Pular para o conteúdo principal

BIBLIOTECA NACIONAL CONFUNDE O DIA PARANAENSE COM O DIA CARIOCA


Está certo que Rio de Janeiro e Curitiba estão sendo mais parecidos hoje em dia.

Antigas "cidades-modelo" que vivem suas profundas e trágicas decadências sociais.

Antros de reacionarismo ideológico que, juntos, derrubaram Dilma Rousseff e botaram a plutocracia no poder.

O Rio de Janeiro elegeu Eduardo Cunha, que antes de ser politicamente defenestrado "degolou" a presidenta, e deixou como legado um projeto político mesclado com o projeto eleitoral de Aécio Neves, criando um engodo defendido pelo presidente Michel Temer.

A Curitiba é o quartel-general da Operação Lava-Jato, do juiz midiático Sérgio Moro e do procurador Deltan Dallagnol, dos eslaides de Power Point.

E também Curitiba e Rio de Janeiro se unem pelos terríveis ônibus padronizados, quando diferentes empresas de ônibus ostentam o mesmo visual, algo que se revelou decadente e sem funcionalidade.

A Curitiba de Jaime Lerner é o Rio de Janeiro de Alexandre Sansão, um cara que demonstra nunca ter passeado de ônibus pra valer na vida.

(Vamos ver se Fernando McDowell, que reprova os ônibus "padronizados", vai devolver o direito das empresas de mostrar a "própria cara").


Apesar das semelhanças, é estranho ver o acervo da Biblioteca Nacional, procurar por jornais cariocas, se animar com a presença do jornal O Dia (ver imagem acima) e depois se deparar com o jornal O Dia... de Curitiba (ver imagem abaixo).


Isso confunde o pesquisador que quer encontrar o acervo antigo de um dos jornais cariocas em circulação.

Seria uma curiosidade ver como era o jornal O Dia em tempos muito distantes do semi-popularesco periódico de hoje, que nem de longe preencheu as lacunas do Jornal do Brasil quando deixou a versão impressa (hoje só existe na Internet).

Mas aí o que temos é um jornal de Curitiba, que apenas coincide com o nome.

Está certo que Curitiba e Rio de Janeiro se uniram, com o carioca Eduardo Cunha eleito para a Câmara dos Deputados e escolhido presidente da casa, e o juiz paranaense Sérgio Moro se empenhando para pavimentar a volta da plutocracia ao poder.

Mas são cidades diferentes, por mais "irmãs" que fossem no seu período ao mesmo tempo de prepotência sócio-política e decadência sócio-cultural.

Espera-se que a Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional corrija o erro e coloque o jornal O Dia de Curitiba na lista de jornais do Paraná.

Pelo menos para facilitar a vida dos pesquisadores, para evitar levar um "zero" tomando um jornal curitibano como se fosse carioca.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…