Pular para o conteúdo principal

BRASIL TEM SEU 'HIT-PARADE E O PESSOAL NÃO RECONHECE


Em entrevista recente, Caetano Veloso acha estranho definir "funk" e "sertanejo universitário" como mainstream.

Para justificar, apela para o discurso já surrado de "rebelião musical".

Nas palavras de Caetano, sobre o "funk": "uma forma desenvolvida por favelados, esculachada  pela crítica durante anos e ainda considerada algo tosco e que não merece respeito não é bem um exemplo de mainstream".

Ou sobre o "sertanejo": O sertanejo universitário é a mais nova (e influenciada pelo axé) marola da grande onda do centro-oeste, de que a cultura dominante do litoral sempre sempre guardou desdenhosa distância".

Ele ainda falou do esforço da axé-music em ganhar prestígio entre os "críticos e bem-pensantes".

Já soa velho esse papo de "subversão" pelo brega-popularesco.

O que a gente vê é um establishment escancarado.

Recentemente, tivemos Nego do Borel gravando com Anitta e Wesley Safadão.

A gente tem um establishment musical que tem eles, tem Solange Almeida, Luan Santana, as duplas de "sertanejo universitário" etc etc etc.

Já está velho aquele discurso do tipo: "com o 'funk', as favelas apavoram as elites da Zona Sul" ou "os sertanejos tomaram de vez a orla do Leblon".

Essa "retórica da rebelião" não serve sequer para vender disco, quanto mais para influenciar a opinião pública.

Hoje o que se vê é que tudo isso é um comercialismo musical dos mais escancarados, em que até "sertanejos" e "pagodeiros" dos anos 90, agora fazendo "MPB de mentirinha", não deixam de fazer parte.

Todos fazendo música comercial ou releitura, via música comercial, de clássicos da MPB, e fingindo que não estão sendo comerciais.

A MPB está sendo desmontada, depois que a intelectualidade "bacana" impediu que se articulasse um movimento emepebista como nos primórdios da ditadura militar.

Aquilo gerou um vexame para os generais, porque a cena musical brasileira impulsionou estudantes a irem para as ruas e jornalistas a protestarem contra a ditadura.

Da MPB dos Festivais, se deu iniciativas como a revista Pasquim, por exemplo.

Era demais para a ditadura que queria castrar o país.

E é por isso que, já na crise do governo Fernando Henrique Cardoso, intelectuais associados foram recrutados para passar os 13 anos do governo PT colados nos esquerdistas.

Tudo para evitar o debate cultural e empurrar o jabaculê de "funk", "sertanejo" e outras comercialices bregas para a aceitação, a mais bovina possível, da sociedade mais culta.

Aquela choradeira do "combate ao preconceito" para aceitar uma imagem preconceituosa das classes populares, já idiotizadas pelo brega-popularesco, o "folclore de proveta" da mídia venal.

Uma "cultura popular de cativeiro", que o discurso intelectual quer vê-la "autêntica", reivindicando "respeitabilidade" ao jabaculê de hoje, que querem que seja o "folclore de amanhã".

Diante de tanto "mimimi" que fala em "rebelião", "fim do preconceito", "favela descendo o morro", "sertão chegando para a praia", a realidade é simplesmente crua.

O que se vê é tão somente a consagração do hit-parade musical.

E é mainstream, establishment, até demais.

E eu recentemente, só vi a crítica especializada elogiando funqueiros, "sertanejos" e tantos mais.

Cadê os ataques da crítica especializada?

Ou a intelectualidade "bacana" está traumatizada com críticas de 20 anos atrás?

Hoje os "sucessos do povão" são até o mainstream do mainstream do mainstream.

O mais hit-parade do hit-parade, mas que tenta vir com discurso militante para forçar a aceitação dos "bem-pensantes".

Isso mostra uma coisa. O arrivismo da música comercial brasileira.

Que não se contenta com plateias lotadas, discos vendidos, visibilidade plena na mídia, elogios da crítica especializada.

Eles querem o reconhecimento de uma meia-dúzia de críticos exigentes.

Os ídolos popularescos têm tudo nas mãos, e se preocupar com um detalhezinho desses dá pena.

É como se quisessem ser julgados e recebessem só elogios.

Pensando assim, acabam subestimando o próprio sucesso.

São coisas de um país esquisito como o Brasil, de um comercialismo musical ao mesmo tempo escancarado e nunca assumido.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…