Pular para o conteúdo principal

O ESTRANHO FEMINISMO DA "LIBERDADE DO CORPO"

GEISY ARRUDA - A "LIBERDADE DO CORPO" E O "DIREITO DO DESEJO" TAMBÉM SÃO MERCADORIA.

O Brasil é um país provinciano, historicamente marcado por um "iluminismo" que não negava valores escravagistas. Hoje temos um ativismo social dotado de muito surrealismo, em que mesmo mulheres defendem um "feminismo" de moldes machistas, usando a desculpa da "liberdade do corpo".

Dentro das perspectivas populistas da intelectualidade "bacana" - aquela que adota o "bom etnocentrismo" supostamente "sem preconceitos" de ver que o povo só é bom quando é mantido em seus valores grotescos - , um artigo publicado no Diário do Centro do Mundo tem essa visão "feminista" tida como "provocativa", dessas "provocações" que atraem verbas de George Soros.

O texto, escrito por Nathali Macedo, glamouriza a vulgaridade feminina, com argumentos como "despudorada" e "dona de si". O artigo tenta parecer moderno, mas apela para aquela ideia um tanto mofada do "direito do corpo", espécie de justificativa para certas mulheres, de preferência as que parecem ter "apelo popular", vivam apenas de "sensualizar".

É um feminismo estranho, que compactua com o machismo e que, na melhor das hipóteses, gera o ativismo sensacionlista do Femen e, na pior das hipóteses, garante a zona de conforto das "boazudas" brasileiras de serem "100% corpo" e "0% de intelecto", por mais que tentem parecer "pensadoras" ou "ativistas" até aos olhos de professores e etnógrafos "também provocativos".

COMPARAÇÕES

Acabei de ler um texto sobre as impressões da atriz Emma Watson sobre seu discurso feminista na ONU e fico pensando o quanto a ex-atriz mirim que participou da saga Harry Potter está à frente do tempo. Ela havia dito:

"Tenho a sorte de ter sido criada para acreditar que a minha opinião na mesa de jantar era valiosa. Minha mãe e eu falamos tão alto quando os meus irmãos".

Quanta diferença em relação ao que o texto de Nathali escreveu:

"A mulher vulgar – esta inventada pelo moralismo velado – é aquela que tem medo de mostrar-se tal qual ela é. É quem não esconde os seus desejos, as suas propensões promíscuas – as quais, em maior ou menor proporção, todas têm. É o modo sutil que a sociedade encontrou de ditar-nos o comportamento, de conter-nos a liberdade, de – como sempre o fez – nos rotular. Vulgar é a amante, a Geni, a meretriz. Somos vulgares quando não camuflamos nossos desejos".

Emma disse que o feminismo não é prescritivo nem dogmático. Aparentemente, o argumento poderia ser a favor das "feministas" soros-positivas daqui, de uma "liberdade do corpo" que, apesar de servida de bandeja nas retóricas esquerdistas, não causa o menor pavor nas "urubólogas" que se pavoneiam nos rincões mais reacionários da mídia direitista.

Só que a tal "liberdade do corpo" ou a "liberdade do desejo" tornam-se dogmas, quando as mulheres são simbolicamente associadas a um "apelo popular" precisam "provocar" explorando demais o corpo físico, se comportando de forma arrogante, exibicionista e não raro estúpida.

Neste caso, as "feministas" que se encontram no seio das "esquerdas médias" - aquelas que se aquietam à menor gorjeta oferecida por George Soros e escondida sobre as verbas estatais - entram em séria contradição quando se trata de avaliar a imagem da mulher nas campanhas publicitárias para o público de classe média e no entretenimento supostamente "popular".

A contradição se dá quando essas ativistas cobram dos filmes publicitários romper com os estereótipos idiotizantes que tais produções fazem das mulheres de classe média. Essas ativistas reclamam da imagem trabalhada que mostra mulheres imbecilizadas, consumistas, alopradas.

Mas quando o assunto é do lado do "popular", com "musas" como Solange Gomes, Andressa Urach e Geisy Arruda cometendo gafes, o discurso vira outro: a imagem idiotizada da mulher-objeto, com todo seu consumismo, é associada à "falta de pudor", à "sinceridade" e à "liberdade", quando não é visto, pasmem, como "causas libertárias".

A imagem da mulher popular é trabalhada, por esse "feminismo de esquerda" que a "urubologia" de direita tanto gosta, para manter estereótipos piores do que aqueles que o mercado publicitário trabalha da mulher brasileira. E esses "bons estereótipos" acabam reforçando outros, porque o "direito ao desejo" ou a "liberdade do corpo" cedo ou tarde voltam para a pauta do brainstorming publicitário.

MULHER VULGAR NÃO É MULHER LIVRE

O grande problema não é a mulher gostar de cerveja ou futebol ou de querer gritar com um homem de vez em quando. O grande problema é quando a grosseria, a vulgaridade, o erotismo forçado, tornam-se regras para a "liberdade feminina" em que a mulher associada a um contexto ativista ou popular só têm sentido quando adere à promiscuidade, ao meretrício e outros símbolos similares.

Só que a vulgaridade feminina não é liberdade. Não mesmo. E nem é tão feminista quanto se parece. Lá fora se questionam atitudes supostamente feministas de Miley Cyrus e Beyoncé Knowles que aqui parecem "unanimidade" num feminismo de resultados, em que a mulher "popular" tem obrigação de ser grosseira e estúpida, mas falsamente inteligente e pseudo-ativista, para ter sentido.

Se ela não anda de trajes sumários em dias de muito frio ou se publica fotos comportadas no Instagram, ela "não é livre". As "feministas" brasileiras, ainda iludidas num feminismo que se afirma tão somente pela rejeição às demandas masculinas, não sabem que isso expressa um machismo ainda mais convicto, já que tudo não passa de um jogo de cão-e-gata que excita os machistas.

É só ver o outro lado. O machismo não quer, necessariamente, uma mulher meiga. Ele quer é uma "mulher gostosa". A prostituição, tida como "causa libertária" por esse ativismo de resultados das "esquerdas médias", já desnorteadas pelas pregações "provocativas" da intelectualidade "bacaninha", é um dos maiores recreios dos machistas mais convictos.

A vulgaridade feminina, apoiada nos pretextos de "liberdade do corpo" e "direito do desejo", na verdade escondem o outro aspecto, que é a da mercantilização do corpo, da sensualidade, que no caso das mulheres com aparente apelo popular se transforma numa obsessão bem ao gosto do sensacionalismo midiático e do mercado publicitário.

É só ver como as peças se juntam. Numa mesma rede de TV aberta, se alterna a imagem publicitária da dona-de-casa retardada do comercial de detergente e da "corajosa" sub-celebridade que expressa "seu livre direito de sensualizar", sem que uma represente o contraponto de outra e, principalmente, sem que a mulher vulgar ameace o sossego debiloide da mulher idiota do comercial de TV.

O que também essas ativistas não sabem é que as mulheres vulgares seguem ordens de empresários que manipulam até suas vidas amorosas. Mas como são empresários comprometidos com um entretenimento dito "popular", isso se deixa passar, porque os empresários são "muito pobrezinhos" (apesar de terem dinheiro para comprar latifúndios" e lidam com um lazer "libertário" (sic).

Sim, elas, "donas de seu nariz", "senhoras de seu desejo", "proprietárias de seu corpo", seguem orientações de um grupo de homens, que promovem um machismo muito pior do que aquele que "só quer" mulheres meigas, castiças e feitas à imagem e semelhança das mocinhas de contos infantis.

E, para piorar mais ainda, a "liberdade do corpo" e o "direito do desejo" tornam-se ainda mais constrangedoras quando se nota que muitos dos "corpos livres" das mulheres "donas de seu nariz", mas controladas por uma minoria de homens, são "esculpidos" por bolsas de silicone e perigosos remédios anabolizantes. A liberdade feminina vale bolsas de silicone?

Daí que, no contexto do "livre mercado" do capitalismo predatório e excludente, da "liberdade de imprensa" de uma elite fechada de jornalistas preconceituosos, a "liberdade do corpo" da mulher vulgar é a opressão da alma na obsessão do "sensualismo" como um fim em si mesmo, da auto-afirmação do corpo sem qualquer afirmação de personalidade.

Por isso, me envergonha essa visão atrasada e provinciana das "feministas" brasileiras. Antes de querer o "direito ao corpo", a mulher deveria ter o direito da alma, da expressão de sua personalidade, do seu pensamento, de sua busca de conhecimentos.

A mulher pode ser livre para tomar cerveja ou até a ver futebol (sem fanatismos, claro). Mas tem o direito também de ser meiga, de ser sensível e carinhosa, e de vestir roupas discretas. A verdadeira liberdade do corpo é também a liberdade de guardar o corpo para si, em vez de investir no sensualismo obsessivo e sem contexto, que mais humilha do que liberta.

Talvez as nossas "feministas" tenham que ver um pouco de Harry Potter, para prestar atenção na mulher moderna que esteve por trás da bruxinha Hermione, em vez de defender um suposto feminismo que não causa o menor incômodo nos machistas brasileiros.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

ABSOLVIÇÃO DE GLEISI E PAULO BERNARDO PELO STF E O CASO LULA

A segunda turma do Supremo Tribunal Federal absolveu o casal Gleisi Hoffmann, senadora e presidenta do Partido dos Trabalhadores, e Paulo Bernardo, ex-ministro dos governos Lula e Dilma Rousseff, da acusação de corrupção passiva e lavagem de dinheiro.

Os dois eram acusados, juntamente com o empresário Ernesto Kugler, de participarem de suposto esquema de corrupção que envolveu também a Petrobras.

Esse esquema seria um desvio de dinheiro para a campanha de Gleisi para senadora em 2010.

As acusações foram baseadas em delações feitas para a Operação Lava Jato, por Paulo Roberto Costa, ex-diretor da estatal, e o doleiro Alberto Yousseff, e carecem de provas consistentes.

Na votação, os ministros do STF, Luiz Edson Fachin, relator, e Celso de Mello, revisor, decidiram absolver Gleisi das acusações, mas condená-la por falsidade ideológica e caixa dois.

Os demais ministros, Dias Toffoli, Gilmar Mendes e Ricardo Lewandowski, votaram pela absolvição total, por verem que as delações eram contr…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …