Pular para o conteúdo principal

OPERAÇÃO LAVA JATO E O ANTIGO 'ESTABLISHMENT' POLÍTICO-EMPRESARIAL


Parecia ontem, mas foi cerca de oito, sete anos atrás.

Um grupo político que dominava o Rio de Janeiro, o PMDB carioca de Eduardo Paes, Sérgio Cabral Filho e companhia, se ascendeu ao poder.

Era um grupo ambicioso, que também promoveu sua demagogia ao grande público.

Tinham um apelo populista um tanto hipócrita, como se fossem grandes estadistas com soluções prontas para os problemas do Estado do Rio de Janeiro.

Achavam que poderiam promover desenvolvimentismo com cidadania, através de medidas de "choque de gestão" ou de projetos como as UPPs e os ônibus BRT.

Quiseram promover a mobilidade urbana escondendo empresas de ônibus da população com a pintura padronizada e botando os passageiros a andar muito para pegar um ônibus.

As únicas coisas acertadas foram a derrubada da Perimetral e os VLTs.

Mas, de resto, a trajetória do grupo foi um horror.

Queriam uma cidade espetacularizada, como o Rio de Janeiro, e o resto que se lenhasse.

O grupo político de Paes e Cabral queria fechar metade da Av. Rio Branco para veículos, transformando-o em parquinho para ricos e dormitório para miseráveis, agravando os engarrafamentos que já fazem a má imagem do Rio com as ruas abertas.

E queriam demolir o Caio Martins para colocar condomínios no lugar. Os niteroienses que se virassem indo para o outro lado da Baía da Guanabara e fossem ao Maracanã, Engenhão ou São Januário.

Tanto o parque no lugar de parte de uma avenida quanto o condomínio no lugar de um estádio niteroiense foram para a gaveta.

Queriam apenas uma cidade para turista ver, mas a administravam de forma muito confusa.

Tanto que o entorno entre o Aeroporto Internacional Tom Jobim (Galeão) e o Centro do Rio de Janeiro, os complexos do Alemão e da Maré, tornaram-se áreas de altíssimo risco.

Era uma cidade só para enfeite para os jogos da Copa do Mundo FIFA 2014 e dos Jogos Olímpicos Rio 2016.

E isso com o preço de "limpar" as praias da Zona Sul com o projeto do fim das linhas Zona Norte-Zona Sul, parcialmente realizado pelo prefeito Eduardo Paes e agora em vias de cancelamento.

Paes criou um pequeno "piscinão", que chamou de "Praia de Rocha Miranda", onde queria jogar toda a demanda das praias da Zona Sul e Zona Oeste para uma área que mal dá para metade de Copacabana.

E tudo isso para criar uma cidade artificialmente bonita para turistas e aristocratas.

E o empresariado, como empreiteiros, magnatas etc, apoiando essas empreitadas.

E vemos hoje Sérgio Cabral Filho preso e Eike Batista recebendo ordens de prisão.

Eike Batista chegou a figurar entre os mais ricos do país na lista da Forbes.

Foi um ex-piloto de offshore - o esporte radical, não os outros offshore que ele se aventuraria como empresário - e se casou com a ex-modelo Luma de Oliveira.

Com isso, Luma deixou de ser aquela moça graciosa de Nova Friburgo, que dava gosto de ver nos primórdios da carreira de modelo.

Hoje continua linda, mas virou aristocrática e não recuperou a doce Luma de outrora.

Eike se ascendeu como empresário e marido de Luma - que chegou a exibir uma coleira com o nome do marido - e pai de dois rapazes que, depois, virariam alguns dos símbolos de curtição noturna, bem ao gosto da juventude "coxinha".

Até que Eike começou a ser denunciado por irregularidades e perdeu muito dinheiro diante de tantos escândalos.

E agora é considerado foragido pela Interpol, acusado de envolvimento com esquema de propina junto ao ex-governador Sérgio Cabral Filho.

A mídia venal superestima a prisão de Cabral Filho e a ordem de prisão de Eike, como se isso fosse o último capítulo de uma era de corrupção.

Sem dúvida, é um ocaso de um grupo político marcado pela prepotência, demagogia e propinas, entre outros crimes. Um grupo que teve até Eduardo Cunha atuando sobretudo nos bastidores.

Só que a outra parte desse grupo, em âmbito nacional - leia-se PMDB, PP, PSC, DEM e PSDB, entre outros partidos - estão no poder através do governo Michel Temer.

Que, pelo jeito, devem ser os "Cabral Filho" E "Eike" de amanhã.

A mídia venal não quer isso. Afinal, os irmãos Marinho já estão preparando a subida para mais alguns pontos de colocação na lista da Forbes.

Estão enxugando as Organizações Globo, demitindo atores emergentes, jornalistas e produtores, cancelando contratos com atores veteranos, "aparelhando" a Globo News.

E estão recebendo mesada do presidente temeroso.

Deve vir aí um escândalo maior do que a Privataria Tucana.

Com Michel Temer, seus "notáveis", a mídia venal e os midiáticos da Operação Lava Jato, incluindo um destacado juiz paranaense, muito amigo de um certo "tio lá do Norte".

A propósito, o já ex-presidente Barack Obama, sua bela Michelle Obama e as filhas gatíssimas, vão passar umas férias nas Ilhas Virgens Britânicas.

Devem conviver com o forte odor de dinheiro que repousa no lugar.

É lá onde ficam os depósitos bancários de quantias nababescas dos políticos do PSDB e seus familiares.

A tucanada fez o dinheiro das inúmeras privatizações viajarem para esse paraíso fiscal.

Vamos ver qual vai ser o paraíso fiscal favorito de Temer e seus "notáveis".

É só esperar o tempo dizer.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…