Pular para o conteúdo principal

MCDONALD'S RECEBE MULTA MILIONÁRIA POR DESCUMPRIR NORMAS TRABALHISTAS


O Ministério Público do Trabalho anunciou que a McDonald's, rede de lanchonetes que se autoproclama "restaurante" e é franqueada, no Brasil, pela empresa Arcos Dourados, foi condenada a pagar R$ 103 milhões de multa.

O motivo é o descumprimento de um acordo judicial no qual a rede se comprometia a regularizar a situação dos empregados.

A rede é denunciada por suas inúmeras irregularidades.

Entre eles, o uso de uma jornada móvel variável feita para reduzir custos e burlar direitos trabalhistas. Os trabalhadores não eram informados do horário de entrada e saída do trabalho, quando recebiam o contrato de trabalho.

Havia horas extras excessivas, o intervalo das jornadas é menor que o permitido e os funcionários não podiam sair para o almoço, sendo obrigados a seguir a "dieta do palhaço".

"Dieta do palhaço" é o regime restrito ao "almoço completo" do "restaurante" de Ronald McDonald's, que rendeu o documentário Super Size Me, de Morgan Spurlock, lançado em 2004.

Morgan Spurlock experimentou a dieta e quase morreu: engordou, ficou subnutrido, passou a ter frequentes dores de cabeça e crises de vômito e contraiu fraqueza orgânica.

Dá para perceber o quanto humilhante é ver os funcionários almoçando uma coisa dessas.

Um combo de hambúrguer sintético, pão dormido, molhos com alta dose de substâncias químicas, refrigerante aguado e batatas fritas que mais parecem transgênicas, com mais gordura que sabor.

E tudo isso frito em fogões enferrujados com óleo saturado que causa um cheiro enjoado em todo o recinto de cada filial da rede de fast food.

Foi constrangedor eu, certa vez, quando fui com meu pai para o centro do Rio de Janeiro, ir para o banheiro da lanchonete - fazer as "necessidades" - e ver pessoas tão felizes comprando o lanche da McDonald's.

Ignoram a vida humilhante de seus funcionários.

Há históricos de gestantes, negros e pessoas gordinhas sendo humilhados por gerentes preconceituosos.

Foi-se o tempo em que a McDonald's era o símbolo de modernidade em redes de comida rápida para o lanche dos fregueses no Brasil.

Hoje suas instalações parecem velhas, antiquadas, sujas, decadentes.

Mas, num Rio de Janeiro decadente, em que o pessoal trata os problemas da cidade e de seu Estado como se fossem piada, isso não altera sua felicidade bovina.

A McDonald's se reuniu com o Ministério Público do Trabalho, o Sindicato dos Empregados em Hospedagem e Gastronomia de São Paulo e a Confederação dos Trabalhadores em Turismo e Hospitalidade para discutir as formas de pagamento da multa.

A McDonald's havia recebido 259 denúncias trabalhistas depois do acordo, o que levou o MPT a decidir pela multa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…