Pular para o conteúdo principal

DOCUMENTÁRIO "ETNICIZA" O COMERCIALISMO DA AXÉ-MUSIC


Em tempos de saudosismo dos cenários brega-popularescos dos anos 90, um documentário busca a reforçar a narrativa que "etniciza" demais o comercialismo musical brasileiro.

Intitulado Axé: Canto do Povo de um Lugar, de Chico Kertèsz (filho do dublê de radiojornalista Mário Kertèsz, "astro-rei" da Rádio Metrópole), tenta explicar a "crise de popularidade" desse universo musical-comercial baiano.

É uma narrativa que há pouco tempo parecia adormecida, com a intelectualidade "bacana" parecendo sossegar com seus apelos à bregalização do Brasil.

Era o governo Temer, o PT havia sido tirado do poder, e a intelligentzia não precisa patrulhar os debates culturais para barrar novos focos cepecistas e evitar sucessores de José Ramos Tinhorão, Carlos Estevam Martins ou até mesmo Guy Debord e Umberto Eco.

Era só o governo Temer sofrer uma crise aguda, havia um "bacana" empurrando uma funqueira ali, um "sertanejo" acolá.

Com Chico Buarque dedicando "Apesar de Você" a Michel Temer, tentou-se até "guevarizar" um pequeno incidente em que William Waack apenas fez uma piada irônica à cantora Anitta.

De repente, do nada, veio uma suposta "Anitta Garibaldi" a encarar um dos bastiões do jornalismo "global".

A intelectualidade "sem preconceitos", mas muito preconceituosa, tem o maior medo, o maior horror em ver um cenário similar ao da MPB dos anos 1960, registrada nos festivais da TV.

Aquilo foi um soco na barriga dos generais da ditadura militar.

Ainda na crise de FHC, a intelectualidade "bacana", com Paulo César Araújo camuflando o perfil conservador de Waldick Soriano (tão reacionário quanto Lobão) e Bia Abramo preferindo as paródicas "enfermeiras" siliconadas às enfermeiras de verdade, expressou esse horror.

Ver uma MPB visceral e uma cultura popular orgânica era demais.

Tinha que apelar para uma pretensa cultura popular em que tudo é mercadoria: do rebolado às letras anti-machistas.

A axé-music foi, aliás, símbolo dos tempos de Fernando Henrique Cardoso.

Ela foi fruto dos incentivos que Antônio Carlos Magalhães, então ministro das Comunicações do governo José Sarney, deu aos barões do entretenimento de Salvador.

Em nome do mercado turístico, criou-se uma espécie de dance music local, apenas parcialmente dotada de nomes de indiscutível valor artístico (Lazzo, Margareth Menezes, Carlinhos Brown, Olodum, Gerônimo), uns poucos alhos misturados com os bugalhos dos grandes blocos do Carnaval.

É ilustrativo que o documentário seja feito pelo filho do insuspeito Mário Kertèsz, político surgido na ARENA e que bancou o "dono das esquerdas" em Salvador.

Mário destruiu o rádio baiano, criando um cartel de emissoras FM que ao mesmo tempo barravam a segmentação musical da Frequência Modulada e sufocavam o crescimento da Amplitude Modulada, o hoje agonizante em estado terminal "rádio AM".

Kertèsz, ao lado do ruralista Marcos Medrado, criou um lobby no qual uma boa parcela de FMs despejava programação AeMizada, com chatíssimos "programas de locutor" e mofadas e decadentes "jornadas esportivas", com transmissões de futebol que parecem vindas de arquivos dos anos 1970.

Foi um prato cheio para o rádio FM se reduzir a um balcão de negócios de empresários do Carnaval baiano e dirigentes esportivos.

Daí que a monocultura da axé-music prevaleceu, banindo outras tendências musicais das rádios FM e enchessem boa parte dos horários, sobretudo matinais, com insuportáveis noticiários e debates marcados por puro pedantismo em uma ou duas horas que parecem mais de tão cansativas.

Criaram até um pastiche de "rádio rock", a ridícula 96 FM (que apelava para um nada roqueiro "momento de Ave-Maria"), para evitar que um projeto do nível da Fluminense FM irradiasse em Salvador e neutralizasse a monocultura dos axézeiros.

E aí a axé-music criou um império local, que impediu a diversificação cultural na Bahia.

E isso pela desculpa de que a axé-music "já expressava a diversidade musical".

Só que a propaganda de que a axé-music sintetizava todos os ritmos musicais - em tese, seu universo acolhia o Tropicalismo, o rock, o reggae, a Bossa-Nova, o jazz, a música africana e os ritmos hispano-caribenhos - , não se aplicava na prática.

Boa parte dos sucessos de axé-music eram marchinhas ruins nos quais o cantor, nos palcos, se preocupava mais em dar palavras de ordem à plateia antes de soltar um refrão.

E depois ainda veio os subprodutos como "pagodão", a partir do É O Tchan - que vendeu como "samba-de-roda" ou "lundu" um pastiche ruim de samba-de-gafieira - e, mais tarde, o arrocha, versão eletrônica do brega de Amado Batista.

A prepotência local da axé-music é tanta que, nas apresentações em Salvador, bandas nacionais do nível de Barão Vermelho, Skank e O Rappa se reduziam a bandas de abertura dos medalhões da axé-music.

E foi essa mesmice durante anos, monopolizando espaço nas FMs junto ao blablablá noticioso que repetia a agenda setting da mídia venal, mas temperada de opinionismo da pior qualidade.

Escândalos tiveram que ocorrer, como denúncias de "pejotização" de músicos de axé-music, caso de estupro envolvendo grupo de "pagodão" e cantor de axé-music chamando baianos de "tabaréis" para haver o desgaste dessa "dance music de baiano".

Ainda há a "regionalização" do É O Tchan e a persistência dos velhos axézeiros, mais eventuais armações como Leva Noiz e, mais recentemente, um tal de MC Beijinho (talvez para disputar, na Bahia, com o "nacional" MC G15 e seu "Deu Onda") e sua "Me Libera Nega".

Um comercialismo escancarado, mas que sofre a concorrência com o "funk" e o "sertanejo universitário", além das "furadas de cerco" do forró-brega, que sempre quis ter sua reserva de mercado na Bahia.

Mas cujo monopólio de narrativa de uma intelectualidade que "etniciza" e "guevariza" o comercialismo musical brasileiro insiste em dizer que é "fenômeno cultural".

Seria como dizer que a fast food da rede McDonald's fosse um primor de nutrição alimentar e se insistisse nesse discurso o tempo todo.

A intelectualidade "bacana" de Salvador até sofreu uma baixa, já que resta apenas Milton Moura.

Roberto Albergaria, que sonhava em "mcdonaldizar" a cultura baiana, faleceu há pouco tempo.

Resta então o documentário do filho do "astro-rei" da Rádio Metrópole, para realimentar narrativa tão ambiciosa.

Desta vez, perguntando porque a axé-music decaiu.

Ora, ela decaiu pelos limites que o pop comercial apresenta. O comercialismo é tão culturalmente superficial que, um dia, inevitavelmente, cansa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CLÁUDIA ABREU MANDOU RECADO PARA DEFENSORES DO FASCISMO

A atriz Cláudia Abreu, durante sua participação no programa Altas Horas, que Serginho Groisman apresenta na Rede Globo, deu um recado para os defensores do fascismo.

Ela está preocupada, como tantos cidadãos sérios do Brasil, com a ascensão da extrema-direita diante do catártico (porém masoquista) favoritismo, nas pesquisas, da candidatura de Jair Bolsonaro à Presidência da República.

Isso é muito, muito preocupante, e mostra que o reacionarismo das redes sociais anda ultrapassando os limites digitais, ameaçando botar o Brasil a perder.

Esses reaças - que conheci a partir dos tempos do Orkut, diante da "galera irada" da comunidade "Eu Odeio Acordar Cedo" - cada vez mais saem do armário, achando que seu obscurantismo social, político e ideológico representam o "novo" no Brasil.

Não, não representam o novo. Representam o velho, à volta à ditadura militar que os moleques que só querem "ir pra balada c'a galera" (observem o cacófato e se lembre…

A AÇÃO DO STF CONTRA LULA E O SUICÍDIO ELEITORAL DOS REAÇAS

CARMEN LÚCIA E MICHEL TEMER NA POSSE DE ALEXANDRE DE MORAES NO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL - A consagração do golpe político de 2016.

Não tinha que dar em outra coisa.

Quando Alexandre de Moraes, ministro do STF, foi indicado relator do recurso enviado pela defesa de Lula, que contestava a anulação do julgamento do pedido de liberdade feita por Luiz Edson Fachin, foi como se escolhesse a raposa para julgar a condenação do galo.

Foi ontem à tarde e Alexandre de Moraes foi curto e grosso: segundo ele, não havia problema algum na anulação do julgamento do pedido de liberdade para Lula.

Ele aceitou a decisão de Fachin de deixar o julgamento do novo recurso em agosto, praticamente dificultando a candidatura do ex-presidente a um novo mandato.

O pedido de liberdade foi negado e a possibilidade de julgar a condenação dada ao ex-presidente continua sendo de responsabilidade do plenário, e não da segunda turma.

Quando Fachin passou a saber que a segunda turma do Supremo Tribunal Federal, ao inoce…

A GAFE MUNDIAL DE GUILHERME FIÚZA

Há praticamente dez anos morreu Bussunda, um dos mais talentosos humoristas do país.

Mas seu biógrafo, Guilherme Fiúza, passou a atrair as gargalhadas que antes eram dadas ao falecido membro do Casseta & Planeta.

Fiúza é membro-fundador do Instituto Millenium, junto com Pedro Bial, Rodrigo Constantino, Gustavo Franco e companhia.

Gustavo Franco, com sua pinta de falso nerd (a turma do "cervejão-ão-ão" iria adorar), é uma espécie de "padrinho" de Guilherme Fiúza.

O valente Fiúza foi namorado da socialite Narcisa Tamborindeguy, que foi mulher de um empresário do grupo Gerdau, Caco Gerdau Johannpeter.

Não por acaso, o grupo Gerdau patrocina o Instituto Millenium.

Guilherme Fiúza escreveu um texto na sua coluna da revista Época em que lançou uma tese debiloide.

A de que o New York Times é um jornal patrocinado pelo PT.

Nossa, que imaginação possuem os reaças da nossa mídia, que põem seus cérebros a serviço de seus umbigos!

Imagine, um jornal bastante conhecido nos…

TRF-4 E A CRISE JURÍDICA NO CASO DA PRISÃO DE LULA

O DESEMBARGADOR DO TRF-4, ROGÉRIO FAVRETO, E O RELATOR DA SENTENÇA DO TRIBNUAL QUANTO À CONDENAÇÃO DE LULA, JOÃO PEDRO GEBRAN NETO.

Domingo, normalmente, é um dia de folga no Brasil.

Mas ontem foi um dia de muita trabalheira, depois que o desembargador do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4), Rogério Favreto, acatou ação movida por aliados do ex-presidente Lula.

Os deputados do Partido dos Trabalhadores, Wadih Damous (RJ), Paulo Pimenta (RS) e Paulo Teixeira (SP) entraram com o pedido de libertação de Lula no serviço de plantão do TRF-4.

O desembargador plantonista Rogério Favreto acatou a decisão e encaminhou ofício determinando a libertação do ex-presidente Lula.

Isso criou uma grande expectativa. Em Curitiba e em São Bernardo do Campo, simpatizantes de Lula já estavam em plantão diante da possibilidade de soltar o ex-presidente.

Diante dessa possibilidade, Sérgio Moro reagiu, irritado, escrevendo um documento alegando que o desembargador é incompetente na função de determ…

TV LINHAÇA - SALVADOR, NITERÓI E AS VIAS DA MOBILIDADE URBANA

Enquanto Salvador, capital da Bahia, construiu estradas visando resolver diversos problemas de trânsito, Niterói não consegue sequer resolver o problema de dois bairros vizinhos (Rio do Ouro e Várzea das Moças) que, sem uma avenida própria de ligação, dependem de rodovia estadual para se comunicarem. Com isso, a rodovia, RJ-106, sofre sobreposição de funções no trecho niteroiense.

O "POPULAR DEMAIS" E O FIM DO SONHO PSEUDO-LIBERTÁRIO

Era uma vez a Santíssima Trindade da intelectualidade festejada, três reis magos que prometiam que a bregalização transformaria o Brasil num paraíso.

Paulo vinha com sua "bíblia" transformando cafonas despolitizados em supostos inimigos da ditadura militar.

Pedro passeava pelos bosques da mídia esquerdista (e ainda passeia) vendendo seu peixe chamado lochte originalmente criado pela Folha, na tentativa de promover o "popular demais" como algo "libertário".

E Hermano (hermano de um músico que, sinceramente, admiro) querendo promover à posteridade como "etnografia honorável" a ditabranda do mau gosto "popular" que os canonizados "são" Paulo e "são" Pedro divinizaram em seus textos.

Eram tempos áureos, em que se prometia que o jabaculê dos sucessos musicais radiofônicos do presente ou de um passado relativamente remoto seriam o folclore musical do amanhã.

Ou, no caso de, por exemplo, das mulheres-objetos (algumas tamb…

A IRRITANTE OBSESSÃO DOS NITEROIENSES PELO CIGARRO

Niterói virou uma cidade cujos cidadãos tapam olhos e ouvidos aos seus próprios problemas.

Quarta cidade oficialmente com maior IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) no Brasil, a antiga capital fluminense parece disposta a despencar, se preciso, para além de mil colocações abaixo da atual.

Enquanto a Região dos Lagos pede para a RJ-106 não bancar a "avenida de bairro" de Niterói, por ser ela uma rodovia estadual, Niterói se recusa a admitir a própria necessidade de construir nova avenida ligando Rio do Ouro a Várzea das Moças.

Repete-se o vexame que fez a via Cafubá-Charitas levar sete décadas para sair do papel.

No caso, a nova avenida Rio do Ouro-Várzea das Moças nem papel é, e os terrenos que deveriam ser demolidos para esta nova (e renegada) via continuam sendo vendidos como se permanecessem reservados para novas moradias.

O niteroiense médio leva às últimas consequências a acomodação irritante dos cariocas.

Afinal, bem ou mal, o Rio de Janeiro precisa tirar satisfaçõe…

A AMEAÇA FASCISTA É REAL E DEVE SER COMBATIDA

O SALTO PARA A MORTE DAS MORSAS DO ALASCA - METÁFORA PARA O QUE AMEAÇA VIR PARA OS BRASILEIROS.

De repente, a metáfora das morsas do Alasca contagia os brasileiros.

Num documentário de TV, se mostrou o estranho caso das morsas que saltam rolando pelo abismo.

Achando que irão cair na água para nadarem e sentir o seu frescor, as morsas caem do precipício e, abatendo-se sobre o chão, morrem.

A ameaça fascista de Jair Bolsonaro, um golpe militar travestido de voto popular, é algo que pode levar o país a perder.

Não podemos superestimar os traumas do golpe de 2016, no qual a presença, não só de Jair, mas também de seus filhos, foi bastante decisiva.

As orgulhosas marchas dos manifestoches, dois anos depois, são motivo de vergonha para o que antes se fazia de cabeça erguida, ainda que quente.

Mas, como diz o ditado, "cabeça quente, pé frio", e a lição catastrófica do governo Michel Temer, de maneira comprovada, não se resolverá com um Bolsonaro no poder.

Pelo contrário. Bolsonaro …