Pular para o conteúdo principal

AUMENTO DE AUDIÊNCIA DA REDE GLOBO FOI UM BLEFE

JABACULÊ - Sintonia em estabelecimentos comerciais faz aumentar artificialmente os índices de audiência de rádios e TVs.

Anunciou-se que a Rede Globo de Televisão aumentou seus índices de audiência de maneira satisfatória.

Seus noticiários alcançaram quatro pontos acima da média.

A audiência registrada é em São Paulo, que serve de termômetro para a audiência nacional das grandes redes.

Jornal Nacional e Fantástico, aparentemente, vivem seus melhores desempenhos, segundo os institutos de pesquisa.

Mas tudo isso esconde uma realidade: a "grande audiência" é um blefe.

Você não sente isso se refletir nas ruas, na realidade.

É como nas emissoras FM, e é notório, por exemplo, o caso de Salvador, na Bahia.

Lá, rádios como Metrópole, Salvador, Transamérica, Tudo e CBN maquiam baixíssimos índices de audiência com sintonias compradas em estabelecimentos comerciais.

A coisa funciona desta forma.

Primeiro, a iniciativa de sintonizar a rádio parte do gerente de um estabelecimento.

Segundo, calcula-se o número de fregueses do estabelecimento e os contabiliza.

Terceiro, entrega para o Ibope o número desses fregueses e, pronto, a rádio da noite para o dia está "bombando no Ibope".

Só que essa armação, um típico jabaculê no qual produtores de rádio chegam a pagar o fornecimento de bebidas em bares ou a conta de luz das lojas para elas sintonizarem a emissora, sobretudo durante partidas esportivas, nem de longe empolga os ouvintes.

Todos saem indiferentes. Em muitos estabelecimentos, nem o gerente ouve a rádio.

Em lojas com uma média diária de 4 mil fregueses, por exemplo, a audiência de uma emissora, atribuída a esses quatro milhares, na verdade pode ser, simplesmente, nula.

É um rádio sintonizado...para ninguém. Apenas como um "jabá" para favorecer a loja, aumentar artificialmente a audiência da emissora de rádio e enganar os anunciantes.

Há também casos de audiências "compradas" de porteiros de prédios, taxistas e frentistas de postos de gasolina, através de sindicatos.

Para não irritar os anunciantes, há casos de papelarias e livrarias pagas pelas rádios para sintonizar emissoras durante partidas de futebol, visando um abatimento no horário publicitário.

Algo aparentemente mais justo, mas que irrita as pessoas. Afinal, livrarias e papelarias não são arquibancadas de estádios, e tem gente que vai para uma livraria para estudar para concurso e a transmissão esportiva atrapalha.

A armação já começa a vingar também no Rio de Janeiro. Um dos focos mais visados são as bancas de jornais, mas recentemente farmácias também foram beneficiadas com a sintonia comprada.

E agora chega à televisão.

A Globo influi sobretudo em bares, salões de beleza, consultórios, clínicas e barbearias.

Sintonias assim podem ser apenas apreciadas por uns "gatos pingados".

Mas todo mundo acaba sendo responsabilizado pela audiência.

Segundo esse raciocínio, se um pai-de-santo estiver almoçando num restaurante sintonizado na Rede Record, mesmo indiferente à emissora ele é responsabilizado pela audiência.

E olha que a Igreja Universal do Reino de Deus, dona da emissora, hostiliza os cultos afro-religiosos.

A Rede Globo armou esse blefe para ficar bem na fita nesses tempos de Brasil temeroso.

Mas a verdade é que o império midiático se desgasta e, em certos casos, como o programa Caldeirão do Huck, do "filantropo" Luciano Huck, não dá para esconder a queda de audiência.

A maioria dos programas da Globo é de uma mesmice debiloide, com todo o respeito que possamos dar à parcela de profissionais competentes que têm que compactuar com tudo aquilo, para o interesse dos patrões.

O que se sabe é que a velha mídia não podia ter mesmo grande audiência.

Até porque o Brasil temeroso não é o Brasil da maioria.

É uma minoria mesmo que gosta da Rede Globo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…