O PREOCUPANTE RETROCESSO DO BRASIL


Há tantos retrocessos ocorrendo no Brasil.

Desde o desmonte dos direitos trabalhistas, que farão a CLT, aos 74 anos, virar peça de museu, até as demonstrações fascistas na Internet, o que vemos é um declínio vertiginoso de nosso país.

Os estrangeiros que realmente se preocupam com os brasileiros estão de cabelos em pé desde que os poderes Judiciário e Legislativo atropelaram a ética para tirar Dilma Rousseff do poder.

Uma reportagem do Financial Times publicada ontem denuncia possíveis articulações de grupos de extrema-direita no Brasil.

Até Jair Bolsonaro é citado na reportagem.

Um delegado do Rio Grande do Sul, Paulo César Jardim, investiga o recrutamento de neonazistas brasileiros em operações de guerra contra pró-rebeldes russos na Ucrânia.

Bolsonaro, segundo a reportagem, não está associado a grupos neonazistas, mas inspira outros grupos de extrema-direita.

A reportagem cita o discurso do parlamentar, louvando um torturador da ditadura militar (sabemos ser o coronel Brilhante Ustra), na votação do impeachment pela Câmara dos Deputados de 17 de abril passado.

Também é citada a invasão de um grupo de extrema-direita, durante a discussão do "pacote anti-corrupção" na mesma casa legislativa, em novembro passado, quando os manifestantes pediram "intervenção militar" e a presença de um general no plenário.

As manifestações racistas da extrema-direita, segundo o texto do repórter Joe Leahy, desafiam o mito de democracia racial do Brasil.

O governo de Michel Temer, impulsionado pelo tendenciosismo da Operação Lava Jato e pelo reacionarismo doentio da grande imprensa, abriu espaço para os extremistas.

E de repente temos a liberação dos mais sórdidos preconceitos sociais.

Algo que não se imaginava sequer nos piores momentos de 2013.

Imaginávamos que a sociedade brasileira fosse se evoluir, ainda que houvesse focos de imperfeições e posturas retrógradas, estas clandestinas.

Mas de repente houve um surto reacionário bem mais psicótico do que em 1964.

Do nada surgiram pessoas querendo tudo de ruim: menos salários, entrega de nossas riquezas para empresas estrangeiras, menos verbas públicas, menos qualidade de vida.

E eram pessoas que se autoproclamavam "tudo de bom" na Internet ou gozavam de alta reputação em vários meios sociais.

Isso causa muita apreensão, e não é para ficar sorrindo.

Até porque quem vê a Rede Globo e outras mídias semelhantes não sabe a realidade sombria que ocorre no país.

E se ela causa apreensão até nos gringos, não somos nós a ficar indiferentes com o pesadelo em que vivemos.

Comentários