Pular para o conteúdo principal

BREGA-POPULARESCOS ESTÃO COM AÉCIO NEVES


Contrariando o estigma do brega-popularesco como um pretenso "bolchevismo cultural" - mito inventado por intelectuais pró-brega que surgiram apoiando o PSDB mas hoje, esquerdistas-de-conveniência, vivem das verbas financeiras do Ministério da Cultura petista - , boa parte dos ídolos do ramo declararam seu apoio a Aécio Neves para conquistar a Presidência da República.

O apoio mais explícito se dá aos chamados "sertanejos", dos quais se surpreende o respaldo de Zezé di Camargo, antes um dos símbolos maiores do suposto esquerdismo brega através do filme Os Dois Filhos de Francisco, Seu genro, Marcus Buaiz, marido da cantora Wanessa, é um dos ativistas da campanha do tucano.

Com Zezé, estão também os colegas de gênero Chitãozinho & Xororó, Leonardo, Christian (da dupla Christian & Ralf), Victor e Léo e Gian e Giovani. Os Inimigos da HP, assim como o axézeiro Tuca Fernandes, também sinalizaram apoio a Aécio Neves.

A maior parte dos ídolos da axé-music, do "pagode romântico", do brega mais romântico e até das chamadas "boazudas" se abstém de dizer sua opção de voto. No entanto, é possível que vários deles apoiem Aécio Neves, mas não assumem publicamente para não comprometerem o apelo popular que possuem frente ao grande público, em boa parte eleitor de Dilma Rousseff.

Os funqueiros também se abstém da declaração de voto, embora, por razões de conveniência, sinalizem, em tese, uma opção a Dilma mais visando um vínculo com as mobilizações em torno do movimento LGBT ou das verbas passadas pelo Ministério da Cultura através da Lei Rouanet. Já no caso de Mr. Catra, ele preferiu mesmo se abster, garantindo que não vai votar em Dilma.

Por sua vez, o maior divulgador da causa funqueira em todo o Brasil, o apresentador e empresário Luciano Huck - responsável pelo sucesso de nomes como o citado Mr. Catra - declarou seu apoio a Aécio Neves, seu amigo pessoal.

Todavia, o apoio a Dilma Rousseff se ancora em nomes da MPB autêntica, como Chico Buarque (cuja opção é compartilhada por sua ex-mulher, a atriz Marieta Severo), Alceu Valença, Nelson Sargento, Yamandu Costa, Elza Soares, Nação Zumbi, Beth Carvalho, Céu, Leci Brandão e Zezé Motta.

Dois nomes da MPB cooptados pelo esquema comercial do brega Michael Sullivan (um dos que se abstiveram) dividiram-se nas opções declaradas: enquanto Raimundo Fagner declarou apoio a Aécio neves, a sambista Alcione declarou apoio a Dilma Rousseff.

Da MPB e do Rock Brasil, os que declararam apoio a Aécio Neves, entre outros, são Beto Guedes, José Geraldo Moreira, do 14 Bis, que por ironia é apelidado de Vermelho (cor associada ao esquerdismo) e Jane Duboc, além dos roqueiros Lobão e Roger Rocha Moreira,

A Velha Guarda da Mangueira também expressou seu apoio ao ex-governador de Minas Gerais, assim como o grande estudioso e ex-produtor de eventos de Música Popular Brasileira, Zuza Homem de Mello.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…