ocorreu poucos dias depois de Valesca Popozuda aparecer mais uma vez no programa The Noite, de Danilo Gentili.

Gentili é um dos propagadores do "ideal coxinha", e a banda de apoio do programa é o Ultraje a Rigor, com Roger Rocha Moreira, um dos porta-vozes da direita nativa.

A funqueira "feminista", quando houve um incidente de estupro coletivo relacionando machismo e "funk", foi passear com uma vencedora do Big Brother Brasil.

E aí os manifestantes anti-Globo usam o "funk" como trilha sonora, ainda que seja com tocadores de tambor e não DJ.

Ainda assim, soa como um protesto do seis contra a meia-dúzia.

O "funk" tem até hit inspirado na vinheta do plim-plim: "Aquecimento da Globo". Está no YouTube.

Se o uso do "funk" foi uma paródia, será que os manifestantes anti-Globo também fariam o mesmo com "Rebelde Sem Causa", do Ultraje a Rigor, e "O Rock Errou" de Lobão?

Ou então "Mãe é Mãe", do Casseta & Planeta?

Mas se usaram o "funk" como "arma" anti-Globo, caíram no ridículo.

E aí me lembra aquele quadro do Marcelo Adnet parodiando o manifestante anti-Globo no "Tá No Ar, a TV na TV".

O pessoal deveria rever os métodos de mobilização, pois protestar contra a Globo usando a "prata da casa" não surte efeito algum.

Pelo contrário. A Globo sai fortalecida, como se não bastasse imperar na TV paga com a debandada de três concorrentes vindas da TV aberta.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…