Pular para o conteúdo principal

RENAN CALHEIROS É A "VIDRAÇA" DA VEZ NO INFERNO ASTRAL DO GOVERNO TEMER


Depois que estourou o caso do edifício La Vue, de Salvador, pivô da renúncia do ministro da Cultura, Marcelo Calero, e de suas revelações que derrubaram outro ministro, o "ministro de secretaria" Geddel Vieira Lima, o governo Michel Temer naufraga numa crise sem controle.

Agora é a vez do pacote anticorrupção, que irritou setores da sociedade por causa do item que prevê punição para abusos de juízes e procuradores.

O panelaço repentino de anteontem protestava sobretudo contra a exigência de Renan Calheiros para que o Senado Federal, que recebeu o texto do pacote anticorrupção aprovado na Câmara dos Deputados, votasse em regime de urgência.

Isso praticamente derrubou Renan Calheiros, presidente do Senado e, por conseguinte, do Congresso Nacional.

A Lava Jato, que se tornou um "partido político" à parte, tenta afastar a imagem de "caçadora de petistas" visando agora políticos do PMDB.

Eduardo Cunha, ex-deputado federal, e Sérgio Cabral Filho, ex-governador fluminense, foram alguns dos presos.

Agora Renan Calheiros vive seus dias de Eduardo Cunha.

Ele virou réu por peculato, ou seja, desvio de dinheiro público, para uma locadora de serviços que, segundo a Procuradoria-Geral da República, não prestou serviços em Maceió, Alagoas.

A decisão de fazer Renan virar réu foi dada pelo Supremo Tribunal Federal.

O caso está sob investigação e não tem relação com a Operação Lava Jato.

Renan é um dos beneficiados do esquema de corrupção da Petrobras, o que é um outro caso.

Mesmo assim, a transformação de Renan em réu, nesse clima de catarse coletiva, é como se a Lava Jato tivesse reagido à punibilidade de magistrados pelo pacote aprovado pelo Legislativo.

Renan é uma das "velhas raposas" da política brasileira.

Mesmo assim, ele está sendo agora marcado negativamente, como se vivesse seus últimos dias como senador e, sobretudo, como presidente do Senado, por conveniências político-jurídicas.

Quando era conveniente, havia torcida para Renan Calheiros presidir o Senado Federal, sucedendo José Sarney.

Alagoano, Renan era um parceiro político do então presidente Fernando Collor, no começo dos anos 1990.

Renan também era da base aliada dos governos petistas e acompanhou Temer e a maioria do PMDB na traição a Dilma Rousseff.

O presidente do Senado fez tudo para que Dilma Rousseff fosse afastada do poder, e protestou contra a anulação da votação de abertura do impeachment pela Câmara dos Deputados, naquele 17 de abril último.

Até pouco tempo atrás, Renan era o político útil para a realização do governo plutocrático do presidente Temer.

Mas hoje, com o próprio Temer vivendo seu inferno astral, abalado pelo caso Geddel e agora pela impopularidade que atinge até a antes festejada PEC do Teto, a situação está confusa.

Ninguém se iluda em achar que, com o fim do governo Temer, venha um período de bonança ou de tempestade controlada.

A crise ainda está no começo e, se houver uma eleição indireta, que indicará um sucessor provavelmente tucano.

Sendo um presidente biônico, o povo reagirá ainda mais, com muitos protestos de rua.

O Brasil ultimamente mergulhou num cenário de muita confusão e mais insegurança. O país continua à deriva.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…