Pular para o conteúdo principal

PÓS-TROPICALISMO, ANTROPOFAGIA CULTURAL E O PROBLEMA DO COMERCIALISMO BREGA

DOTADOS DE MUITA INFORMAÇÃO MUSICAL, TOM ZÉ E ELZA SOARES SÃO USADOS INDEVIDAMENTE COMO "PATRONOS" DE UMA VAZIA "PROVOCATIVIDADE" MUSICAL.

O monopólio de narrativa da intelectualidade "bacana" que permite que até as esquerdas aceitem o comercialismo musical dominante nas últimas décadas, cria sérios problemas.

É uma narrativa que nada tem de progressista, ela foi gerada pelo consórcio entre a mídia venal, a burocracia acadêmica e o neoliberalismo político-econômico.

Numa só tacada, intelectuais que foram defender o "mau gosto popular" da bregalização, mesmo associados formalmente ao esquerdismo político, tiveram o DNA formado num contexto nada progressista.

Eram formados com base nos padrões de abordagem cultural mercantilistas, defendidos pela Folha de São Paulo e pela Rede Globo. A Folha, como mentora, a Globo como propagadora.

Eram ligados a uma burocracia acadêmica ligada a figuras como Fernando Henrique Cardoso e José Serra, que, por isso mesmo, no âmbito político-partidário está alinhada ao PSDB.

Mas a intelectualidade orgânica desse cenário foi voando para os círculos esquerdistas, inserindo preconceitos da Globo/Folha na Caros Amigos, Carta Capital e Revista Fórum.

Unindo um modus operandi que mistura uma perspectiva trash e um tratamento "politicamente correto", difundiram a bregalização cultural como se fosse a "salvação" de nossa cultura popular.

A partir daí, tentaram empurrar o "pobrismo" na cultura brasileira, não só musical, mas principalmente por essa modalidade.

Era um suspeito e estranho "orgulho de ser pobre", uma "felicidade" com a situação social da pobreza que deveria ter causado desconfiança desde o começo.

Mas não. Levou uma década sendo propagada.

A intelectualidade "bacana" tinha o monopólio da alta visibilidade, não havia quem oferecesse um contraponto e tivesse a mesma capacidade de atingir um público que, se não era ainda a das "massas", pelo menos era o dos auditórios lotados de faculdades.

E aí, se "combateu" o preconceito com PRECONCEITO.

Coisas lamentáveis como viver em barracos mal construídos, viver o subemprego vendendo produtos contrabandeados e piratas, moças vendendo o corpo para machos violentos, idosos sem ter o que fazer se acabando com álcool, tudo isso era visto como "positivo" e "admirável".

Pior: isso era vendido, nas esquerdas, como um "ideal progressista", como uma vida "libertária".

Era o tempo em que você folheava a imprensa de esquerda e via dois Brasis.

Um, nos textos políticos, mostrava o povo pobre corajoso, combativo, insubmisso, decidido, inteligente e digno.

Outro, nos textos culturais, mostrava um povo abobalhado, resignado, submisso aos "sucessos" de rádios e TVs oligárquicas, indeciso, alienado e fútil.

A leitura às pressas num país ainda com hábito precário de leitura - o mercado literário precisou se degradar ultimamente para atrair mais leitores - fez com que muitos fizessem vista grossa com tais disparidades.

E aí os pregadores do "deus mercado" da "cultura transbrasileira" e seu ideal de "pobrismo" tentam dar um suporte nobre a tudo isso.

Se o "popular demais" mostra muita baixaria, a intelligentzia bota logo a culpa no poeta do século XVII, Gregório de Matos.

Grande mania de se esquecer que diferentes épocas geram diferentes contextos. É essa intelectualidade que bateu na tecla da tese infundada de que o "funk" é rejeitado hoje como o samba foi rejeitado há 100 anos.

Grande incoerência. O "funk" é rejeitado por pessoas moralmente muito mais flexíveis do que a sociedade elitista da República Velha.

O samba, além disso, era percussivo, mas aceitou violões, banjos e até metais, como na derivação estilística do chorinho.

O "funk carioca" só liberou o violão quinze anos depois, quando se passou por "movimento sócio-cultural" para turista ver.

E se ritmos como "funk" e "sertanejo", ou tudo o que for brega (lembramos dos primeiros cafonas que emulavam boleros e rock caricatos) soa muito americanizado, a intelligentzia bota a culpa logo em Oswald de Andrade.

E aí os intelectuais "mais legais do país", assim considerados num contexto de verdadeiro anti-intelectualismo, criam todo um discurso "antropofágico" para defender a bregalização cultural, mesclando "pobrismo" com mitos de pretensa hiperconectividade e modernismo pop.

Misturando ídolos "provocativos" e citando, sutilmente, outros mais comerciais - como Anitta, Wesley Safadão e Luan Santana - os intelectuais "bacanas", por outro lado, procuram bajular veteranos associados ao pós-Tropicalismo como Tom Zé e Elza Soares.

Tom Zé foi um dos nomes do Tropicalismo, juntamente com Caetano, Gil, Gal e Bethânia, além dos Mutantes de Rita Lee e dos irmãos Dias Baptista, Sérgio e Arnaldo.

Elza Soares surgiu antes, no alvorecer do sambalanço no período entre 1959 e 1961 que, pouco tempo depois, teve Jorge Ben (hoje Jorge Ben Jor) como seu representante mais popular.

Elza virou "tropicalista" por adoção, como foi feito antes por bossanovistas que a "adotaram", pelos mesmos motivos que fazem a vetarana ser venerada assim como Tom Zé.

Elza e Tom são portadores de muitas informações musicais.

Elza com informações de samba dos morros e samba carnavalesco, mescladas com jazz, soul music e hip hop.

Tom com informações de música regional do interior baiano, mesclada com concretismo erudito europeu, rock, pós-rock e folk, entre outros.

São nomes muito respeitáveis e de grande valor, mas que são indevidamente empurrados para serem "patronos" do cenário provocativo-comercial dos tempos de hoje.

Eles ganharam essa "reputação" apenas por dois aspectos formais.

Sempre foram artistas que traduziram influências estrangeiras com a linguagem cultural brasileira e se tornaram populares adotando posições polêmicas.

Só que não é qualquer novo Tom Zé que aparece num jovem brega vestindo jeans, carregando violão e sentado numa estação de trem qualquer.

E não é uma nova Elza Soares que aparece numa jovem funqueira que mostra os glúteos para a plateia, direto para as caras do público.

A intelectualidade "bacana" acha que o "mercadão da provocatividade" pode criar gênios musicais às custas de controvérsia e da cara feia da crítica especializada.

E acha que pode-se forjar "antropofagia cultural" em qualquer "baile funk", vaquejada ou micareta.

Nem em sonhos.

Uma coisa é a "antropofagia cultural", que é a assimilação espontânea, vinda da vontade da pessoa, de uma informação cultural estrangeira.

Outra coisa é o "entreguismo cultural", quando a informação estrangeira é difundida "de cima", imposta do "alto" através de gerentes das mídias oligárquicas nacionais e regionais no Brasil.

Isso nossos intelectuais "tão legais" não conseguem discernir. Muito provavelmente, nem se interessam a isso.

Eles querem dar o mesmo peso dos grandes artistas da MPB a ídolos cujos sucessos musicais parecem ter sido compostos num balcão de negócios.

Criando um discurso simplório: plateias lotadas e cheias de "minorias sociais", como se isso por si só fosse "revolucionário".

No palco, ídolos que medem uma suposta genialidade através da combinação de plateias lotadas e supostas declarações negativas de críticos musicais "tradicionais".

Certamente não é o caso de Elza Soares e Tom Zé, que, além de causar polêmica, pelo menos oferecem também música.

Eles são veteranos e vêm do tempo em que a música brasileira mostrava pessoas bem mais criativas.

Muito distantes dos "provocativos", "carneirinhos" e "populares demais" que representam as três forças do comercialismo musical brasileiro.

De gente que não pode ser antropofagista, até porque mal ouviu falar do "osvaldi-não-sei-de-quê".

De gente que sonha com os EUA que veem nas telas da Rede Globo e nas páginas da Folha de São Paulo. Um mundo "de fora" filtrado "de cima" pelas mídias oligárquicas "de dentro".

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…