Pular para o conteúdo principal

A CHAMADA "SOCIEDADE CIVIL" SURTOU?


A tão "civilizada" sociedade "bem de vida" surtou de vez?

Vemos inúmeros casos de pessoas surtando e demonstrando posturas sociopatas.

Gente que você não imagina despejar pontos de vista tão mesquinhos e que fizeram, de maneira mais explícita possível.

Como numa catarse, expressam seu reacionarismo da forma estúpida.

Tivemos o renomado diretor teatral Cláudio Botelho, de peças sofisticadas e talento de montar espetáculos.

Pois quando encenava uma peça baseada em canções de Chico Buarque, Cláudio Botelho, nos bastidores, teve um chilique e irritado, demonstrou seus preconceitos em conversa com a atriz Soraya Ravenle.

Soraya, que discordava da visão do diretor, tentava rebater acusações levianas dele de que o PT "só tinha bandido". A conversa, gravada, "vazou" na Internet.

A reputação de Cláudio Botelho despencou de vez.

Depois, tivemos Guilherme Fiúza, colunista de Época.

É certo que ele é um reaça explícito, de carteirinha, membro-fundador do Instituto Millenium, mas ele havia também feito biografias como as do saudoso Bussunda e de Reinaldo Giannechini.

Ele se superou quando, em sua visão fora de órbita, acusava o New York Times de ser financiado pelo Partido dos Trabalhadores.

Recebeu gozações de jornalistas estrangeiros correspondentes no Brasil, em postagens no Twitter.

E aí temos o "moderno" empresário Flávio Rocha, da "descolada" grife de moda Riachuelo, que agora tem logotipo grafado RCHLO,

Ele é um dos maiores torcedores para que a terceirização passe na reforma trabalhista a ser debatida e discutida no Congresso Nacional, no próximo ano.

Uma terceirização total, não mais limitada a atividades-meio, mas se ampliando nas atividades-fim.

Flávio havia declarado que "será um golpe se a terceirização não for aprovada", se esquecendo que, do lado de baixo da pirâmide social, golpe é justamente aprovar a terceirização ampla e irrestrita para o mercado de trabalho.

Depois Flávio declarou, arrogante, que o "Estado Robin Hood acabou", alegando que o "livre mercado é a melhor maneira de distribuir riqueza".

Enquanto isso, era processado por forçar uma costureira a sobrecarregar seu trabalho, fazendo mil peças de bainha por jornada, e, por hora, colocar elástico em 500 calças e costurar 300 bolsos.

Depois, o baladado publicitário Nizan Guanaes.

Num discurso recente do Conselhão, o grupo de conselheiros de elite do governo Michel Temer, formado por atores, esportistas, empresários e outros setores, Nizan veio com a seguinte "pérola".

Dizer para o presidente Temer aproveitar que "não tem alta popularidade" para impor medidas "impopulares". Disse que a popularidade é "um fardo" e que nas democracias o desafio de um líder é "saber tomar medidas impopulares".

Cometeu uma grande gafe.

Agora, é a vez de Otávio Mesquita, conhecido apresentador de TV.

Ele fez um comentário no palanque de um trio elétrico, na Avenida Paulista, na manifestação de anteontem.

Embora não tenha defendido a agressão física, ele defendeu que se expulsassem os políticos que forem encontrados comendo em um restaurante.

Ele foi contraditório, dizendo que isso era "constitucional", alegando que "todos são iguais perante a lei", que não é para fazer agressão física, que sabe o que é um político se sentir humilhado e, ainda assim, defender a humilhação dos políticos.

Só que esse discurso acaba incitando a agressão física, sim. Por quê?

Porque é um discurso catártico, de apelo emocional, de ódio aos políticos.

E como se expulsará um político de um restaurante? Com pedidos educados?

A declaração de Otávio Mesquita se somou aos exemplos acima citados.

São apenas alguns deles, e de pessoas famosas ou do ramo empresarial, que de certo modo aparecem também no colunismo social.

Isso mostra o quanto as elites estão grosseiras.

Pessoas que, no fundo, estão paranoicas diante do risco de perder privilégios sob governos do PT.

Pelo menos Flávio Rocha deu a senha: o "Estado Robin Hood" que tira dos ricos para dar aos pobres, se bem que com a alusão pejorativa a "Robin Hood", pela atribuição à "roubalheira".

As elites, oficialmente conhecidas como "sociedade civil", surtaram porque estavam com medo de perder os privilégios e o glamour.

Daí as declarações cada vez mais estúpidas e reacionárias.

Já não se fazem mais elites como antigamente.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…