AUMENTO DE AUDIÊNCIA DA REDE GLOBO FOI UM BLEFE

JABACULÊ - Sintonia em estabelecimentos comerciais faz aumentar artificialmente os índices de audiência de rádios e TVs.

Anunciou-se que a Rede Globo de Televisão aumentou seus índices de audiência de maneira satisfatória.

Seus noticiários alcançaram quatro pontos acima da média.

A audiência registrada é em São Paulo, que serve de termômetro para a audiência nacional das grandes redes.

Jornal Nacional e Fantástico, aparentemente, vivem seus melhores desempenhos, segundo os institutos de pesquisa.

Mas tudo isso esconde uma realidade: a "grande audiência" é um blefe.

Você não sente isso se refletir nas ruas, na realidade.

É como nas emissoras FM, e é notório, por exemplo, o caso de Salvador, na Bahia.

Lá, rádios como Metrópole, Salvador, Transamérica, Tudo e CBN maquiam baixíssimos índices de audiência com sintonias compradas em estabelecimentos comerciais.

A coisa funciona desta forma.

Primeiro, a iniciativa de sintonizar a rádio parte do gerente de um estabelecimento.

Segundo, calcula-se o número de fregueses do estabelecimento e os contabiliza.

Terceiro, entrega para o Ibope o número desses fregueses e, pronto, a rádio da noite para o dia está "bombando no Ibope".

Só que essa armação, um típico jabaculê no qual produtores de rádio chegam a pagar o fornecimento de bebidas em bares ou a conta de luz das lojas para elas sintonizarem a emissora, sobretudo durante partidas esportivas, nem de longe empolga os ouvintes.

Todos saem indiferentes. Em muitos estabelecimentos, nem o gerente ouve a rádio.

Em lojas com uma média diária de 4 mil fregueses, por exemplo, a audiência de uma emissora, atribuída a esses quatro milhares, na verdade pode ser, simplesmente, nula.

É um rádio sintonizado...para ninguém. Apenas como um "jabá" para favorecer a loja, aumentar artificialmente a audiência da emissora de rádio e enganar os anunciantes.

Há também casos de audiências "compradas" de porteiros de prédios, taxistas e frentistas de postos de gasolina, através de sindicatos.

Para não irritar os anunciantes, há casos de papelarias e livrarias pagas pelas rádios para sintonizar emissoras durante partidas de futebol, visando um abatimento no horário publicitário.

Algo aparentemente mais justo, mas que irrita as pessoas. Afinal, livrarias e papelarias não são arquibancadas de estádios, e tem gente que vai para uma livraria para estudar para concurso e a transmissão esportiva atrapalha.

A armação já começa a vingar também no Rio de Janeiro. Um dos focos mais visados são as bancas de jornais, mas recentemente farmácias também foram beneficiadas com a sintonia comprada.

E agora chega à televisão.

A Globo influi sobretudo em bares, salões de beleza, consultórios, clínicas e barbearias.

Sintonias assim podem ser apenas apreciadas por uns "gatos pingados".

Mas todo mundo acaba sendo responsabilizado pela audiência.

Segundo esse raciocínio, se um pai-de-santo estiver almoçando num restaurante sintonizado na Rede Record, mesmo indiferente à emissora ele é responsabilizado pela audiência.

E olha que a Igreja Universal do Reino de Deus, dona da emissora, hostiliza os cultos afro-religiosos.

A Rede Globo armou esse blefe para ficar bem na fita nesses tempos de Brasil temeroso.

Mas a verdade é que o império midiático se desgasta e, em certos casos, como o programa Caldeirão do Huck, do "filantropo" Luciano Huck, não dá para esconder a queda de audiência.

A maioria dos programas da Globo é de uma mesmice debiloide, com todo o respeito que possamos dar à parcela de profissionais competentes que têm que compactuar com tudo aquilo, para o interesse dos patrões.

O que se sabe é que a velha mídia não podia ter mesmo grande audiência.

Até porque o Brasil temeroso não é o Brasil da maioria.

É uma minoria mesmo que gosta da Rede Globo.

Comentários