Pular para o conteúdo principal

CASO LUDMILLA REVELA TRUCULÊNCIA DO NOTICIÁRIO POLICIALESCO


Um grave incidente envolveu um desses programas de noticiário policialesco transmitidos à luz do dia nas programações nacionais e regionais da TV aberta.

O apresentador Marcos Paulo Ribeiro de Moraes, conhecido como Marcão do Povo ou Marcão Chumbo Grosso, apresentador da edição do Balanço Geral no Distrito Federal, fez um comentário racista.

Criticando o fato da funqueira Ludmilla não cumprimentar fãs, Marcão veio com essa grosseria: chamou a cantora de "macaca".

Apresentadores desse porte adotam um perfil muito conhecido e bastante truculento.

São dublês de jornalistas, metidos a sub-prefeitos e a justiceiros.

Se acham com respostas para os problemas urbanos, para a segurança, para os buracos nas ruas.

Fazem juízo de valor para tudo, e ficam dando pitaco naquilo que não entendem.

E, com seu patrulhamento moralista, mais ofendem e agridem do que exercem a dignidade que dizem ter.

É certo que Ludmilla é uma cantora comercial e se enquadra num lamentável cenário em que a música brasileira se escancara num mercantilismo cada vez mais voraz.

Mas nem por isso ela merece xingações da mais baixa categoria.

Até porque ser negra é uma das qualidades positivas de Ludmilla, por sinal de traços bonitos e graciosos.

O incidente mostra uma colisão entre o popularesco noticioso e o popularesco musical.

E demonstra a decadência dos noticiários policialescos de televisão, exibidos geralmente na hora do almoço ou no fim de tarde.

São programas que, infelizmente, são formadores de opinião e de atitude nas mesmas classes populares que ouvem Ludmilla nas rádios.

Mas se o pop de Ludmilla é inofensivo - até menos grotesco do que o de Valesca, por exemplo - , na linha de Anitta, o noticiário policialesco é um fenômeno bastante perigoso.

Os noticiários policialescos de TV são verdadeiras "oficinas de criminosos", na medida em que glamouriza a violência, um prato cheio para a afirmação pessoal dos que são desprovidos de educação escolar, cidadania e não tem a quem recorrer na sua vida de pobreza.

Programas como Balanço Geral, Cidade Alerta e Brasil Urgente são em boa parte responsáveis pelas superlotações nos presídios brasileiros, fora a burocracia relacionada às prisões provisórias de gente pobre, sem dinheiro para pagar um advogado.

São programas que, na melhor das hipóteses, deveriam ser transmitidos no alto da madrugada.

Não há a menor justificativa para programas televisivos assim serem transmitidos de dia, expostos até ao público infantil.

A desculpa da "cobertura da realidade" não procede, da mesma forma que o moralismo de padrões medievais dos apresentadores.

A propósito, Marcão Chumbo-Grosso foi demitido e substituído por Dionísio de Freitas.

E Ludmilla já está preparando o processo judicial contra o apresentador.

Desejamos boa sorte a ela e que o apresentador Chumbo-Grosso receba a devida punição legal.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…