Pular para o conteúdo principal

OS DESLIZES DE RAIMUNDO FAGNER


Raimundo Fagner acabou sendo tragado pela tsunami comercial da grife Sullivan & Massadas.

E virou um dos nomes mais conservadores da música brasileira.

Deixou para trás o grande cantor cearense que chegou a fazer dueto com a digníssima e saudosa Mercedes Sosa.

Fez recentemente uma música em homenagem ao juiz midiático Sérgio Moro, cuja atuação tendenciosa e parcial deixa os mais renomados juristas brasileiros de cabelos em pé.

Fagner virou, como lembra o Diário do Centro do Mundo, o "Lobão da MPB".

Fagner e Lobão haviam sido artistas admiráveis e, realmente, possuem talento para fazer boas melodias e lançar boas obras.

Mas estão queimados pelo reacionarismo um tanto oportunista e cego.

E irresponsavelmente necrófilo.

Lobão certamente não usou Cazuza, seu antigo BFF, para as passeatas "coxinhas" que pediram a derrubada do governo Dilma Rousseff.

Cazuza - que provavelmente, sem ser petista, teria defendido a permanência de Dilma - foi usado pelos próprios organizadores: MBL, Revoltados On Line, Vem Pra Rua etc.

O Capital Inicial, para homenagear Sérgio Moro, usou uma composição de Renato Russo numa apresentação em Curitiba.

Imagino Renato Russo, se estivesse vivo, ralhando para Dinho Ouro Preto: "Sacanagem, né, cara? Você podia pelo menos fazer uma música do próprio punho para homenagear esse juiz!".

Fagner usou Luiz Gonzaga Jr., o Gonzaguinha, que era comunista, através da música "Guerreiro Menino".

Não sabemos como Gonzaguinha se comportaria se estivesse vivo. Mas é provável que não gostasse.

Antigo ícone do movimento de artistas cearenses da MPB dos anos 1970, Fagner perdeu o caminho da boa música brasileira.

Se aliou ao "poderoso chefão" Michael Sullivan, um capitalista voraz e venal da música brasileira, que foi denunciado por Alceu Valença por ameaçar destruir a MPB.

Sullivan, com seu então parceiro Paulo Massadas, fez "Deslizes" e entregou a Fagner, escoltado ainda por um Robertinho de Recife usando seu bom talento guitarrístico para serviços sujos.

Michael Sullivan ditava normas copiadas do hit-parade norte-americano de anos atrás, como se fosse um Roberto Campos empurrando matéria-prima obsoleta de fora para a indústria brasileira.

Sullivan tinha o suporte da Rede Globo de Televisão e da RCA estadunidense.

Ele completou o trabalho de Lincoln Olivetti (este com o parceiro Robson Jorge), que pasteurizou a MPB dos anos 1970 e eliminou dela sua intensa força musical.

A esse "crime perfeito", Olivetti e Jorge, já falecidos, se juntaram a Sullivan & Massadas para compor "Amor Perfeito" e chamaram Roberto Carlos, notório conservador da nossa música, para cantar.

Com isso, puderam cantar "Então Vem" para o "popular demais" do brega-popularesco a ser difundido pelas rádios oligárquicas apadrinhadas pelos "coronéis" Antônio Carlos Magalhães e José Sarney.

Criando uma linhagem que ia de chitões e belos a safadões e popozudas tocadas em FMs "muito populares", mas vinculadas ao coronelismo midiático.

Dá pena Michael Sullivan reaparecer, nos últimos anos, como um "coitadinho".

O cara que quis destruir a MPB pedindo para a MPB lhe carregar pelos braços numa retomada artística.

Serviçal da indústria fonográfica multinacional, Sullivan queria se relançar como "indie", como "alternativo" e "vanguardista", tentando ser o oposto do que é e sempre foi.

Como um Mário Kertèsz, na Bahia, filhote da ditadura lançado pela ARENA, machista e canastrão midiático, que depois tentou ser "dono das esquerdas" sendo o "astro-rei" de sua Rádio Metrópole FM, a "CBN de porre" (se a própria CBN hoje já está de porre...).

É aquela coisa do ultrarreaça que quer voltar ao poder e banca o "reconciliador".

E aí Sullivan fez uma "boa escola" para Fagner, lhe inserindo valores do ultracomercialismo musical.

Tomando gosto com essa Disneylândia musical, Fagner conheceu também o "paraíso" da plutocracia midiática.

Fagner foi apoiar a campanha de Aécio Neves em 2014.

E aí se encontrou com Sérgio Moro num prêmio sobre "diferença" promovido pelas Organizações Globo.

E deu no que deu na amizade dos dois, só faltando um encontro triunfal no Domingão do Faustão.

E tudo isso se deu por causa de "Deslizes".

E com um empurrão do "injustiçado" Michael Sullivan, só pôde ver a "justiça" a partir do juiz amigo do Aécio Neves.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…