Pular para o conteúdo principal

ENREDO DE ESCOLA DE SAMBA, PASMEM, GEROU REVOLTA POR DEFENDER INDÍGENAS


Com a retomada conservadora doentia, como se nossas elites de repente fossem tomadas de um surto de esquizofrenia crônica, defender os índios agora gera revolta nas "classes produtoras".

Isso sempre ocorreu, mas não da forma explícita, organizada e sob o mais rígido verniz moralista que se observa desde que o Brasil Temeroso se instalou, em maio passado.

Grupos como a Associação Brasileira de Criadores de Zebu, Sociedade Rural Brasileira, Associação Brasileira de Criadores de Girolando e Associação Brasileira de Criadores de Cavalo Mangalarga Marchador fizeram manifestos condenando um samba-enredo para o Carnaval 2017.

"Xingu - O Clamor que Vem da Floresta" é de autoria dos compositores Moisés Santiago,/ Adriano Ganso, Jorge do Finge, Aldir Senna.

Sua letra defende a cultura do povo indígena e comemora os 55 anos de fundação do Parque Indígena do Xingu. no estado do Mato Grosso, reserva indígena fundada pelos irmãos Villas Bôas.

A alegoria, as fantasias e a estrutura do desfile são comandadas pelo carnavalesco Cahe Rodrigues.

A letra, pela defesa que faz aos povos indígenas, hoje ameaçados por tantas obras mastodônticas como hidrelétricas e hidrovias, entre outros projetos de similar envergadura, faz duras críticas à concentração de terra dos grandes fazendeiros.

Isso revoltou as associações ligadas à pecuária ou ao agronegócio.

E faz com que Ronaldo Caiado, líder e fundador da União Democrática Ruralista (UDR) e senador pelo DEM, goiano, pedisse até a criação de uma CPI para investigar os interesses que levaram a aprovação do samba-enredo.

Ronaldo Caiado está alucinado.

"Com tantos problemas no país, que sofre com traficantes, bicheiros e facções, causa perplexidade uma escola de samba atacar o agronegócio, orgulho do País, que é o único setor que gera tantos resultados positivos", tentou argumentar o senador, representante máximo da Bancada do Boi.

Os indígenas já foram ofendidos por uma jornalista da Rede Record.

No programa Sucesso no Campo, informativo rural da TV Record Goiás, a jornalista Fabélia Oliveira também se enfureceu com o enredo da escola de samba carioca.

"Que conhecimento o tradicional malandro carioca tem para falar do homem do campo, para falar do índio, da floresta, para dizer que está certo ou errado e para dizer que alguém pede socorro?", perguntou Fabélia.

Ela ainda acrescentou: "Eles falam que a floresta está pedindo socorro, mas não abrem mão da tecnologia do dia a dia, eles não abrem mão do veículo que eles andam".

Embora supostamente defendendo a cultura indígena, Fabélia disse que o índio, em contrapartida, "não tem acesso à tecnologia" e tem que "comer comida de geladeira".

Diz que, por "controle populacional natural", o índio "tem que morrer de malária, de tétano, do parto".

Ela ainda criticou os pedágios das aldeias indígenas que visitou e, ao ver os índios usando parabólicas e óculos de sol, definiu como "heroísmo" não os movimentos indígenas, mas os produtores rurais que "trabalham de sol a sol".

Nesta avaliação, a apresentadora evidentemente colocaria no mesmo peso os pequenos agricultores, estes sim os trabalhadores da terra, e as "classes produtivas", eufemismo para latifundiários, grileiros e até representantes de empresas estrangeiras que concentram terras no Brasil.

É triste ver agora que as elites rurais responsáveis pela concentração de grandes porções de terras e pelas alianças selvagens com o capitalismo predador estrangeiro, agora venham com vitimismo.

Isso sem falar que esses "humildes produtores da terra" aplicam nas plantações substâncias agrotóxicas proibidas na Europa e EUA, além de fazerem desmatamentos que já trazem sério impacto ambiental.

São tempos em que as elites lutam desesperadamente para recuperar privilégios e cometer abusos impunemente.

De repente os movimentos sociais passaram a ser amaldiçoados e os segmentos sociais menos privilegiados abertamente hostilizados.

Dá medo viver num país desses.

Por ora, ficamos com a letra do samba-enredo.

******

Xingu, O Clamor Que Vem da Floresta (Samba-Enredo 2017)
G.R.E.S. Imperatriz Leopoldinense (RJ)

Brilhou a coroa na luz do luar!
Nos troncos a eternidade a reza e a magia do pajé!
Na aldeia com flautas e maracás
Kuarup é festa, louvor em rituais
Na floresta, harmonia, a vida a brotar
Sinfonia de cores e cantos no ar
O paraíso fez aqui o seu lugar
Jardim sagrado, o caraíba descobriu
Sangra o coração do meu Brasil
O belo monstro rouba as terras dos seus filhos
Devora as matas e seca os rios
Tanta riqueza que a cobiça destruiu!

Sou o filho esquecido do mundo
Minha cor é vermelha de dor
O meu canto é bravo e forte
Mas é hino de paz e amor!

Sou guerreiro imortal derradeiro
Deste chão o senhor verdadeiro
Semente eu sou a primeira
Da pura alma brasileira!

Jamais se curvar, lutar e aprender
Escuta menino, Raoni ensinou
Liberdade é o nosso destino
Memória sagrada, razão de viver
Andar onde ninguém andou
Chegar aonde ninguém chegou
Lembrar a coragem e o amor dos irmãos
E outros heróis guardiões
Aventuras de fé e paixão
O sonho de integrar uma nação

Kararaô, Kararaô, o índio luta por sua terra
Da Imperatriz vem o seu grito de guerra!

Salve o verde do Xingu, a esperança
A semente do amanhã, herança
O clamor da natureza a nossa voz vai ecoar
Preservar!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESTUPRO COLETIVO DERRUBA MITO DA "LIBERDADE DO CORPO"

O vergonhoso caso do estupro coletivo desmascarou uma situação que a intelectualidade "bacana" sempre abafou com falso relativismo.

O mito da "liberdade do corpo" num país do combate ao assédio abusivo.

O terrível caso ocorreu num bairro popular, na região de Jacarepaguá.

33 homens afoitos cercando uma moça de 16 anos, dopando a menina, depois a estuprando sob o registro da câmera do celular e depois publicando na Internet.

Um episódio de pura truculência, mas condicionado pela ilusão de liberdade sexual que a intelectualidade "bacana", que apostava num Brasil brega, queria para as classes pobres.

Mesmo mulheres aparentemente ativistas, dentro dessa intelectualidade, davam dois pesos e duas medidas.

Elas reclamavam contra a imagem caricatural que as mulheres, de classe média, recebiam dos comerciais de TV.

Mas consentiam que a mesma imagem fosse impunemente abordada sob o rótulo do "popular".

Reclamavam quando a imagem da mulher de classe média…

GOVERNO TEMER E A REVOLTA DOS UMBIGOS

A "revolta dos umbigos" que surgiu nas mídias sociais achou que tinha o poder pleno nas mãos.

Lutaram para ter Michel Temer no lugar de Dilma Rousseff para realizar uma agenda mais conservadora para o Brasil.

Essa agenda é um misto do programa eleitoral derrotado de Aécio Neves em 2014 com as "pautas-bombas" do então presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha.

Primeiro, os "revoltados" na Internet se escondiam nas mídias sociais, se limitavam a trolar assuntos culturais ou coisa próxima e fingiam serem progressistas.

Depois, deixaram a máscara cair e iniciaram uma campanha para derrubar Dilma Rousseff.

Conseguiram o que fizeram, pois faziam parte de uma "frente ampla" às avessas, que clamavam por retrocessos políticos sob a desculpa do "combate à corrupção".

Estavam junto dos empresários em geral e, em parte, os que controlam a grande mídia.

Foram animadores juvenis de uma campanha que ludibriou a sociedade inteira, que passou …

CRIMINALIZAÇÃO DO "FUNK" É UMA PROPAGANDA ÀS AVESSAS

Um abaixo-assinado na página do Senado atingiu, anteontem, a marca de 20 mil assinaturas, diante de uma causa bastante controversa, a de criminalização do "funk".

A proposta é de autoria do empresário paulista Marcelo Alonso, que se declara pai de família e afirma estar tentando "salvar a juventude".

Deu um tiro no pé, porque a proposta acabou estimulando mais o natural coitadismo do "funk", tido como "vítima de preconceito".

A repressão policial transformou um ritmo musicalmente medíocre em "canção de protesto".

A presença de "bailes funk" em noticiários policiais transformou os ricos empresários-DJs, ávidos por dinheiro, em supostos ativistas culturais.

A criminalização transformou medíocres MCs de vozes esganiçadas em pretensos militantes.

Da mesma forma, a criminalização do "funk" fez um mero ritmo dançante e comercial virar, durante anos, um pretenso paradigma de folclore popular.

Enquanto rolava o discurso de…