Pular para o conteúdo principal

MÍDIA VENAL ACHA QUE LIVROS PARA COLORIR AQUECEM MERCADO LITERÁRIO


O mercado literário anda decadente nos últimos anos.

Depois que se descobriu ser possível lançar livros que não comprometam a transmissão de conhecimento, foi descartada a antiga ojeriza às obras literárias.

Nos tempos do Orkut, havia gente que, com orgulho, odiava ler livros.

Hoje não precisa disso, porque a sociedade conservadora já deu um jeito.

Fez o mercado literário fugir do compromisso de transmitir conhecimento.

Quando muito, só livros técnicos relacionados ao mercado de trabalho de uma forma ou de outra.

Mas, fora isso e alguns livros de história mais populares e já consagrados pelo mainstream, o que se vê é uma fuga a tudo que significar conhecimento ou questionamento do "estabelecido".

Os livros da terceira safra de youtubers em diante vivem da "arte" de nada dizer em cerca de cento e tantas páginas.

Já tem uma terceira linhagem de romances de vampiros, heróis medievais, jogos de Minecraft etc que não têm muita relevância.

E nos preparemos para a vinda do Pokemon Go! em forma de romances.

E ainda há os habituais livros de auto-ajuda e as "comoventes estórias" religiosas.

Crise cultural? Que crise? Só que ignorar a existência não significa afirmar que não existe.

Temos uma crise cultural que antecedeu a crise política dos dias atuais.

Mas como as pessoas pensam que cultura é consumismo, pensam que está tudo às mil maravilhas.

Basta chover dinheiro e... Pronto! Qualquer MC Créu vira João Gilberto num estalar de dedos.

Não é bem assim. Cultura não é fazer ISO 9000 em cantor de sambrega ou breganejo, jogá-lo num programa trainée e, em seguida, deixá-lo pronto para "fazer bonito" num tributo à MPB.

Cultura é alma, não a adestramento.

Voltando à literatura, a mídia venal acha os livros para colorir "ótimos" para o mercado literário.

O portal G1 disse que, "sem livros para colorir", mercado literário fecha 2016 em crise.

Os livros para colorir foram a aberração maior do mercado literário e fez 2015 não um bom ano, mas um dos péssimos do setor.

Não que os livros para colorir fossem, em si, ideias ruins. Eles são até bem intencionados.

Mas eles não são livros. E o mais ridículo é que eles são creditados como obras de "não-ficção".

Outro dado a considerar é que, além do meio inoportuno, pois são livros para pintar e não para ler, o que tira o lugar de muito escritor emergente no mercado, é que não há necessidade para lançar tais livros.

Vejam só. Estamos numa época em que os jornais estão fechando para se limitarem apenas à Internet.

É contraditório que haja livros para colorir, que ainda aparecem na lista dos mais vendidos e na categoria não-ficção.

Páginas dessas para colorir bastam serem publicadas somente na Internet.

Até porque elas rendem impressão barata, imagens vazadas em branco e preto.

Com um Ctrl+P, elimina a necessidade de ir à livraria e procurar um livro para colorir.

Nem combinação de tons de cinza é direito. Dá uma impressão fácil e barata.

É contraditório que um Jornal do Brasil, por exemplo, seja agora presente só na Internet e as gráficas das editoras despejam, em quantidades assombrosas, livros para colorir sobre tudo.

Até Padre Marcelo Rossi fez versão de livro para colorir de um de seus livros.

Obras com pouco ou nenhum texto, com desenhos simples, que dão para pegar na Internet e imprimir no computador, não precisam ser publicadas em livros.

Além disso, a crise de hoje exige um grande controle de gastos, não da forma como quer Michel Temer, mas de maneira que fosse a mais coerente e equilibrada possível.

Se o mercado literário está em crise, não são os livros para colorir que salvarão a situação.

Será repensar o mercado como um todo, seja melhorando os preços e as publicações.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…